Heaven Knows, Mr. Allison

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Heaven Knows, Mr. Allison
O espírito e a carne (PT)
O céu é testemunha (BR)
 Estados Unidos
1957 • cor • 106 min 
Direção John Huston
Roteiro John Huston
John Lee Mahin
Baseado na novela de Charles Shaw
Elenco Deborah Kerr
Robert Mitchum
Género Guerra
Idioma Inglês
Página no IMDb (em inglês)

Heaven Knows, Mr. Allison (br.: O céu é testemunha / pt.: O espírito e a carne) é um filme estadunidense de 1957 do gênero "Guerra", dirigido por John Huston. O roteiro foi adaptado por John Huston e John Lee Mahin do livro de Charles Shaw e foi filmado em CinemaScope.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Deborah Kerr como Irmã Angela

No sul do Pacífico em 1944, durante a Segunda Guerra Mundial, o fuzileiro naval dos Estados Unidos cabo Allison era tripulante de um submarino quando houve um ataque dos japoneses, o que o deixou desacordado e perdido no mar dentro de um bote salva-vidas. Ele chega a uma ilha desabitada a quinhentos quilômetros ao norte de Fiji. Ao encontrar uma aldeia em ruínas ele conhece a freira Irmã Angela, que estava ali há quatro dias, fugindo de uma invasão japonesa. Os dois ficam amigos e iniciam a construção de uma jangada mas o trabalho é interrompido pela chegada de tropas japonesas. Se escondem numa caverna até que os japoneses partem para uma batalha naval perto dali. Allison espera que a luta tenha sido vencida pelos aliados e aguarda o desembarque dos companheiros mas isso não acontece, deixando-o frustrado e em sua raiva assusta Angela ao dizer que poderão ficar ali durante anos.

Produção[editar | editar código-fonte]

O filme teve locações em Trinidad e Tobago o que permitiu a Huston e a Fox usarem fundos bloqueados no Reino Unido e receberem financiamento britânico. A história do filme se passa numa época mais tardia da Segunda Guerra Mundial do que a do livro. No filme os aliados já estão na ofensiva e tomam a ilha enquanto no livro Allison vinha da Batalha de Corregidor.

O roteiro compara alguns ritos da Igreja Católica com o dos Fuzileiros Navais dos Estados Unidos. A Legião Nacional da Decência monitorou de perto a produção, enviando representantes para acompanharem as filmagens.[1] [2]

Os Fuzileiros forneceram as tropas para a invasão no clímax do filme. Seis japoneses que viviam no Brasil aparecem como os principais figurantes dessa nacionalidade enquanto chineses das lavanderias e restaurantes de Trinidad e Tobago representaram os outros soldados japoneses.[1]

Óscar[editar | editar código-fonte]

  • Indicado a "Melhor Atriz" (Deborah Kerr) e "Melhor Roteiro Adaptado"

Referências

  1. a b Server, Lee Baby, I Don't Care 2002 St Martin's Griffin
  2. Robert Mitchum: "Baby I Don't Care"; ISBN 0312285434, 9780312285432; p. 306+

Ligações externas[editar | editar código-fonte]