Henri Lefebvre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde setembro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Henri Lefebvre
Henri Lefebvre, 1971
Nascimento 16 de Junho de 1901
Hagetmau, França
Morte 29 de junho de 1991 (90 anos)
Navarrenx, França
Ocupação Filósofo marxista, sociólogo

Henri Lefebvre (Hagetmau, 16 de junho de 190129 de junho de 1991) foi um filósofo marxista e sociólogo francês. Estudou filosofia na Universidade de Paris, onde se graduou em 1920.

Criticava os althusserianos por apagar a ação dos sujeitos no processo de comunicação. Segundo ele, fatores importantes como a vivência dos receptores, a "decodificação pelo cotidiado", as mediações e os lugares dos sujeitos foram esquecidos. Também realizou estudos referentes ao espaço urbano, escrevendo obras importantes como O direito à cidade, em 1969, e A revolução urbana, em 1970, nas quais analisa a influência do sistema econômico capitalista no espaço urbano, com base na necessidade do poder industrial de "modelar" a cidade de acordo com os seus interesses, mas sem excluir a influência de outros agentes sociais.

A obra de Henri Lefebvre é bastante extensa (escreveu mais de 70 livros), abrangendo análises do marxismo no século XX à luz dos textos do próprio Marx, e mantendo intenso debate com grandes filósofos da época, como Sartre. Opunha-se aos marxistas ortodoxos que, segundo ele, imobilizaram a teoria, tomando o discurso em absoluto e substituindo a vivência (vivido) pelo saber (concebido).

Seus debates sobre o marxismo o levaram a separar os textos de Marx dos textos produzidos sobre Marx. Segundo Lefebvre, muitos marxistas mataram a dialética, travando o movimento histórico pela consolidação do Estado e pelo pessimismo.

Em seus estudos, muito otimistas, recusava-se a criar modelos teóricos e a estabelecer programas de desenvolvimento (ver A revolução Urbana). Sua teoria não possui contornos fixos, pois, aos moldes da escrita de Nietzsche, a linguagem de Lefebvre possui algo de poético, numa clara tentativa de reencontrar a totalidade do social, possível pela obra, em oposição ao produto (real-ficção fragmentada da realidade), resultado do trabalho alienado.

No Brasil, são raras as publicações do filósofo. Em língua portuguesa há em torno de 1/3 de suas obras - em grande parte anteriores à década de 1970. A partir dos anos 2000 foram publicados, no Brasil: 'A Revolução Urbana, Espaço e Política e O Vale de Campan. Porém, uma de suas obras mais importantes, O Estado (em quatro tomos) não foi traduzida em português.

Um importante estudo que demonstra bem a amplitude e densidade da obra deste filósofo é o livro organizado por José de Souza Martins: Henri Lefebvre e o retorno à dialética.

Filósofo e sociólogo, seus estudos contribuíram também para o desenvolvimento da sociologia e da geografia. Na sociologia, destaca-se a produção do método progressivo-regressivo, utilizado por Sartre em Crítica da Razão Dialética. Sua contribuição para a geografia foi mais profunda, pois toda a teoria atual desta disciplina se deve à tese de que o espaço é social, ou seja, é socialmente produzido. Sua tríade teórica: vivido - percebido - concebido, possibilitou os estudos de David Harvey e Milton Santos, grandes nomes da geografia contemporânea.

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Henri Lefebvre

Livros[editar | editar código-fonte]

português
  • Logical Formal/Lógica Dialética
  • O Direito à Cidade
  • O Marxismo
  • Sociologia de Marx
  • Para Compreender o Pensamento de Marx
  • Introdução à Modernidade
  • Metafilosofia
  • Posição contra os Tecnocratas
  • Nietzsche
  • Hegel, Marx, Nietzsche ou o Reino das Sombras.
  • O Fim da História
  • Marx: com uma antologia de textos de Marx
  • O Vale de Campam
  • A irrupção. A Revolta dos Jovens na Sociedade
  • A Revolução Urbana, Espaço e Política

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Martins, José de Souza. Henri Lefebvre e o retorno à dialética.
Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia / um filósofo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.