Kunlun

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde Janeiro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Kunlun
A região da cordilheira Kunlun

A cordilheira montanhosa Kunlun (chinês simplificado: 昆仑山, chinês tradicional: 崑崙山, pinyin: Kūnlún Shān), também conhecida como Cunlum[1] e Cuenlun,[2] é uma das maiores cordilheiras da Ásia, estendendo-se ao longo de mais de 3000 km.

Estende-se ao largo da fronteira ocidental da China, até ao sul, ao lado da cordilheira do Pamir, curvando-se para este para formar a fronteira norte do Tibete. Segue a sul do que se denomina actualmente a bacia de Tarim, o famoso Takla Makan ou deserto das "casas enterradas na areia", e o deserto de Gobi. A cordilheira tem cerca de 200 picos de altitude superior aos 6 000 metros. Os três picos mais altos são o Kongur Tagh (7719 metros), o Dingbei (7625 metros) e o famoso Mutzagata (7546 metros). Estes picos encontram-se na cordilheira Arkatag dentro do complexo de cordilheiras.

Pico na cordilheira Kunlun

Para sul, um ramo das Montanhas Kunlun dá lugar à zona de captação das bacias dos dois maiores rios da China, o rio Yangtzé e o Rio Amarelo.

A cordilheira formou-se no lado norte da placa indiana durante a sua colisão no final do Triássico com a placa euroasiática, dando lugar ao fecho do oceano Paleo-Thetys.

Mitologia[editar | editar código-fonte]

As montanhas Kunlun são muito conhecidas na mitologia chinesa, e considera-se que incluem o paraíso taoista. O primeiro a visitar esse paraíso foi, segundo a lenda, o rei Mu (1001-947 a.C.) da dinastia Zhou. Supostamente, descobriu o Palácio de Jade de Huangdi, o mítico Imperador Amarelo, e encontrou Xiwangmu, a Rainha Mãe do Oeste, que também tem o seu mítico refúgio nestas montanhas.

Referências

  1. SCHULBERG, L. Índia Histórica. Tradução de J. A. Pinheiro de Lemos. Rio de Janeiro. Livraria José Olympio Editora. 1979. pp.8,9.
  2. SCHAFER, E. H. China Antiga. Tradução de Maria de Lourdes Campos Campello. Rio de Janeiro. Livraria José Olympio Editora. 1979. p.8