Luiz de Aguiar Costa Pinto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde dezembro de 2009).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Luiz de Aguiar Costa Pinto (Salvador, Brasil, 6 de fevereiro de 1920Waterloo, Canadá, 1 de novembro de 2002) foi um sociólogo brasileiro, com atuação nos anos 1950 e 60 nas áreas de sociologia rural, desenvolvimento sócio-econômico e relações raciais. Seus trabalhos repercutiram no Brasil e no exterior e são considerados uma das bases do pensamento social brasileiro contemporâneo. Foi contemporâneo de Victor Nunes Leal, Alberto Guerreiro Ramos e Florestan Fernandes.

Suas obras de maior repercussão são: "Lutas de famílias no Brasil" (1949), "O negro no Rio de Janeiro" (1953) e "Sociologia e desenvolvimento" (1963).

Biografia[editar | editar código-fonte]

O sociólogo Luiz de Aguiar Costa Pinto nasceu em Salvador, Bahia, em 6 de fevereiro de 1920, descendente de tradicional família baiana. Neto de um político importante (Joaquim da Costa Pinto, senador estadual na Bahia) e filho de José de Aguiar Costa Pinto, médico, professor universitário e deputado estadual, através do qual teve contato com intelectuais como Afrânio Peixoto e Anísio Teixeira.

Estudou no Ginásio São Salvador, onde foi orador da turma. Com o falecimento do pai em 1936, perdeu o grande incentivador para seguir a carreira de medicina, voltando suas atenções para os problemas sociais. Partiu para o Rio de Janeiro em 1937, onde iniciou a formação universitária em 1938. Na universidade, se envolveu com o movimento estudantil e a juventude comunista, o que o levou a ser preso por oito meses em 1939. O marxismo é um forte pilar de seu pensamento social (PINTO 1963).

Costa Pinto concluiu seu bacharelado em ciências sociais pela antiga Faculdade Nacional de Filosofia (FNFi - atual Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, IFCS) da Universidade do Brasil (atual UFRJ), onde em 1944 completou o doutorado e em seguida alcançou o título de Doutor Livre Docente em Sociologia, em 1947. Anos mais tarde, recebeu da instituição o título de Professor Emérito (em 1989).

Ainda em 1947, publica o livro "Lutas de famílias no Brasil", pela Cia Editora Nacional, resultado de uma investigação já parcialmente publicada em 1943 na Revista do Arquivo Municipal de São Paulo (ano VII, vol LXXXVIII, jan, fev). A obra teve importante circulação.

Na publicação de "Recôncavo: laboratório de uma experiência humana", em 1958, pelo Centro Latino-Americano de Pesquisas em Ciências Sociais (CLAPCS), a condução da investigação foi compartilhada com Herbert Blumer, da Universidade de Columbia, e tomou como pontos-chave as relações de trabalho e as formas de propriedade (latifúndio).

Nestes dois trabalhos Costa Pinto apresentou a noção de Marginalidade Estrutural, negando a figura do brasileiro como agente portador dos males sociais e afirmando o caráter estrutural do estancamento econômico (VILLAS-BÔAS, 2006).

O Centro Latino-Americano de Pesquisas em Ciências Sociais (CLAPCS) funcionou na cidade do Rio de Janeiro como parte gêmea da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (FLACSO) em Santiago do Chile. Costa Pinto foi o primeiro a exercer a função de presidente do CLAPCS e manteve, após o mandato, um intenso vinculo institucional com o Centro. O CLAPCS findou suas atividades em 1975.

Na década de 1950, Costa Pinto participou da investigação a cargo da UNESCO sobre relações raciais, sendo um dos autores da declaração A questão da raça (1950) a primeira de quatro declarações sobre este tema. Este trabalho é de importância capital em sua trajetória pessoal e na própria história das ciências sociais no Brasil. Em 1954, torna-se presidente da Associação Brasileira de Sociologia, até 1957.

A carreira internacional do professor Costa Pinto representa uma parte significativa de sua trajetória acadêmica. O vínculo de Costa Pinto com a sociologia de outros países está presente desde o começo de sua carreira. Em 1944 publica seu primeiro livro em língua estrangeira, "Problemes démographiques contemporains", em colaboração com Jacques Lambert. Era próximo também de Donald Pierson: chegou a desejar estudar na Universidade de Chicago, de onde nunca obteve o título de Doutor por ter tido o visto de entrada nos EUA negado. Em 1958, publica o artigo "Economic development, social change and population in Brazil" em colaboração com Waldemiro Bazzanella. Com o CLAPCS e mesmo depois, publicou em língua espanhola diversos artigos e sete livros, editados na Argentina, no México e na Colômbia.

Em 1976 tornou-se professor de Sociologia na Universidade de Waterloo, Canadá, até sua aposentadoria em 1985. Costa pinto faleceu em Waterloo, em 1º de novembro de 2002, e foi sepultado em Salvador.

Publicações[editar | editar código-fonte]

  • 1943 – Quinta Coluna e integralismo brasileiro. Rio de Janeiro: Liga da Defesa Nacional.
  • 1944 – O padrão de vida do comerciário no Distrito Federal. Rio de Janeiro: Instituto de Economia da Fundação Mauá
  • 1944 – Problèmes démographiques contemporains. I. Les Faits. Les Publications Savantes de L’École Libre dês Hautes Études au Brésil, com Jacques Lambert. Rio de Janeiro: Atlântica Editora.
  • 1949 – Lutas de famílias no Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, coleção Brasiliana vol. 263.
  • 1950 – Uma pesquisa sobre a vida social no estado da Bahia, com Charles Wagley e Thales de Azevedo. Bahia: Secretaria de Educação (Publicações n. 11).
  • 1952 – Arthur Ramos. Rio de Janeiro: Editora do Ministério da Educação e Saúde (organizador).
  • 1952 – Migrações internas no Brasil, com J. Sá. Rio de Janeiro: Editora do Instituto de Economia da Fundação Mauá.
  • 1952 – Análise das profissões comerciais, com R. N. Danneman e M. M. Carvalho. Rio de Janeiro: Senac.
  • 1953 – O negro no Rio de Janeiro: relações de raça numa sociedade em mudança. São Paulo: Companhia Editora Nacional, coleção Brasiliana.
  • 1954 – O balconista: estudo sociológico de uma ocupação. Rio de Janeiro, Senac.
  • 1954 – A população comerciaria. Rio de Janeiro: Senac.
  • 1955 – As ciências sociais no Brasil, com Edison Carneiro. Rio de Janeiro: Capes.
  • 1956 – Comércio metropolitano no Distrito Federal, com T. P. Accioly Borges. Rio de Janeiro: Senac.
  • 1958 – Recôncavo: laboratório de uma experiência humana. Rio de Janeiro: Centro Latino-Americano de Pesquisas em Ciências Sociais, Publicações n. 1.
  • 1960 – Resistências à mudança: fatores que impedem ou dificultam o desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Centro Latino-Americano de Pesquisas em Ciências Sociais, *Publicações n. 10 (organizador).
  • 1963 – Sociologia e desenvolvimento: temas e problemas do nosso tempo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.
  • 1963 – Textos de sociologia: problemas de abordagem interdisciplinar, com Maurício Vinhas de Queiroz e W. Bazzanella (orgs.). Rio de Janeiro: Ed. Instituto de Ciências Sociais.
  • 1963 – La sociologia del cambio y el cambio de la sociologia. Buenos Aires: Eudeba Ed.
  • 1964 – Estructura de clases y cambio social. Buenos Aires: Editorial Paidos.
  • 1967 – Teoria do desenvolvimento, com W. Bazzanella (orgs.). Rio de Janeiro: Zahar.
  • 1967 – Desenvolvimento econômico e transição social. Rio de Janeiro: Ed. Instituto de Ciências Sociais.
  • 1969 – Processos e implicações do desenvolvimento, com W. Bazzanella (orgs.). Rio de Janeiro: Zahar.
  • 1969 – Nacionalismo y militarismo. México: Ed. Siglo XXI.
  • 1970 – Estúdios de sociologia del desarollo. Medellín, Colômbia: Ed. Universidad de Antioquia.
  • 1970 – Transición social en Colombia. Bogotá, Colômbia: CID, Ed. Universidad Nacional.
  • 1971 – Voto y cambio. Bogotá, Colômbia: Ed. Tercer Mondo.

Referências gerais[editar | editar código-fonte]

  • PINTO, Luiz. A. C. "O Negro no Rio de Janeiro" Rio de Janeiro, Ed. UFRJ 1998
  • PINTO, Luiz. A. C. "Lutas de família no Brasil" São Paulo, Cia Editora Nacional. 1980
  • PINTO, Luiz. A. C. "Sociologia e desenvolvimento" Rio de Janeiro, Civilização Brasileira. 1963
  • VILLAS-BÔAS, Glaucia K. e MAIO, Marcos C. (org)" Ideais de modernidade e sociologia no Brasil: ensaios sobre Luiz de Aguiar Costa Pinto" Porto Alegre, Ed. UFRGS 1999
  • VILLAS-BÔAS, Glaucia K. "Mudança provocada: passado e futuro no pensamento sociológico brasileiro" Rio de Janeiro Ed. FGV 2006
  • www.genealogiamarechalcostapinto.org