Léo Santana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Léo Santana
Léo Santanna.jpg
Léo Santana se apresentando no Carnaval de 2010.
Informação geral
Nome completo Leandro Silva de Santana
Também conhecido(a) como Léo Silva, Negro Lindo, LS
Nascimento 22 de Abril de 1988 (26 anos)
Origem Salvador, Bahia
País  Brasil
Gênero(s) Axé, pagode, Pop
Ocupação(ões) Cantor e compositor
Instrumento(s) Vocal, percussão, pandeiro, cavaquinho, bateria
Período em atividade 2001atualmente
Gravadora(s) Independente
Afiliação(ões) Parangolé, Wesley Safadão, Anselmo Ralph, Ivete Sangalo
Influência(s) Usher, Harmonia do Samba
Página oficial [1]

Leandro Silva de Santana (Salvador, 22 de abril de 1988), mais conhecido como Léo Santana, é um cantor e compositor brasileiro. Atualmente, Léo ingressou com a carreira solo após o carnaval 2014, deixando a banda Parangolé, que já existe há dezesseis anos e veio ter reconhecimento nacional no final do ano de 2009, com o sucesso da canção "Rebolation".[1] Léo Santana tornou-se compositor ao escrever a canção "Rebolation", além de "Negro Lindo" e "Quebradinha". No Salvador Fest 2010, o cantor entrou junto com a banda para o Guinness Book colocando mais de cem mil pessoas para dançar o "Rebolation".[2]

História[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Léo Santana nasceu e foi criado no bairro do Lobato, em Salvador, e desde a adolescência, sempre sonhou em trabalhar como músico. Quando a família se reunia na casa dos avós, na cidade de Valente, interior da Bahia, tinha o costume de dançar e cantar com os amigos, e foi aí que surgiu sua paixão pela música. Antes de entrar para a carreira artística, começou á trabalhar vendendo frango assado na praia, e fazendo coquetéis em bares, porém não conseguia muito dinheiro. Depois de um tempo trabalhando como auxiliar em salão de cabeleiro feminino, com muito esforço, montou sua própria barbearia, o que já o possibilitava ajudar nas despesas da casa.

Ascensão[editar | editar código-fonte]

Deixando a escola na 8ª série, Léo decidiu trabalhar com a música, ainda com o nome de Léo Silva, e passou a tocar percussão na Som Bahia. Daí veio a curiosidade de tocar algo como violão, ou cavaquinho, tendo como primeiro instrumento, um cavaquinho antigo dado por sua mãe. Depois começou á tocar pandeiro em uma banda de samba de sua comunidade chamada "Simplicidade Maior", só que ficava meio sumido, pois só o vocalista fazia sucesso, até que ele decidiu decidiu sair da banda, para seguir carreira como vocalista. Após montar a banda "Zairê" e depois passa para a "Garotos de Programa", que não chegaram a sair de Salvador, Léo foi convidado a entrar na banda "Pegadha de Guettho", que apesar de muitas promessas, tinha poucas oportunidades de trabalho. Um ano depois, ele deixa a "Pegadha de Guettho", para montar uma banda com amigos, chamada "Apert Play". A banda também não saiu de Salvador, porém, nela havia um amigo de Léo chamado Jean Nanico, que era sócio da banda "Parangolé", a qual havia recentemente demitido o vocalista Bambam, e após Jean mostrar um CD demo para a produção da banda, Léo foi convidado para fazer parte do Parangolé.[3]

Parangolé[editar | editar código-fonte]

Já como Léo Santana, o cantor inicialmente sofreu preconceito, pois com a constante mudança de vocalistas da banda, não acreditavam que ele permaneceria muito tempo nos vocais.[4] Porém, após sua entrada, a banda assumiu uma nova cara, e seus shows passaram a ter figurinos diversificados, e estrutura de última geração, tendo como primeiro sucesso da sua época, a canção "Sou Favela".

Em 2009, Léo escreveu junto com Nenel, fundador do Parangolé, o "Rebolation", música de trabalho para o carnaval de 2010. A música tinha influências das raves e da dança eletrônica, porém, com o rebolado das coreografias de pagode.[5] Com o Rebolation, o Parangolé chegou a ter sucesso internacional, batendo recorde nas paradas da Angola e de Portugal. Com esse feito, Léo e a banda conseguieam entrar para o Guinness Book por ter a canção mais tocada no mundo todo. Além do sucesso comercial, foi um sucesso também pela crítica, recebendo o Troféu Dodô e Osmar na categoria de "Melhor Música".[6] Em 2012, Léo passou as férias em Miami, onde se inspirou nos rappers e cantores de R&B, e ao voltar para o Brasil, mudou seu estilo de roupa[7] , e misturou outros ritmos musicais junto com o pagode da banda, lançando em julho do ano seguinte, o álbum "Diferenciado"[8] , tendo como aposta principal para o carnaval de 2014, a música "Me Domina", a qual lhe rendeu uma série de aparições em vários programas de TV, similar ao sucesso do Rebolation, em 2010.


Carreira Solo[editar | editar código-fonte]

Após o carnaval, Léo Santana se lançou em carreira solo, anunciada durante o carnaval. No dia 28 de Março, no aniversário de Salvador, o cantor fez o show de lançamento da sua turnê #LSTour2014, com um publico recorde de 60 mil pessoas em Cajazeiras. No dia 4 de abril, Léo lançou seu primeiro single "Fenômeno", música composto por ele e por Rodriguinho e que conta com a participação do cantor angolano Anselmo Ralph. Léo prepara seu primeiro álbum solo para o meio de maio, e pretende gravar o DVD ao vivo no segundo semestre, Salvador e Recife são as preferidas pelo cantor pra receber a gravação. Com a música Fenômeno, o cantor faz diversas aparições em programas de tv.

Polêmicas[editar | editar código-fonte]

Com o sucesso, Léo Santana também criou polêmicas, uma delas foi a sua suposta foto pelado que foi postada em sua página oficial no Twitter. Logo em seguida, Léo postou que seu Twitter tinha sido invadido por um hacker, e disse que a foto era uma montagem.

Prêmios e Indicações[editar | editar código-fonte]

Troféu Dodô e Osmar[editar | editar código-fonte]

Ano Recipiente Categoria Resultado
2009 Ele mesmo Cantor Revelação Venceu
2010 Melhor Cantor Venceu
Parangolé Melhor Grupo de Pagode Venceu
"Rebolation" Melhor Canção Venceu
2011 Ele mesmo Melhor Cantor Indicado
"Tchubirabirom" Melhor Canção Indicado
Parangolé Melhor Grupo de Pagode Venceu
2014 Parangolé Melhor Grupo de Pagode Indicado

Referências

  1. Glauco Araújo (25 de Janeiro de 2010). ‘Rebolation’ surge como hit de verão em Salvador. G1. Página visitada em 25 de Janeiro de 2010.
  2. Carol Campanharo (18 de Julho de 2010). Parangolé entra para o Guiness Book com a música mais tocada no mundo. EXTRA. Página visitada em 18 de Julho de 2010.
  3. Andréia Fiuza (21 de Outubro de 2007). Léo? Bambam? O que será?. Flogão. Página visitada em 21 de Outubro de 2007.
  4. Léo Santana lembra início no Parangolé: 'Não acreditavam em mim'. Caras (4 de Abril de 2013). Página visitada em 4 de Abril de 2013.
  5. Glauco Araújo (25 de Janeiro de 2010). ‘Rebolation’ surge como hit de verão em Salvador. G1.
  6. Junior Figueiredo (10 de Janeiro de 2011). Parangolé venceu Troféu Dodô e Osmar. Troféu Dodô e Osmar.
  7. Monique Arruda (6 de Maio de 2012). ‘Uma pegada mais americanizada', diz Léo Santana sobre novo visual. EGO.
  8. Aline Valadares (9 de Julho de 2013). Léo Santana & Parangolé mistura ritmos no álbum distribuído hoje com o CORREIO. CORREIO.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]