Gilberto Rodríguez Orejuela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde julho de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Gilberto Rodríguez Orejuela
Nome Gilberto Rodríguez Orejuela
Nascimento
Colômbia
Nacionalidade Colômbia colombiana
Pseudônimo(s) O Enxadrista
Crime(s) Líder do Cartel de Cali
Situação vivo

Gilberto Rodriguez Orejuela, conhecido como "O Enxadrista". é um traficante de drogas colombiano confesso, e principal líder do Cartel de Cali.

De acordo com algumas estimativas, o Cartel de Cali chegou a controlar 80% da cocaína da Colômbia, exportando para os Estados Unidos. Gilberto Rodriguez Orejuela fundou o Cartel de Cali na década de 1970 com o seu irmão Miguel e José Santacruz Londoño.

O jogador de xadrez, foi apelidado assim por sua astúcia para se manter um passo à frente dos seus rivais e para evitar as autoridades. Mesmo possuindo uma violenta reputação, Rodíguez Orejuela preferia subornar do que usar a violência, e em muitos casos foi visto como um empresário de respeito na região.

Captura e extradição[editar | editar código-fonte]

Depois da morte do senhor das drogas Pablo Escobar, do rival Cartel de Medellín, Gilberto Rodriguez Orejuela e seu irmão Miguel foram capturados em Cali.

Em 1995 durante a administração do presidente Ernesto Samper, cuja presidência foi marcada por denúncias de ter recebido doações do Cartel Cali (o escândalo se tornou conhecido como o 8000), o presidente Samper criou uma parceria com os membros da polícia e do comando de elite, declarando uma guerra total contra as drogas dos cartéis. Gilbero Rodriguez foi capturado em 9 de junho de 1995 em um luxuoso apartamento em Cali, escondido em um armário. Era um dos primeiros grandes barões da droga a ser preso. Logo muitos do Cartel Cali foram presos. José Santacruz morreu após ser baleado enquanto fugia da polícia.

Gilberto Rodriguez Orejuela foi julgado após a sua captura. Ele foi condenado a quinze anos de prisão, que foi reduzida para sete anos por conta da confissão e do bom comportamento. Ele foi liberado em novembro de 2002, em nome de uma controversa decisão judicial emitida pelo juiz José Pedro Suarez, que constatou que a liberação era aplicável pela figura do habeas corpus.

Acusado de enviar 150 kg de cocaína para os Estados Unidos em 1990, uma posição que ele não tinha confessado, Gilberto Rodriguez foi recapturado quatro meses mais tarde, e extraditado para os Estados unidos, em dezembro de 2004. Nessa função, ele juntou-se a outros que continuaram as suas atividades ilegais durante o período em que estava preso.

Declarações do procurador federal Marcos Daniel Jimenez após a chegada de Rodriguez Orejuela aos Estados Unidos, sobre a possibilidade de ser acusado em todos os seus antecedentes criminais, tem gerado controvérsia. As autoridades colombianas afirmaram que, sob os termos da extradição aprovado pelo Supremo Tribunal Federal, os Estados Unidos não podem julgar Rodriguez Orejuela por eventos anteriores a 1997.

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.