Muhammad al-Jazuli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde fevereiro de 2012)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
al-Jazuli
Nome completo Sidi Muhammad ibn Sulayman al-Jazuli al-Simlali
Conhecido(a) por um dos "Sete Santos de Marraquexe"
Nascimento  ?
Morte 1465[1]
Nacionalidade  Marrocos
Ocupação Místico e santo muçulmano
Influenciados
Principais trabalhos Dala'il al-Khayrat (livro de orações)
Escola/tradição Maliquita, Ash'ari
Principais interesses Sufismo
Título Imã, xeque
Religião Islão
Mausoléu de Ben Slimane (al-Jazuli)

Sidi Muhammad ibn Sulayman al-Jazuli al-Simlali, conhecido simplesmente como al-Jazuli, al-Ajzouli, Muhammed al-Jazuli, Imã al-Jazuli, ou ainda Sidi Mohammed ben Slimane (m. 1465) foi um líder sufista da tribo berbere dos Jazulah. É famoso por ter compilado o Dala'il al-Khayrat, um livro de orações muçulmanas extremamente popular. É também conhecido como um dos "Sete Santos de Marraquexe".

Biografia[editar | editar código-fonte]

Al-Jazuli viveu na região histórica do Suz, no sul de Marrocos, situada entre o Oceano Atlântico e as montanhas do Alto Atlas e Anti-Atlas. Estudou localmente antes de ir para o madraçal de As-Saffarîn em Fez, onde o seu quarto ainda é apontado aos visitantes atuais. Em Fez, decorou obras legais usul al-fiqh e Maliki, como o Mukhtasr al-Far’i de Ibn al-Hajib e Al-Mudawwana al-Kubra de Sahnun ibn Said. Também conheceu o famoso jurista e místico xeque Ahmad Zarruq.

Depois de instalar num feudo tribal, abandonou-o e passou os quarenta anos seguintes em Meca, Medina e Jerusalém. Depois da sua longa jornada, voltou a Fez onde completou o livro de orações Dala'il al-Khayrat.[1]

Foi iniciado na Tariqa Chadhiliyya, uma irmandade sufista, por um descendente de Abu Abdallah Mohammed Amghar, o xeque dos Banu Amghar. Passou 14 anos em Khalwa (seclusão) e depois foi para Safim, onde juntou muitos seguidores. O governador de Safim sentiu-se obrigado a expulsá-lo e posteriormente mandou envenená-lo, o que provocou a sua morte em 1464 ou 1465. Diz-se que morreu enquanto fazia as suas orações. O seu túmulo em Afoughal tornou-se o centro da resistência dos saadianos contra os portugueses. O grande respeito por al-Jazuli levou ao fundador da dinastia saadiana, Abu Abdallah al-Qaim, a escolher Afoughal como a sua residência.

Setenta anos depois da morte de al-Jazuli, em 1541, o seu corpo foi exumado para ser trasladado para Marraquexe e descobriu-se que estava incorrupto. O sultão Ahmed al-Araj (1486-1557) mandou construir um mausoléu para al-Jazuli na parte norte da almedina de Marraquexe. O mausoléu foi aumentado e parcialmente reconstruído durante o reinado dos sultões Moulay Ismail (r. 1672-1727) e de Mohammed ben Abdallah (r. 1757–1790).

Notas e referências

  1. a b Os Sinais Para os Benefícios (1877). Visitado em 2013-07-13.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Darwish, A. Ahmad. Tradução do "Dala’il al-Khayrat (em inglês) www.naksibendi.org Naksibendi (Naqshbandi) Sufi Zawiya in the Catskill Mountains, New York. Visitado em 24 de fevereiro de 2012.


Ícone de esboço Este artigo sobre figuras históricas de Marrocos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.