Marmara Ereğlisi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Turquia Marmara Ereğlisi
Marmaraereğlisi, Perinto, Migdônia, Heracleia , Heracleia Perinto
 
—  Distrito (ilçe)  —
Localização de Marmara Ereğlisi na província de Tekirdağ
Localização de Marmara Ereğlisi na província de Tekirdağ
Marmara Ereğlisi está localizado em: Turquia
Marmara Ereğlisi
Localização de Marmara Ereğlisi na Turquia
40° 58' N 27° 57' E
Região Mármara
Província Tekirdağ
Fundação 602 a.C. (2 615 anos) (como Perinto)
Administração
 - Prefeito (belediye başkanı) İbrahim Uyan (2009, CHP)[1]
Área [2]
 - Distrito (ilçe) 197 km²
População (2011)[3]
 - Distrito (ilçe) 21 079
    • Densidade 107/km2 
 - Urbana 10 238
Fuso horário EET (UTC+2)
 - Horário de verão EEST (UTC+3)
Código postal 59xxx
Prefixo telefónico 282
Sítio Governo distrital: www.marmaraereglisi.gov.tr
Prefeitura: www.marmaraereglisi.bel.tr

Marmara Ereğlisi, a Perinto (em grego: Πέρινθος; transl.: Perinthos) da Antiguidade, chamada durante o Império Bizantino Heracleia (em grego: Ἡράκλεια), Heracleia Perinto ou Heracleia da Trácia (em latim: Heraclea Perinthus ou Heraclea Thraciae), é um distrito (em turco: ilçe) da província de Tekirdağ que faz parte da região de Região de Mármara da Turquia. Em 2011 a sua população do distrito era de 21 079 habitantes, dos quais 10 238 moravam na cidade.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Ereğli, como é usualmente conhecida, situa-se 30 km a leste de Tekirdağ e 90 km a oeste de Istambul, junto a uma pequena península na margem norte do Mar de Mármara. O nome Ereğlisi deriva do antigo nome greco-latino de Heracleia e o nome Marmara existe para se distinguir das outras duas cidades homónimas turcas, uma na Anatólia Central (Konya Ereğlisi, na província de Konya) e outra na costa do Mar Negro (Karadeniz Ereğli, na província de Zonguldak).[carece de fontes?]

Em termos urbanísticos, a cidade é uma mistura de casas de veraneio antigas, ao estilo de vivendas rurais, casas modernas e grandes blocos de apartamentos, sem grande planeamento. A população é uma mistura de pessoas de famílias estabelecidas na Trácia há várias gerações e trabalhadores imigrantes de outras partes da Turquia recentemente estabelecidos na cidade.[carece de fontes?]

A economia é baseada principalmente no turismo, mas há também vários pequenos portos, dois deles naturais. Um dos portos é usado por petroleiros da companhia de gás natural BOTAŞ e da petrolífera Total, as quais também têm tanques de combustível na ponta da península, na aldeia de Sultanköy.[4]

Turismo[editar | editar código-fonte]

É uma pequena cidade, muito calma no inverno, apesar de ter uma extensa costa e, ao contrário do que se passa na maior parte das costas do Mar de Mármara, o mar é suficiente calmo para nadar. Na costa de ambos os lados da cidade há vários hotéis e villas e prédios de veraneio, frequentados sobretudo por gente de Istambul, que ali vão desfrutar so sol de verão e provocam grandes congestionamentos de tráfico nos domingos à noite, quando voltam para a capital depois do fim de semana. É uma estância orientada principalmente para famílias, e em muitos dos complexos turísticos e condomínios só são admitidos os respetivos hóspedes ou condóminos e não têm animação noturna. As praias públicas tendem a ser apinhadas de gente nos fins de semana.[carece de fontes?]

História[editar | editar código-fonte]

Os vestígios arqueológicos mais antigos da região remontam a 2 300 a.C.. Nas imediações da cidade há vários tumulii (mamoas, túmulos em forma de colina artificial) trácios, erigidos como mausoléus de reis e dignitários daquele povo que ocupava a Trácia antes da chegada dos gregos e romanos. Embora este tipo de monumento funenrário seja comum em toda a Trácia, numa área 5 km a norte de Marmara Ereğlisi, a sua concentração é notável, o que parece atestar a importância da região há mais de 4 000 anos.[a][5]

A cidade foi fundada com o nome de Perinto (Perinthos) como uma colónia grega[5] em 602 a.C.[6] por gregos da ilha de Samos. Segundo outras fontes[necessário esclarecer], teria sido fundada em 600 a.C., 599 a.C. ou 559 a.C. e o autor bizantino João Tzetzes (século XI) refere que o nome original era Migdônia (Mygdonia).

Heródoto menciona a cidade no livro V de Histórias, onde relata que foi vencida pelos peónios, aliados dos persas aqueménidas, durante as Guerras Médicas.[7]

Depois passou a chamar-se Heracleia ("cidade de Héracles; Heraclea Thraciae ou Heraclea Perinthus) e tornou-se famosa por resistir a um cerco por Filipe, o Grande em 340 a.C., quando aparentemente era mas importante que a própria Bizâncio.[8]

A virgem Santa Glicéria (de Trajanópolis ou de Heracleia) foi martirizada em Heracleia Perinto no ano 177 d.C..[9] [10] [11] [12]

A cidade quase foi abandonada, por falta de água, porque seu aqueduto foi destruído por falta de manutenção, porém Justiniano o reconstruiu e fez a cidade abundar de água cristalina.[13]

Heracleia foi sede episcopal e no século V era conhecida pela sua indústria de tapetes. Foi devastada pelos ávaros em 591 e ocupada pelos búlgaros em 719. Em 1204, foi ocupada pelos venezianos e finalmente, em 1353, foi conquistada pelos otomanos.[5]

Monumentos[editar | editar código-fonte]

Pouco resta da antiquíssima cidade de Heracleia Perinto. No parque da cidade há várias colunas de mármore e sarcófagos romanos. Estes são provavelmente os vestígios em melhor estado do da cidade da Antiguidade. Nas ruínas da basílica bizantina foram encontrados mosaicos de grandes dimensões, que atualmente estão num museu da cidade.[a][5]

O que resta das muralhas passa por muros de jardim aos olhos mais desatentos, embora existam ruínas de uma torre. O quebra-mar romano, situado na costa ocidental, pode passar por um conjunto de pedras alinhadas um pouco ao acaso na praia, embora visto do cimo da falésia seja notória a sua antiga função. Há também um anfiteatro que, embora dele já não reste nada das bancadas, ainda se consegue distinguir a sua forma em meia-lua ascendente a partir do que foi o palco.[a][carece de fontes?]

A cidade conta ainda com a mesquita Semiz Ali Paşa construída pelo genial arquiteto otomano Mimar Sinan. Semiz Ali Paşa foi um sérvio que, entre outros cargos importantes, foi grão-vizir (primeiro-ministro) otomano entre 1561 e 1565, período durante o qual encomendou a construção da mesquita a Sinan. A mesquita foi renovada entre 1865 e 1886.[14]

Notas[editar | editar código-fonte]

[a] ^ Trechos baseados no artigo «Marmara Ereğlisi» no Wikitravel em inglês, especificamente desta versão.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • "Périnthe". (em francês) Nouveau Larousse illustré 6. (1898-1907). Paris: Larousse. 789. 
  1. Marmara Ereğlisi Belediyesi (em turco). www.yerelnet.org.tr. YerelNET. Página visitada em 2012-03-28.
  2. Districts of Turkey (em inglês). www.statoids.com. Administrative Divisions of Countries ("Statoids") (2 de fevereiro de 2008). Página visitada em 2012-03-28. Cópia arquivada em 26 de maio de 2010.
  3. Base de dados do sistema de registo de população baseada em moradas (ABPRS) (em turco). www.tuik.gov.tr. Instituto de Estatística da Turquia (TURKSTAT). Página visitada em 2012-03-28.
  4. Botas Terminal - Marmara Ereglisi (em inglês). www.cerrahogullari.com.tr. Cerrahogullari T.A.S (CTAS). Página visitada em 29 de março de 2012.
  5. a b c d Tarihimiz (História) (em turco). www.marmaraereglisi.bel.tr. Website da prefeitura de Marmara Ereğlisi. Página visitada em 29 de março de 2012. Cópia arquivada em 29 de março de 2012.
  6. Jerónimo de Estridão (347-420), Chronicon.
  7. Heródoto (ca, 4 400 a.C.). Herodotus History translated into English — Book V The Fifth Book of the Histories, Called Terpsichore (em inglês). Histórias. ancienthistory.about.com. Página visitada em 29 de março de 2012. Cópia arquivada em 12 de dezembro de 2008.
  8. Perinthus [ligação inativa] (em inglês). www.1911encyclopedia.org. LoveToKnow Classic Encyclopedia baseada na Encyclopædia Britannica (edição de 1911). Página visitada em 29 de março de 2012.
  9. St. Glyceria, Virginmartyr, at Heraclea (em inglês). www.antiochian.org. Self-Ruled Antiochian Orthodox Christian Archdiocese of North America. Página visitada em 29 de março de 2012. Cópia arquivada em 15 de junho de 2011.
  10. Santa Gliceria, Virgen y Mártir (em espanhol). www.ortodoxia.com. Arquidiócesis Ortodoxa Griega de Buenos Aires y Sudamérica (2006). Página visitada em 29 de março de 2012.
  11. Jones, Terry H.. Saint Glyceria of Trajanopolis (em inglês). Saints.SQPN.com. Página visitada em 29 de março de 2012.
  12. St. Glyceria (em inglês). www.catholic.org. Catholic Online. Página visitada em 29 de março de 2012.
  13. Procópio de Cesareia, Sobre os Edifícios, Livro IV, Capítulo III, 14-16 [em linha]
  14. Semiz Ali Pasa Mosque at Eregli (em inglês). archnet.org. ArchNet: Islamic Architecture Community. Página visitada em 29 de março de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]