Cartel de Medellín

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde fevereiro de 2012). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.

O Cartel de Medellín foi uma rede de traficantes de drogas muito bem organizada, originária da cidade de Medellín, na Colômbia. O cartel de drogas operou na Colômbia, Bolívia, Peru, Honduras, Estados Unidos, bem como no Canadá e na Europa durante a década de 1970 e a década de 1980. Estima-se que o cartel chegou a faturar cerca de 60 milhões de dólares por mês e tinha cerca de 28 bilhões no total.

O Cartel de Medellín foi fundado e dirigido pelo irmãos Ochoa Vázquez, Jorge Luis, Juan David, e Fabio, juntamente com Pablo Escobar. Era responsável pela maior parte das exportações de drogas para o México, Porto Rico e Republica Dominicana. Outras figuras notáveis envolvidas ou conectadas ao cartel incluem a família Ochoa, Carlos Lehder e George Jung. Havia um conflito permanente com o Cartel de Cali e, a partir da década de 1980, com o governo colombiano.[1]

O cartel perdeu muito de sua força e influência após a captura e morte de muitos de seus líderes, o que o levou a desaparecer enquanto entidade unificada, mas muitos de seus associados sobreviventes e antigos membros ainda continuam ativos no mundo das drogas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

2 de dezembro de 1993 – Traficante Pablo Escobar morre em emboscada policial

Ao tentar resistir à prisão, o chefão do tráfico colombiano Pablo Escobar morreu durante uma troca de tiros com a polícia, na cidade de Medellín. Nesta cidade, Escobar montou um cartel que dominava a exportação de drogas para os Estados Unidos na década de 1980, proporcionando-lhe uma fortuna pessoal calculada em US$ 3 bilhões. Na época, Escobar era o criminoso mais procurado do mundo, responsabilizado pela morte de pelo menos cinco mil pessoas em mais de duas décadas de terror.

Escobar morreu no teto de uma casa quando procurava escapar do cerco policial em companhia de um segurança, num contraste com seus dias de glória, quando comandava um verdadeiro exército e agia com a desenvoltura de um governo paralelo na Colômbia. O traficante morreu no dia seguinte ao seu 44º. aniversário que, por conta da perseguição policial, acabou passando longe da família – mulher e dois filhos, confinados em Bogotá sob custódia do Estado.

A cabeça de Escobar era tão almejada pelo governo, que fora ofertado US$ 6 milhões para quem oferecesse informações que levassem à captura do traficante. Escobar era procurado desde 1992, quando conseguiu fugir da prisão de segurança máxima. Nunca foi sabido se a localização de Escobar foi dada por um informante ou por investigadores do Exército colombiano.

A área onde o traficante estava escondido, uma região residencial, próxima a um Shopping Center, foi evacuada pela polícia na manhã daquele dia, de onde foram retirados todos os civis. Por coincidência, naquela mesma área, Gustavo Restrepo, primo de Pablo Escobar, fora assassinado no dia anterior, atingido por vários tiros disparados por membros dos “Pepes” (Perseguidos por Pablo Escobar), um grupo paramilitar formado por inimigos do narcotraficante, que o caçava por todo o país. A polícia, no entanto, conseguiu encontrar o foragido mais rápido do que seus outros inimigos.

Nessa ocasião, o Exército tomou a cidade, tomando medidas ou realizando ações excepcionais de segurança para os moradores, já que remanescentes da quadrilha desmantelada de Escobar poderiam vingar o chefe morto.

De menino pobre a traficante bilionário

“Prefiro um túmulo na Colômbia a uma cela nos Estados Unidos”. A frase de Pablo Escobar acabou se mostrando profética na cidade onde viu crescer sua fortuna e viveu anos de sangrenta guerra, até ser o cenário de sua morte. O traficante nunca quis sair da Colômbia, queria gozar no país a fortuna que chegou a colocá-lo em 13º na lista dos mais ricos do mundo da revista Fortune. Para isso, chegou a se oferecer para pagar a dívida externa do país, em troca de não ser extraditado.

Escobar nasceu em 1 de dezembro de 1949 , a de Medellín. Começou a trabalhar cedo, no setor agrícola, mas logo trocou a profissão por um ofício mais lucrativo. Aos 25 anos, foi preso por roubar um carro. Dois anos depois, foi flagrado traficando alta quantidade de cocaína. Fugiu. A partir daí o cartel tomou forma, movimentando mais dinheiro do que muitas multinacionais. No início da década de 1980, Escobar reinava absoluto na província de Antioquia e usava uma parcela mínima da fortuna para ganhar popularidade. Chegou a ser dono do time de futebol Nacional, campeão da Taça Libertadores. Em sua fazenda, mantinha um zoológico com girafas, elefantes e hipopótamos trazidos da África.

Em 1982, Escobar elegeu-se suplente de deputado federal, sendo cassado dois anos depois. Em 1984, após o assassinato do ministro da Justiça, supostamente cometido a mando de Escobar, o governo declarou guerra aos traficantes, iniciando a busca incessante, que culminaria em sua morte, do chefão do cartel de Medellín.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cartel de Medellín