Língua gail

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Gail (Gayle)
Falado em: África do sul: principalmente em Joanesburgo, Pretória, Cidade do Cabo, Durban, Bloemfontein, Port Elizabeth
Total de falantes: 20,000 como Segundo ou terceiro idioma
Família: base em línguas como Língua inglesa e Língua africâner, similar ao Polari
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: mis
ISO 639-3: gic

Gail, ou Gayle, é uma gíria derivada da Língua inglesa e da Língua africâner usada basicamente pelas comunidades urbanas de homens “gays” da África do sul, sendo similar em muitos aspectos ao "Polari" do Reino Unido, dos quais tomou muitas de suas palavras. A língua similar usada pelos “gays” sul africanos de origem Bantu é o "IsiNgqumo" e tem como base os léxicos Nguni;.

Gail era denominada "moffietaal", em Africâner literal “Língua de Gays masculinos” no grupo Drag Queen de cultura e vestuário da cultura “Cape Coloured” dos anos 50. Infiltrou-se nos círculos homossexuais brancos nos anos e se tornou dominante na cultura “gay” através dos "koffie-moffies" (Africâner literal – “Café dos Gays”, gíria para comissárias de bordo) da South African Airways nos anos 70;

Ao lado de umas poucas palavras típicas do grupo em questão vindas do "Polari" (como a palavra “varda” vinda do Romani, de significado “Ver”), a maioria das palavras “Gayle” são formações originada de nomes próprios femininos, tais como: Beulah para “beleza”, Priscilla para “polícia”, Hilda for "horrível (feio)”. Homens e em especial homens que sejam “gays” são designados por pronomes femininos, conforme na contra cultura “gay” no mundo todo.

Gail surgiu pela mesma razão que outras “antilinguagens” desenvolvidas por grupos marginalizados: para ser como um língua secreta numa sociedade opressiva. Entretanto isso também veio ao encontro de atender outras funções, tais como para “conversas efeminadas” e para dar entretenimento a uma subcultura onde sutileza verbal e respostas rápidas são muito valorizadas.

Amostra[editar | editar código-fonte]

Varda that Beulah! Vast mitzi. She's a chicken and probably Priscilla and I don't need Jennifer Justice in my life right now.

Significado: "Veja essa belezoca! Muito para mim. Ele é jovem, provavelmente um policial e eu não preciso de problemas com a lei em minha vida neste momento”.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ken Cage. Gayle - the Language of Kinks & Queens. A History and Dictionary of Gay Language in South Africa. Jacana Media 2003. ISBN 1-919931-49-X.
  • Ken Cage. "An investigation into the form and function of language used by gay men in South Africa". Unpublished M.A. thesis 1999. Rand Afrikaans University, Johannesburg, South Africa
Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.