Ouro Preto do Oeste

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município do Ouro Preto do Oeste
"OPO"
"Liberdade e Trabalho"
Bandeira do Ouro Preto do Oeste
Brasão desconhecido
Bandeira Brasão desconhecido
Hino
Aniversário 16 de junho
Fundação 16 de junho de 1981 (33 anos)
Gentílico ouropretense
Prefeito(a) Joselita Araújo (PMDB)
(2013–2016)
Localização
Localização do Ouro Preto do Oeste
Localização do Ouro Preto do Oeste em Rondônia
Ouro Preto do Oeste está localizado em: Brasil
Ouro Preto do Oeste
Localização do Ouro Preto do Oeste no Brasil
10° 44' 53" S 62° 12' 57" O10° 44' 53" S 62° 12' 57" O
Unidade federativa  Rondônia
Mesorregião Leste Rondoniense IBGE/2008[1]
Microrregião Ji-Paraná IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Jaru e Vale do Paraíso (N), Ji-Paraná (L), Nova União (O), Teixeirópolis (S).
Distância até a capital 330 km
Características geográficas
Área 1 970,151 km² [2]
População 37 928 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 19,25 hab./km²
Altitude 280 m
Clima Equatorial Am
Fuso horário UTC−4
Indicadores
IDH-M 0,727 alto PNUD/2000[4]
PIB R$ 381 340,816 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 10 267,11 IBGE/2008[5]
Página oficial

Ouro Preto do Oeste é um município brasileiro do estado de Rondônia, estando a uma altitude de 259 metros e com uma população estimada em 2010 de 37.928 habitantes. Possui uma área de 1.969,85 km².

História[editar | editar código-fonte]

O município de Ouro Preto do Oeste teve início com a implantação do Projeto Integrado de Colonização Ouro Preto (PIC Ouro Preto), no início da década de 1970. O nome Ouro Preto advém do fato de o projeto ter sido implantado em áreas de seringais, dentre eles, o seringal Ouro Preto, de propriedade de Vicente Sabará Cavalcante, que por sua vez, lhe deu este nome numa deferência à Imperial Cidade de Ouro Preto, em Minas Gerais, por sua riqueza na época da exploração do ouro. (SEBRAE, 1999; IBGE, 1995).

De acordo com o senhor Assis Canuto, Executor do Incra no início da colonização de Ouro Preto, o nome Ouro Preto se deu exatamente por causa do nome do Seringal. Como o projeto seria implantado no antigo território federal de Rondônia, o então Capitão Silvio Gonçalves de Farias começou a fazer o levantamento para verificar quais terras do território eram da União e quais eram particulares. Como foi constatado que as terras dos seringais entre Igarapé Miolo e o Km 70 (Ji-paraná e Jaru) não possuíam escritura pública, decidiu-se por iniciar o projeto naquela região. Além do mais, eram terras muito férteis e ideais para a colônia agrícola a qual o governo se propunha. O Capitão Sílvio teve papel decisivo nesse processo, pois conseguiu fazer a desapropriação das terras públicas sem conflito. Após todo o levantamento das áreas devolutas da União, Assis Canuto, volta de Brasília com a incumbência de implantar o projeto (PIC - Projeto de Implantação e Colonização) e assentar as famílias, inicialmente, 4 km de cada margem da Rodovia Br 364. Decidi, então, construir a sede do Incra ao lado da Serra de Ouro Preto (Morro Chico Mendes hoje). O projeto se chamou PIC Ouro Preto, justamente em homenagem ao seringal Ouro Preto, como afirma Assis Canuto.

Outra versão para a origem do nome da cidade diz que o município de Ouro Preto do Oeste recebeu esse nome porque quando as primeiras famílias começaram a chegar aquela terra, elas achavam muitas pedras escuras. Daí surgindo o nome de Ouro Preto, só mais tarde quando passou a ser município é que ficou com o nome de Ouro Preto do Oeste, para diferenciar de Ouro Preto de Minas Gerais.

Uma outra versão que surgiu no final dos anos 80 é de que Ouro Preto tinha esse nome devido a cor da terra, pois quando a Ceplac se instalou em Ouro Preto foi feito um estudo e se constatou que a terra era de cor roxa, preta. Porém, a Ceplac fez esse estudo bem depois do início da colonização e o nome Ouro Preto já existia.

Em 1978, a localidade Ouro Preto foi transformada em distrito, passando a município em 1981, já com o nome de Ouro Preto do Oeste. Na década de 1990, o município de Ouro Preto do Oeste cedeu território e população para a criação dos municípios de Vale do Paraíso, Urupá e Mirante da Serra, em 1992, e posteriormente, em 1994, para a criação dos municípios de Nova União e Teixeirópolis

Estrutura urbana[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

A educação de Ouro Preto, como em qualquer outro município em desenvolvimento, começou de forma precária. Porém, nos primeiros anos, o Incra dava a assistência para que as primeiras escolinhas fossem construídas. As primeiras professoras eram leigas, geralmente as esposas dos próprios colonos, mulheres de muita boa vontade e dedicação. A primeira escola a ser construída foi a Escola Joaquim de Lima Avelino no ano de 1971 em modalidade de internato. Depois começou a expansão para as escolas rurais. Nesse ano já existiam algumas escolinhas rurais e aos poucos foram construídas uma de 4 em 4 km. Geralmente se construía uma escola e uma igreja no mesmo local. Funcionava na modalidade multisseriado, 1ª e 4ª série de manhã e 2ª e 3ª série a tarde. Nesse modelo, as professoras tinham que fazer de tudo: dar aulas, limpar a escola, fazer a merenda e cuidar da documentação dos alunos. Ouro Preto teve mais de 150 escolinhas nesse modelo.

Ensino básico[editar | editar código-fonte]

Ouro Preto do Oeste possui várias escolas municipais, estaduais e particulares, dentre elas, estão:

  • EEEF Joaquim Nabuco - pública(Estadual)
  • EEEF Profª Margarida Custodio de Souza - (Estadual)
  • EEEFM 28 de Novembro - pública(Estadual)
  • EEEFM Aurelio Buarque de Holanda Ferreira - pública(Estadual)
  • EEEFM DR. Horacio Carelli Mendes - pública(Estadual)
  • EEEFM Joaquim de Lima Avelino - pública(Estadual)
  • EEEFM Maria de Matos e Silva - pública(Estadual)
  • EEEFM Monteiro Lobato - pública(Estadual)
  • EMEF 22 de Dezembro - pública
  • EMEF Benjamim Constant - pública
  • E.M.E.F. Fernando de Azevedo - Municipal
  • EMEF Manoel Santos - pública
  • EMEF Maracatiara - pública
  • EMEIEF Rondominas - pública
  • Escola Adventista - Particular
  • Colégio Uneouro - Particular

Mídia[editar | editar código-fonte]

Emissoras de Rádio:

  • 91.5 Rádio Rondônia
  • 104,9 Rádio Comunitária

Emissoras de TV:[editar | editar código-fonte]

  • TV Allamanda SBT - Canal 6
  • Rede Globo - Rede Amazônica canal 12
  • Rede Record - TV Candelária
  • TV Novo tempo - Canal 14
  • RedeTV - SCG Canal 4

Jornal impresso:[editar | editar código-fonte]

  • Correio Central

Jornais em Circulação

Correio Central

Diário Da Amazônia

O Estadão Do Norte

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Bairros[editar | editar código-fonte]

  • Alvorada
  • Bela Floresta
  • Centro
  • EMBRAPA
  • INCRA
  • Jardim Aeroporto
  • Jardim Bandeirantes
  • Jardim Novo Estado
  • Jardim Tropical
  • Jardim Novo Horizonte
  • Liberdade
  • Nova Ouro Preto
  • Setor Industrial
  • Setor das Chácaras
  • União
  • Zona Rural
  • Colina Park
  • Cohab
  • INTER

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios de Rondônia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.