I'm So Bored with the USA

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"I'm So Bored with the USA"
Canção de The Clash
do álbum The Clash
Lançamento 8 de abril de 1977
Gravação Março de 1977
Gênero(s) Punk rock
Duração 2:25
Gravadora(s) CBS Records
Letrista(s) Joe Strummer, Mick Jones
Composição Joe Strummer, Mick Jones
Produção Mikey Foote
Faixas de The Clash
Último
Último
"Remote Control"
(2)
"White Riot"
(4)
Próximo
Próximo

"I'm So Bored with the USA" (Português: Estou tão entediado com os EUA) é uma canção composta por Joe Strummer e Mick Jones e gravada pela banda que integravam, o Clash, no álbum estréia epônimo deles, lançado em 8 de abril de 1977.

Informação[editar | editar código-fonte]

A letra original da canção, escrita por Jones, era completamente diferente, sendo esta intitulada "I'm So Bored With You" (Estou tão entediado com você). De acordo com o livro The Complete Clash, de Keith Topping, a letra original da canção teria sido escrita sobre a namorada de Jones na época, que também teria sido tema da canção "Deny".

Nas primeiras gravações da banda, como o popular bootleg 5 Go Mad At The Roundhouse, a canção é interpretada com sua letra original. Entretanto, durante o concerto em 20 de setembro de 1976 em Roundhouse, Camden a canção foi interpretada com a letra modificada.

Temas[editar | editar código-fonte]

A letra da canção faz exatamente o que seu título sugere: condena vários aspectos da sociedade estadunidense, criticando o vício em drogas (em especial heroína) de membros do Exército dos EUA, o apoio do governo federal a ditaduras no Terceiro Mundo (mais tarde denunciado pela banda também na canção "Washington Bullets", do álbum Sandinista!), a cultura do surfe e Starsky and Hutch e Kojak, dois populares programas policiais da televisão estadunidense de então. A canção também citica Richard Nixon, mencionando o escândalo de Watergate.

De acordo com Jones, a crítica da canção "sempre foi desconstruída quando a tocávamos nos Estados Unidos". Para ele, a principal crítica da canção é em relação à americanização da Europa e, em particular, do Reino Unido, seu país de origem.

Covers[editar | editar código-fonte]

A banda canadense de indie rock Arcade Fire costuma interpretar o refrão da canção em shows, antes de começar a tocar "Windowsill".

Ligações externas[editar | editar código-fonte]