Naturalis Historia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde julho de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Primeira página duma edição de 1669 da Naturalis Historia

Naturalis Historia (em português "História Natural") é uma enciclopédia escrita por Plínio, o Velho durante muitos anos e que, finalmente, foi publicada entre os anos 77 - 79 de nossa era. Na forma actual, o compêndio consiste em trinta e sete livros; o primeiro contém um prefácio característico e um índice. Os conteúdos são agrupados por volumes:

- II, descrição matemática e física do mundo;
- III - VI, geografia e etnografia;
- VII, antropologia e fisiologia humana;
- VIII - XI, zoologia;
- XII - XXVII, botânica, incluindo agricultura, horticultura e farmacologia;
- XXVIII - XXXII, farmacologia zoológica (veterinária);
- XXXIII - XXXVII, mineralogia, especialmente com as suas aplicações na vida quotidiana e arte, como escultura (xxxiv, xxxvi), pintura (xxxv.15-941), entre outros. O volume XXXVI é a única fonte clássica que menciona a presença da escultura Laocoon e seus filhos em Roma.

Segue, abaixo, um trecho-exemplo da Naturalis Historiae em português:

LIVRO XII. A HISTÓRIA NATURAL DAS ÁRVORES

CAP. 1. -- O LUGAR DE HONRA OCUPADO PELAS ÁRVORES NO SISTEMA DA NATUREZA

Assim é, pois, a história, de acordo com as várias espécies e suas conformidades peculiares, de todos os animais dentro do compasso de nosso conhecimento. Nos resta agora falar das produções vegetais da terra, as quais estão igualmente distantes de estarem destituidas de um espírito vital (por que, de fato, nada pode viver sem elas), para que possamos proceder na descrição dos minerais extraídos dela, e dessa forma nenhum dos trabalhos da natureza podem ser ultrapassados em silêncio. Por muito tempo, de fato, ficaram estas últimas riquezas suas seladas dentro do solo, as árvores e as florestas sendo consideradas os mais valiosos benefícios conferidos pela Natureza à humanidade. Foi da floresta que o homem tirou o seu primeiro alimento, com as folhas das árvores foi sua caverna feita mais habitável, e com as suas cáscaras foi suprida a sua vestimenta; até mesmo neste vero dia, existem nações que vivem em circunstâncias similares a estas. Mais e mais ainda, portanto, precisamos ser atingidos por maravilhamento e admiração, que de um estado primitivo tal como este, nós estarmos agora cravando as montanhas pelos seus mármores, visitando os Seres a fim de obter nossas vestimentas, buscando a pérola nas profundezas do Mar Vermelho, e a esmeralda nas entranhas da própria terra. Para o nosso adorno com essas pedras preciosas é que inventamos aquelas chagas que fazemos em nossas orelhas; pois, afinal, foi considerado insuficiente carregá-las em nossas mãos, em nossos pescoços, e em nossos cabelos, a menos que as inseríssemos também em nossa própria carne. Será somente apropriado, então, seguir a ordem das invenções humanas, e falar dessas árvores antes de tratar [p. 3102] de outros assuntos; desta forma pederemos nós fazer um traçado às suas verdadeiras origens e maneiras de uso até o dia presente. [1]

Este texto está baseado no seguinte livro (que é uma tradução do latim ao inglês):

Naturalis Historia. Pliny the Elder. John Bostock, M.D., F.R.S. H.T. Riley, Esq., B.A. Londres. Taylor and Francis, Red Lion Court, Fleet Street. 1855.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Naturalis Historia

Wikisource-logo.svg Naturalis Historia no Wikisource em latim.


Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.