Heróstrato

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Fevereiro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Heróstrato (em grego Ηρόστρατος) foi um incendiário grego, responsável pela destruição do templo de Artemis em Éfeso,1 na atual Turquia, considerado uma das Sete Maravilhas da Antiguidade na noite de 21 de julho do ano 356 a.C..Nota 1

O templo, construído em mármore, era considerado um dos mais belos do mundo à época dentre cerca de 30 santuários construídos pelos gregos para honrar a sua deusa da caça, da vida selvagem e do nascimento. Tinha 130 metros de comprimento, sendo mantido em pé por colunas de 18 metros de altura.

De acordo com a história, o único desejo de Heróstrato era conseguir fama a qualquer preço. Disse Valério Máximo: "Descobriu-se que um homem havia planejado incendiar o templo de Ártemis em Éfeso, de maneira que pela destruição do mais belo dos monumentos, seu nome seria conhecido no mundo inteiro". Longe de tentar furtar-se à responsabilidade de seu ato enlouquecido, Heróstrato alegou com orgulho o seu feito, para imortalizar seu nome na história. Para que futuros aventureiros fossem desencorajados, as autoridades não apenas executaram Heróstrato como também condenaram-no a uma posteridade obscura, através da proibição da menção de seu nome pelas gerações futuras sob a ameaça da execução. Isso não impediu que Heróstrato conseguisse sua meta, no entanto, já que o historiador Teopompo registrou o evento e é o seu perpetrador na história.

Notas e referências

Notas

  1. O nascimento de Alexandre III da Macedónia teria ocorrido na mesma noite, embora os historiadores da Antiguidade possam ter manipulado a data para que ela coincidisse com a destruição do templo, e assim favorecer suas alegações de ligação com a divindade.

Referências

  1. Estrabão, Geografia, Livro XIV, Capítulo 1, 22

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências