John Sinclair

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2010)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
John Sinclair

John Sinclair (Flint, Estados Unidos, 2 de outubro de 1941) é um poeta. Envolvido com a cena de Detroit, ele já foi empresário da banda MC5 e líder do White Panther Party — um grupo militante antirracista contracultural de socialistas brancos com o objetivo de ajudar os Panteras Negras no movimento dos Direitos Civis - de novembro de 1968 a julho de 1969. John frequentou a Faculdade Flint da Universidade de Michigan, hoje Universidade de Michigan-Flint. Durante a sua estadia na UM-Flint, John serviu no Quadro de Publicações da universidade, no jornal escolar "the word", e foi o presidente do Grêmio de Cinema. Ele se formou em 1964.[1]

Ativismo nos anos 1960[editar | editar código-fonte]

Sinclair esteve envolvido na reorganização do jornal underground de Detroit Fifth Estate, durante a ascensão da publicação no final dos anos 1960. O Fifth Estate continua a publicar atualmente, fazendo deste um dos jornais alternativos há mais tempo continuamente publicados nos Estados Unidos. Sinclair também contribuiu para a formação da Detroit Artists Workshop Press (Imprensa da Oficina de Artistas de Detroit), que publicou cinco números da revista Work. John trabalhou como escritor de jazz para a Downbeat Magazine de 1964 a 1965, sendo um franco defensor do novo movimento emergente de Free Jazz de vanguarda. John foi um dos "Novos poetas" que leu na Conferência Poética de Berkeley em julho de 1965.

Detenção e prisão[editar | editar código-fonte]

Depois de uma série de condenações por posse de cannabis, Sinclair foi sentenciado a dez anos de prisão em 1969, depois de ter dado dois cigarros de marijuana a um agente do departamento de narcóticos que estava disfarçado[2] Essa sentença inspirou Abbie Hoffman a pular no palco durante a apresentação do The Who no Festival de Woodstock para protestar. Isso também deu origem ao "Free John Now Rally", uma reunião de shows e discursos na Crisler Arena em Ann Arbor realizada em dezembro de 1971 para pedir a liberdade de Sinclair. O evento reuniu um público de esquerda, incluindo os músicos pop John Lennon (que gravou a canção "John Sinclair" em seu álbum Some Time in New York City), Yoko Ono, David Peel, Stevie Wonder, Phil Ochs e Pete Seeger, os músicos de jazz Archie Shepp e Roswell Rudd, e Allen Ginsberg, Abbie Hoffman, Rennie Davis, David Dellinger, Jerry Rubin, e Bobby Seale, os quais foram oradores durante o evento.[3] [4] Três dias depois da reunião, Sinclair foi libertado da prisão, quando o Supremo Tribunal de Michigan regulou que as leis do estado sobre a marijuana eram inconstitucionais. Esses eventos inspiraram a criação da reunião anual em Ann Arbor Hash Bash, que continua a acontecer, e contribuiu para o percurso da descriminalização da marijuana sob a licença da prefeitura de Ann Arbor.

Referências

  1. University of Michigan-Flint Yearbook 1964
  2. Cadogan, Patrick. The Revolutionary Artist: John Lennon's Radical Years. [S.l.]: Lulu, 2008. ISBN 978-1-4357-1863-0.
  3. Agis Salpukas, "15,000 Attend Michigan U. Rally to Protest Jailing of Radical Poet," New York Times, 12 December 1971, p. 76.
  4. Barrett, Jane (1971-12-16), "John Sinclair: The Rally and the Release", Village Voice, http://news.google.com/newspapers?id=mFQQAAAAIBAJ&sjid=IIwDAAAAIBAJ&pg=6476,5754947, visitado em 2010-02-14  [ligação inativa]