Gilbert Newton Lewis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Gilbert Newton Lewis
Química
Nacionalidade Estados Unidos Estadunidense
Nascimento 23 de Outubro de 1875
Local Weymouth
Morte 23 de Março de 1946 (70 anos)
Local Berkeley
Atividade
Campo(s) Química
Orientador(es) Theodore William Richards, Glenn Theodore Seaborg
Orientado(s) Michael Kasha, Harold Clayton Urey
Conhecido(a) por Notação de Lewis
Prêmio(s) Prêmio Willard Gibbs (1924), Medalha Davy (1929)

Gilbert Newton Lewis (Weymouth, 23 de Outubro de 1875Berkeley, 23 de março de 1946) foi um físico-químico americano conhecido pela descoberta de uma ligação covalente e o seu conceito de pares de elétrons; suas estruturas de pontos de Lewis e outras contribuições para a teoria de ligação de valência moldaram modernas teorias da ligação química. Lewis contribuiu com êxito na termodinâmica, fotoquímica e separação de isótopos, e também é conhecido por seu conceito de ácidos e bases.

Nasceu em 1875 em Weymouth, Massachusetts. Depois de receber seu PhD em química pela Universidade Harvard e estudar no exterior na Alemanha e Filipinas, Lewis mudou para a Califórnia para ensinar química na Universidade da Califórnia em Berkeley. Vários anos depois, se tornou o decano da faculdade de química em Berkeley, onde passou o resto de sua vida. Como professor, incorporou princípios termodinâmicos no currículo de química e reformou a termodinâmica química de uma forma matematicamente rigorosa acessível aos químicos comuns. Começou a medir os valores de energia livre relacionados com vários processos químicos, orgânicos e inorgânicos.

Em 1916, também propôs sua teoria de ligação e informação adicional sobre os elétrons na tabela periódica dos elementos. Em 1933, começou sua pesquisa sobre a separação de isótopos. Lewis trabalhou com hidrogênio e conseguiu purificar uma amostra de água pesada. Então veio com a sua teoria de ácidos e bases, e fez trabalho na fotoquímica, durante os últimos anos de sua vida. Em 1926, Lewis cunhou o termo "fóton" para a menor unidade de energia radiante. Era irmão da Alpha Chi Sigma, a fraternidade química profissional.

Embora foi indicado 35 vezes, nunca ganhou o Prêmio Nobel de Química. Em 23 de março de 1946, foi encontrado morto em seu laboratório em Berkeley, onde tinha vindo a trabalhar com o cianeto de hidrogênio; muitos postularam que a causa de sua morte foi suicídio. Após a morte de Lewis, seus filhos seguiram a carreira de seu pai na química.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Estudou na Universidade de Harvard e mais tarde na Universidade de Leipzig e na Universidade de Göttingen, tendo dirigido o gabinete de pesos e medidas no Laboratório Governamental das Filipinas (1904-1905). De 1907 a 1912 foi professor de Físico-química no Instituto de Tecnologia de Massachusetts. Em 1912 mudou-se para a Universidade da Califórnia, em Berkeley, onde foi professor de química e reitor até a sua morte.

Introduziu novos conceitos em termodinâmica e propôs o nome "fóton" para designar o quantum da radiação luminosa, em uma carta enviada ao editor da revista Nature em 1926.[1] Seus trabalhos de maior repercussão na química foram aqueles em que deu explicações mais adequadas para as ligações químicas em compostos orgânicos: compartilhamento de um par de elétrons por dois átomos (1916). Em virtude desses trabalhos, seu nome está associado a uma definição geral de ácido (substância capaz de receber um par de elétrons) e de base (substância capaz de doar um par de elétrons). Dedicou-se também à preparação de uma amostra de água na qual os átomos de hidrogênio foram substituídos por deutério (²H): a "água pesada" (D2O). Foi Lewis que introduziu o desenho da camada de valência nos respectivos átomos, sendo esse novo conceito de fundamental importância na ligação iônica, o que acabou por facilitar a visualização da troca de elétrons entre os íons.

Referências

  1. Abdalla, Maria Cristina Batoni. O discreto charme das partículas elementares. São Paulo: Editora UNESP, 2006. p. 40. ISBN 85-7139-641-8

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Coffey, Patrick (2008) Cathedrals of Science: The Personalities and Rivalries That Made Modern Chemistry. Oxford University Press. ISBN 978-0-19-532134-0

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) químico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.