Extradição

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Extradição é o processo oficial pelo qual um Estado solicita e obtém de outro a entrega de uma pessoa condenada por, ou suspeita de, infração criminal.

O direito internacional entende que nenhum Estado é obrigado a extraditar uma pessoa presente em seu território, devido ao princípio da soberania estatal. Por este motivo, o tema costuma ser regulado por tratados bilaterais que podem gerar, a depender da redação, este tipo de obrigação.

A pessoa em processo de extradição chama-se extraditando. O Estado que solicita a extradição denomina-se "Estado requerente" e o que recebe o pedido, "Estado requerido".

A extradição não deve ser confundida com os institutos da deportação e da expulsão de estrangeiros.

Condições[editar | editar código-fonte]

Em geral, os Estados costumam impor como condições prévias e necessárias para extraditar uma pessoa em seu território:

  • com existência de uma ordem de prisão emanada de autoridade competente do Estado requerente (um juiz, por exemplo);
  • a tipificação do fato como crime tanto no Estado requerente quanto no requerido;
  • um razoável grau de gravidade quanto ao crime; e
  • a expectativa de julgamento justo e de proporcionalidade da pena.

Alguns Estados recusam a extradição quando o extraditado esteja sujeito, no Estado requerente, à pena capital ou a pena corporal; nesses casos, alguns países admitem que o Estado requerente se comprometa formalmente a não aplicar tais formas de punição.

Restrições[editar | editar código-fonte]

Muitos Estados recusam o pedido de extradição quando o extraditando é procurado por crime político ou pode ser submetido a tribunal de exceção pelo Estado requerente.

O processo de extradição, nos Estados de direito, costuma estar sujeito a apreciação judicial.

Extradição por país[editar | editar código-fonte]

Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, a extradição é prevista pela Constituição Federal no art. 5º, LI e LII, dispositivos que proíbem a extradição de brasileiro (exceto o naturalizado se a naturalização veio a solidificar-se depois do crime) e vedam a de estrangeiro em caso de crime político ou de opinião.

O instituto é definido pela Lei nº 6.815, de 19 de agosto de 1980 (Estatuto do Estrangeiro), e regulado pelo Decreto nº 86.715, de 10 de dezembro de 1981. A lei brasileira prevê que a extradição deve ser solicitada pelos canais diplomáticos e o respectivo processo é apreciado exclusivamente pelo Supremo Tribunal Federal. A existência de cônjuge ou filho de nacionalidade brasileira não obsta a concessão da extradição.

O Brasil celebrou diversos tratados bilaterais de extradição. Até 2006, o país mantinha acordos bilaterais sobre o tema[1] com Argentina, Austrália, Bélgica, Bolívia, Chile, Colômbia, Coréia do Sul, Equador, Espanha, Estados Unidos da América, França, Itália, Lituânia, México, Paraguai, Peru, Portugal, Reino Unido, Suíça, Uruguai e Venezuela.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Fonte: Ministério das Relações Exteriores, Divisão de Atos Internacionais

Ligações externas[editar | editar código-fonte]