Ji-Paraná

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Ji-Paraná
"Cidade coração de Rondônia"
"Jipa"
Bandeira de Ji-Paraná
Brasão de Ji-Paraná
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 22 de novembro
Fundação 22 de novembro de 1977 (37 anos)
Emancipação idem
Gentílico ji-paranaense
Lema governo da Reconstrução
Padroeiro(a) São João Bosco
Prefeito(a) Jesualdo Pires (PSB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Ji-Paraná
Localização de Ji-Paraná em Rondônia
Ji-Paraná está localizado em: Brasil
Ji-Paraná
Localização de Ji-Paraná no Brasil
10° 53' 07" S 61° 57' 06" O10° 53' 07" S 61° 57' 06" O
Unidade federativa  Rondônia
Mesorregião Leste Rondoniense IBGE/2008[1]
Microrregião Ji-Paraná IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Vale do Anari (N), Mato Grosso (L), Ouro Preto do Oeste, Vale do Paraíso, Theobroma, Urupá, Teixeirópolis (O), Presidente Médici e Ministro Andreazza (S).
Distância até a capital
Características geográficas
Área 6 896,782 km² (BR: 214º)[2]
Área urbana 23,4 km² (BR: 130º RO: 2º) – est. Embrapa[3]
População 129 242[4] hab. (BR: 227º BR interior: 112º RO: 2º) –  IBGE/2013[5]
Densidade O numerador (dividendo) tem que ser um número! hab./km²
Altitude 170 m
Clima equatorial Am
Fuso horário UTC−4
Indicadores
IDH-M 0,753 alto PNUD/2000[6]
Gini 0,460 est. IBGE 2003[7]
PIB R$ 1 686 400 mil (BR: 288º RO: 2º) – IBGE/2010[8]
PIB per capita R$ 14 464,73 IBGE/2010[8]
Página oficial

Ji-Paraná[nota 1] é um município do estado de Rondônia, no Brasil. Com uma população de 129 242 habitantes, é o segundo mais populoso do estado e o décimo sexto mais populoso da Região Norte do Brasil, a 227ª mais populosa do Brasil e a 113ª mais populosa cidade do interior brasileiro.

É movida principalmente pelos setores industrial e de laticínios. O município foi o primeiro do estado de Rondônia a investir em alta tecnologia de comunicação de dados, quando conectou, através de uma rede sem fio, o prédio principal da subprefeitura.

O nome do município é de origem tupi, significando "grande rio dos machados", através da junção de (machado) e paranã (mar, grande rio). É uma alusão ao grande número de pedras que se parecem com machados indígenas[9] [10] . A cidade também é conhecida por "Coração de Rondônia", devido à localização da cidade na região central do estado e à presença de uma ilha com o formato que lembra um coração, localizada na confluência dos rios Machado e Urupá.

História[editar | editar código-fonte]

Seu início remonta a antes do marechal Cândido Rondon chegar onde hoje está a cidade, com a corrente migratória estimulada pela grande seca que assolou a Região Nordeste do Brasil entre 1877 e 1880, tendo os rios servido de estrada, como o principal deles, o Rio Machado. Os nordestinos enfrentaram várias dificuldades, como a densa Floresta Amazônica e as cachoeiras que dificultavam sua marcha. Eles se estabeleceram formando a primeira povoação na confluência do Rio Urupá, tomando, portanto, o nome de Urupá. Eram, principalmente, seringueiros e garimpeiros, atraídos pela extração de matéria-prima da floresta nativa e pedras preciosas como o diamante, respectivamente.

Crescimento demográfico[editar | editar código-fonte]

Após a fase da borracha, com seus altos e baixo, em 1909 o desbravador Cândido Mariano da Silva Rondon desempenhou importante papel, construindo a primeira estação telegráfica, ligando Cuiabá e Porto Velho, a qual denominou de Presidente Pena, em homenagem ao então presidente da república, Afonso Augusto Moreira Pena. Nesta mesma época, estava sendo construída a ferrovia Madeira-Mamoré, que, com a integração telegráfica, ajudou a ocupar e acabar com o isolamento na região.

Ao redor da casa do Marechal Rondon, o povoado evoluiu, dando origem ao atual centro do município de Ji-Paraná. A partir de 1968, milhares de imigrantes, oriundos principalmente da Região Sul do Brasil, chegaram à região, expulsos de sua terra de origem pela crescente mecanização na lavoura. Atualmente, a cidade conta com 128.000 habitantes vindos de todos os estados brasileiros, bem como com descendentes de antigos seringueiros, garimpeiros e índios.

Trânsito em Ji-Paraná: reflexo do crescimento populacional da cidade.
Avenida 6 de Maio

Emancipações[editar | editar código-fonte]

A atual cidade de Ji-Paraná já foi denominada sucessivamente Vila Urupá, Presidente Penna e Vila de Rondônia. Em 11 de outubro de 1977, o presidente Ernesto Geisel concedeu emancipação política à Vila de Rondônia através da Lei nº 6.448, que deu autonomia ao município, transformando-o na atual Ji-Paraná. A instalação aconteceu no mesmo ano, no dia 22 de novembro, pertencendo o município ainda porém à Comarca de Porto Velho, até o dia 29 de fevereiro de 1980, quando, através da Lei nº 6.750, de 10 de dezembro de 1979, deu-se a instalação do Município de Ji-Paraná.

Administração[editar | editar código-fonte]

Câmara Municipal de Ji-Paraná

O primeiro prefeito do município foi Walter Bartolo, nomeado pelo Governador Humberto da Silva Guedes. Walter Bartolo assumiu o mandato em 22 de novembro de 1977 até 22 de abril de 1978. Com as eleições de 15 de novembro de 1982, foram eleitos Roberto Jotão e Valdemar Camata, como prefeito e vice-prefeito respectivamente, instituindo-se, em Ji-Paraná, a primeira Câmara Municipal.

Em 1º de outubro de 2000, foi eleito prefeito Acir Gurgacz e vice-prefeito Leonirto (mais conhecido como "Nico do PT"), sendo que o prefeito Acir renunciou a seu mandato em 2002 para candidatar-se a governador de Rondônia, deixando a prefeitura ao cargo de seu vice.

Nas eleições de 2004, foi eleito o prefeito José de Abreu Bianco com 19.263 votos.[11] Em 5 de outubro de 2008, foi reeleito com 35.179 votos. É o primeiro candidato reeleito da história do município e também o primeiro a assumir 3 vezes a prefeitura.

Em 2012, o então deputado estadual Jesualdo Pires foi eleito com 43.437 votos [12] , representando 73% dos votos válidos.

Esta é uma lista de prefeitos e vice-prefeitos de Ji-Paraná.

Nome Partido Início do mandato Fim do mandato Observações
1 Walter Bártolo ARENA 22 de novembro de 1977 22 de abril de 1978 Prefeito nomeado
2 Nunoi Itsumi abril de 1978 1979 Prefeito nomeado
3 Assis Canuto ARENA/PDS 1979 1982 Prefeito nomeado
4 Manuel Lopes Lamego 1982 14 de março de 1983 Prefeito nomeado
5 Roberto Jotão Geraldo PDS 15 de março de 1983 1987 Prefeito eleito
6 José de Abreu Bianco PFL 1988 31 de dezembro de 1992 Prefeito eleito
7 Jair Ramires,
ex-secretário de obras
PDT 1º de janeiro de 1993 31 de dezembro de 1996 Prefeito eleito
8 Ildemar Kussler PSDB 1º de janeiro de 1997 31 de dezembro de 2000 Prefeito eleito
9 Acir Marcos Gurgacz PDT 1º de janeiro de 2001 2002 Prefeito eleito que renunciou o mandato
Leonirto,
Nico do PT
PT 2003 31 de dezembro de 2004 Vice-prefeito eleito no cargo de prefeito
10 José de Abreu Bianco PFL/DEM 1º de janeiro de 2005 31 de dezembro de 2008 Prefeito eleito
José de Abreu Bianco DEM 1º de janeiro de 2009 31 de dezembro de 2012 Prefeito reeleito
11 Jesualdo Pires PSB 1º de janeiro de 2013 Atual Prefeito eleito
  • Presidentes da Câmara de Vereadores:

Geografia[editar | editar código-fonte]

Ji-Paraná está localizada na porção centro-leste do estado, na microrregião de Ji-Paraná e na mesorregião do Leste Rondoniense.

Localiza-se a uma latitude 10º53'07" sul e a uma longitude 61º57'06" oeste, estando a uma altitude de 170 metros. Possui uma área de 6 897 km², representando 2,9 por cento do estado. Seu território tem, como limites, as cidades de: Vale do Anari ao norte, Theobroma ao noroeste, Ouro Preto do Oeste e Vale do Paraíso ao oeste, Teixeirópolis e Urupá ao sudoeste, Presidente Médici ao sul e Ministro Andreazza ao sudeste.

Distritos[editar | editar código-fonte]

A cidade é dividida em dois distritos, e estes são divididos pelo Rio Machado, o qual possui apenas uma ponte. A parte mais antiga da cidade é o centro do primeiro distrito, onde surgiram as primeiras casas, a primeira igreja católica e onde está o único shopping center. Após o Centro, as pessoas foram para o segundo distrito, que possui um centro comercial maior, mas que enfrenta alguns problemas, como enchentes e um índice mais alto de criminalidade. A parte mais recente da cidade são os lugares ao redor do Centro, onde se localiza o campus da Universidade Luterana do Brasil e a maior parte das áreas de lazer.caso isso seja, assim seja.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima predominante é o clima equatorial úmido, segundo classificação de Koppen é caracterizado como Am, monçônico com precipitações acima de 60 mm nos meses mais secos do ano. É o mais chuvoso do Brasil, com a maior parte do ano quente e úmido, e aproximadamente 3 meses de seca. As estações de outono e inverno não são presentes.

As temperaturas médias anuais variam entre 24 e 36 graus centígrados, podendo as máximas chegar a 40 e as mínimas podendo ser inferiores a 10 graus centígrados devido à ocorrência de friagens.

A precipitação anual varia de 1.800 a 2.400 mm.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Trecho onde o Rio Urupá corta a cidade

Os dois principais e maiores rios que compõem sua hidrografia são o Urupá e o Machado, este possui um complexo hidrográfico que abrange uma superfície de aproximadamente 92 500km², atravessando o estado no sentido sudeste-norte, sendo o mais extenso do estado. Embora tenha 50 cachoeiras ao longo de seu percurso, em alguns trechos o rio apresenta-se navegável, atendendo ao escoamento dos produtos oriundos do extrativismo vegetal na região. Também existem diversos córregos e riachos ao longo da cidade. O Rio Urupá deságua no Rio Machado e este deságua no Rio Madeira, importante afluente da margem direita do Rio Amazonas.

A bacia do Rio Machado possui um regime hidrográfico assim como muitos outros rios de regiões de clima tropical. No período da cheia, de dezembro a maio, áreas situadas próximas à margem costumam ser alagadas; no período de seca, no trimestre de junho a agosto, o volume do rio diminui, sendo possível andar em algumas partes por cima de pedras que chegam até a superfície.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Foliões no Carnaval fora de época de Ji-Paraná

Por ser uma cidade mista, ou seja, que foi colonizada por inúmeras pessoas de várias regiões do país (consequentemente com culturas distintas), Ji-Paraná é uma cidade com bons índices culturais.

A cultura no município é bem diversificada. A prefeitura oferece gratuitamente aulas de teatro, dança e música, o que torna o município uma potência cultural para a região.

Há apenas um teatro na cidade, com capacidade para 200 pessoas, onde ocorrem vários eventos no decorrer do ano.

Em fevereiro, ocorre o carnaval, onde diversas pessoas participam de um bloco que vai se tornando tradição na cidade.

Em julho, há a Exposição Agropecuária, Industrial e Comercial de Ji-Paraná (conhecida como ExpoJipa), com 9 noites de duração. Na exposição, ocorrem vários shows e sorteios de veículos, bem como a venda de produtos agropecuários e industriais, palestras para melhoramento agroindustrial, rodeio e diversas outras atrações, sendo a maior feira agropecuária da Região Norte do Brasil.

Economia[editar | editar código-fonte]

O produto interno bruto de Ji-Paraná é de 1.354.955 reais e o produto interno bruto per capita é de 12 239,10 reais.[13]

Composição econômica de Ji-Paraná
Serviços
70%
Agropecuária
8,6%
Indústria
21,4%

Fonte: IBGE

As principais atividades econômicas são as indústrias de pequeno e médio porte, laticínios e a pecuária bovina.

Indústria[editar | editar código-fonte]

A cidade possui um Distrito Industrial em franca expansão com várias empresas já instaladas. Entre essas empresas destacam-se a Gramazon, empresa do grupo Empresa União Cascavel de Transporte e Turismo Ltda., que é uma das maiores empresas de granitos do Brasil, sendo seus produtos de alta qualidade, exportados para os Estados Unidos e Europa.

E também possui a empresa SI s/a do grupo BIPO, a segunda maior empresa do setor laticinista. Que vende soro de leite ideal fluido para outras empresas desse setor.

O Distrito Industrial conta com uma infra-estrutura, que oferece via de acesso asfaltada, ótimo suprimento de energia elétrica e áreas prontas para receber novas indústrias de médio e grande porte. Além do Distrito Industrial, também há várias industrias de pequeno e grande porte em Ji-Paraná, tais como: laticínios, serrarias, beneficiamento e torrefação de café, beneficiamento de arroz etc.

Agricultura[editar | editar código-fonte]

Produção Agrícola Temporária[14]
Produto Quantidade (t)
Arroz 1.291
Cana-de-açúcar 1.223
Feijão 768
Mandioca 7.038
Milho 4.645

A agricultura no município vem perdendo importância devido ao êxodo rural, que veio ocorrendo aos poucos, pois muitas famílias, principalmente pequenos proprietários, largam suas plantações vendendo-as para proprietários maiores (que na maioria das vezes transformam-as em pastos) e vão para a cidade, procurando melhores condições de vida.

Os principais produtos da agricultura temporária em ordem decrescente de quantidade produzida são: a mandioca, o milho, o arroz e a cana-de-açúcar. A agricultura permanente tem como principais produtos cultivados: o café em primeiro lugar, com uma quantidade produzida em 2005 de 1 733 toneladas[15] (no entanto, essa produção já chegou a ser de aproximadamente 10 000 toneladas), o coco-da-baía, a banana e em quarto lugar, o cacau com uma produção não muito expressiva para o estado, de 420 toneladas.

Para a compra e beneficiamento dessa produção, existe no município, uma série de cerealistas, sendo as principais, a Cerealista Vencedora na compra de café e cacau, e a Bernardo Alimentos na compra de milho, arroz e feijão. Existem também em torno de quinze lojas de revenda de produtos agropecuários sendo a principal delas a Casa do Lavrador e três revendas de maquinas agrícolas, dentre elas: Implemaq e Motonáutica Pica-Pau.

Ji-Paraná possui o Feirão do Produtor, que é uma feira realizada em um edifício da prefeitura, onde vários produtores de diversos alimentos vão para vendê-los. Com uma grande diversidade de produtos e preços competitivos, o local reúne muitas pessoas da cidade.

Pecuária[editar | editar código-fonte]

Pastagens nos arredores da cidade

Nos últimos anos, o município vem se destacando como um dos maiores centros de criação pecuária do estado. Com mais de 495.000 cabeças de gado bovino, o município possui a terceira maior criação de gado do estado.[16] A maior quantidade do rebanho é formado por bovinos de corte, que são abatidos por frigoríficos localizados no município. Além da criação de bovinos, Ji-Paraná é um dos maiores produtores de leite do estado, assim como algumas cidades vizinhas, com uma produção de 41 000 litros de leite em 2005, que são distribuídos por laticínios localizados na região.

No entanto, ao contrário do rebanho de bovinos que está aumentando a cada ano que passa, a criação de suínos vem diminuindo. Entre os anos de 1995 e 1996, a criação teve uma queda brusca, a quantidade de suínos passou de 81 mil para 11 mil, e em 2005 o número de cabeças estava em torno de 8,6 mil. Como muitos outros municípios do estado, a suinicultura deixou de ter uma grande importância no setor agropecuária|agropecuário.

Populações Tradicionais[editar | editar código-fonte]

No município de Ji-Paraná, está localizada a Terra Indígena Igarapé Lourdes, território das etnias Arara-Karo e Gavião-Ikolen. A Terra Indígena Igarapé Lourdes possui uma extensão territorial de 185 534 hectares, a data de sua demarcação corresponde ao ano de 1976 conforme Decreto de homologação de número 88 609 de 1983. O povo indígena Arara, com uma população aproximada de 200 pessoas, está distribuído em duas aldeias: a Pajgap e a Iterap. Falam a língua tupi, família Ramarama. Este local sempre foi seu ambiente de perambulação. O povo indígena Gavião-Ikolen fala a língua Tupi, família Mondé. São cerca de 500 pessoas organizadas em seis aldeias: Ikolen, Igarapé Lourdes, Cacoal, Castanheira, Tucumã e Nova Esperança. Antes do contato com os não indígenas, moravam em outros lugares mais para o Mato Grosso. Na maioria das aldeias de ambos os povos, há escolas, cujo ensino é bilíngue, em uma perspectiva intercultural. Os docentes são indígenas habilitados pelo Projeto Açaí ministrado pela Secretaria de Estado da Educação e coordenado pela Representação de Ensino de Ji-Paraná.

Saúde[editar | editar código-fonte]

O município possui uma boa rede de saúde pública e privada, contando com um Hospital Municipal que atende, além da população desse município, a mais de quinze municípios do estado que mandam seus doentes para a cidade. Além do Hospital Municipal, Ji-Paraná, em 2005, tinha 21 estabelecimentos de saúde municipais, um estadual, 36 privados e várias clínicas particulares.

A cidade conta com um centro odontológico público municipal que atende toda população carente do município, com extrações e obturações, fora os mais de 30 consultórios odontológicos particulares.

No entanto, o Hospital Municipal sofre alguns problemas como excesso de pacientes e falta de profissionais qualificados na área de saúde, fazendo com que muitas pessoas tenham que esperar longas horas na fila para serem atendidas, ou então acabam sendo transferidas para outros centros médicos.

A cidade conta ainda com a 1ª Santa Casa de Misericórdia do estado de Rondônia, tendo, atualmente, um atendimento clínico com diversas especialidades, contando ainda com um Laboratório de Análises Clínicas, Centro de Reabilitação Fisioterápica, aparelhos de ultrassom e raio-X. A instituição foi fundada com objetivo de proporcionar um tratamento de saúde igualitário a todos.

Educação[editar | editar código-fonte]

A cidade possui nove escolas particulares e 36 escolas públicas de ensino fundamental e médio e 6 faculdades de ensino superior.

Ensino básico, fundamental e médio

Dentre as escolas particulares e públicas, estão:

  • Centro Educacional Monteiro Lobato (CEMOL) — particular (ensino fundamental e médio);
  • Centro Educacional São Paulo (CEDUSP) — particular (ensino fundamental e médio);
  • Colégio Adventista de Ji-Paraná (CAJI) — particular (ensino fundamental e médio);
  • Colégio União — particular (ensino fundamental);
    • Antigo Colégio Tico-Teco, após sua ampliação em 2006, passou a ter o ensino fundamental completo.
  • Cooperativa de Educadores de Ji-Paraná (COOPEJI) — particular (ensino fundamental e médio); (falida)
  • Educandário Infantil o Pequeno Snoopy — particular (ensino fundamental);
  • Colégio Gonçalves Dias — pública (ensino fundamental e médio);
  • Escola Estadual Aluizio Ferreira — pública (ensino fundamental e médio);
  • Escola Estadual Antônio Bianco — pública (ensino fundamental);
  • Escola Estadual Dr. Lourenço Pereira Lima — pública (ensino fundamental e médio);
  • Escola Estadual Janete Clair — pública (ensino fundamental e médio)[1];
  • Escola Estadual JK — pública (ensino fundamental e médio);
  • Escola Estadual Jorge Teixeira (Nova Londrina) — pública (ensino fundamental e médio);
  • Escola Estadual Jovem Gonçalves Vilela — pública (ensino médio)[2];
  • Escola Estadual Júlio Guerra — pública (ensino fundamental e médio);
  • Escola Estadual Lauro Benno Prediger - pública (ensino fundamental e médio);
  • Escola Estadual Marcos Bispo da Silva — pública (ensino fundamental e médio);
  • Escola Estadual Marechal Rondon — pública (ensino fundamental e médio);
  • Escola Estadual Prof° José Francisco dos Santos — pública (ensino fundamental e médio);
  • Escola Estadual Profª Carmem Rocha Borges — pública (ensino fundamental e médio);
Ensino superior

As faculdades presenciais do município de Ji-Paraná são:

Há também cursos a distância, nas seguintes instituições:

Transporte[editar | editar código-fonte]

Ji-Paraná possui um transporte público, realizado por ônibus antigos da empresa de transportes Coopemtax. Em 2001, a prefeitura colocou, em circulação, vários micro-ônibus, que possuíam ar-condicionado. Entretanto, no final do mesmo ano, esses micro-ônibus foram apreendidos devido ao atraso do pagamento.

No município, também circulam vários táxis, táxis-lotação e mototáxis, que por serem mais rápidos do que o transporte público, acabaram se tornando o meio de transporte mais utilizado.

Aeroporto[editar | editar código-fonte]

Aeronave desembarcando passageiros em Ji-Paraná

O Aeroporto de Ji-Paraná (JPR/SBJI), localizado a sudoeste da cidade, tem toda a infraestrutura para bem atender aos usuários do transporte aéreo. Tem capacidade para aviões de até 200 passageiros e dois voos diários com destino às principais regiões do país, através da empresa Azul Linhas Aéreas.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Ji-Paraná é cortada pela BR-364, única rodovia federal em Rondônia, que corta o estado sentido sul-norte, ligando Mato Grosso à capital Porto Velho, distante 1.100 km de Cuiabá e 384 km da capital rondoniense, que deu passagem ao desenvolvimento. Por ela, chegam os bens de consumo industrializados do sul do país e vão produtos da terra, através de caminhões de carga.

No entanto, Rondônia sofre sérios problemas com as rodovias federais, devido ao intenso movimento de veículos de pequeno e grande porte e as precárias condições das estradas, aumentando muito o número de acidentes rodoviários, principalmente nos locais em que a rodovia corta a cidade, devido à pequena largura das pistas. Porém em 2010 a ponte sobre o Rio Machado foi duplicada e melhorou muito o trânsito local.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Comunicação[editar | editar código-fonte]

Ji-Paraná, nos últimos anos, vem modernizando sua estrutura na área de comunicação.

Sede do Jornal Folha de Rondônia, e ao fundo o Hotel Transcontinental

Turismo[editar | editar código-fonte]

Prédios residenciais em um dos bairros mais valorizados de Ji-Paraná

Em Ji-Paraná, a natureza serve como opção de lazer. Nas água dos rios Machado e Urupá, é possível pescar, nadar, praticar esqui aquático ou remar. Também é possível passar algumas horas andando pela mata fechada, onde a fauna e flora oferecem um espetáculo de rara beleza, e para aqueles que não gostam de correr riscos, podem se divertir nas quadras e piscinas dos clubes ou então fazer algumas visitas nos pontos turísticos da cidade:

Teatro Dominguinhos, centro cultural da cidade.
  • Teatro Dominguinhos: o único teatro da cidade de Ji-Paraná. Com uma construção moderna, o Teatro Marco Zero, renomeado para Teatro Dominguinhos pelo vice-prefeito Nico em sua gestão, foi concluído na administração do prefeito Ildemar Kussler. Neste local são sediados grandes eventos que ajudam a promover a cultura no município. Reformado em 2003 recebeu ampliação, e tem capacidade para 200 pessoas.
  • Museu das Comunicações: em Ji-Paraná o visitante poderá observar o prédio construído pôr Marechal Rondon, em 1912, que serviu de base para primeira estação de telégrafo. Posteriormente este prédio foi destinado às agências de Correios e Telégrafos e em maio de 1985 foi restaurado, onde, atualmente esta instalado o Museu das Comunicações. No seu interior encontra-se expostos vários instrumentos telegráficos utilizados pôr Rondon no início do século XX, assim como várias correspondências expedidas e recebidas na ocasião de sua passagem pela região.
  • Exposição: o município tem hoje o maior parque de exposição do norte e o segundo maior do Brasil. Uma estrutura totalmente nova, oferecendo conforto aos expositores, e uma arena muito bem montada, além de um grande estacionamento dentro do parque. Prova da grandiosidade, anualmente é realizado a EXPOJIPA (Exposição Agropecuária e Industrial de Ji-Paraná), com um público estimado em 300 mil pessoas.
  • Fuscacross: Ji-Paraná todos os anos sedia vários campeonatos de fuscacross, tanto municipais como estaduais, no Automóvel Clube de Ji-Paraná, que tem sido uma das principais atrações da cidade, trazendo visitantes de diversos municípios do estado que vão prestigiar o evento.
  • Kart: Em dias de corrida o kartódromo de Ji-Paraná chega a receber 1.200 pessoas para assistirem os 'pegas'. O esporte tem se desenvolvido bastante, com formação de grid de largada com até 30 karts em provas do campeonato.
  • Motocross: a cidade sedia uma das etapas da mais importante competição de motociclismo do país, que é o Campeonato Brasileiro de Motocros. No perido de 05 a 7 de setembro de 2009 Ji-Paraná estará sediando uma etapa do campeonato sulamericano de Motocross.

Ji-Paraná também teve, em 2006, o VIII Adrenatrilha, que é uma competição estadual. Onde, no trecho da manhã, os pilotos percorreram 78 km por trilhas localizadas no primeiro distrito do município, atravessando matas, morros, trieiros de gado, estradinhas velhas e atravessaram o Rio Urupá. Na parte da tarde, os competidores percorreram mais 75 km no segundo distrito por trilhas que margeiam o Rio Machado, estradinhas velhas, carreadores de cafés e seringais no quilômetro 14.

Esportes[editar | editar código-fonte]

Clube de futebol de Ji-Paraná
Ji-Paraná Futebol Clube no Estádio Biancão em 2007, ano em que foi rebaixado. É o time mais tradicional de Rondônia na atualidade.
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Ji-Paraná
  • Ji-Paraná Futebol Clube: fundado em 22 de abril de 1991. Maior campeão de todos os tempos em Rondônia, nove vezes campeão estadual. Com menos de um ano de fundação, já havia conquistado dois títulos do Campeonato Rondoniense de Futebol. Porém, por trás das glórias e títulos alcançados pelo Ji-Paraná Futebol Clube, existe uma história terrível quanto à saúde financeira do clube, tendo problemas no pagamento dos jogadores. Em 2007, foi rebaixado para o Campeonato Rondoniense de Futebol da Segunda Divisão e, em 2009, por não ter comparecido a campo em uma das partidas do campeonato, foi punido pela Federação Rondoniense de Futebol com uma suspensão de dois anos. Em 2011, houve uma grande reestruturação do clube, que pagou todas suas dívidas, se sagrou campeão do Campeonato Rondoniense de Futebol - Segunda Divisão e garantiu o retorno à elite do futebol rondoniense.

O Estádio Municipal José de Abreu Bianco (também conhecido como "Biancão"), considerado o maior estádio de Rondônia. foi oficialmente inaugurado em 22 de junho de 2002, com capacidade para 8.000 pessoas.

Lazer[editar | editar código-fonte]

Aos domingos, a prefeitura promove atividades esportivas e culturais, como o "Projeto Beira Rio". Atletas amadores disputam partidas de vôlei e futebol nas areias do Rio Machado. Enquanto outros exibem sua aptidões artísticas em movimentados encontros de música, improviso e declamação. E, no Centro Cultural e Esportivo Gerivaldo José de Souza ("Gerivaldão"), escolas locais disputam animadas gincanas.

A cidade possui alguns pontos de lazer, os principais são:

Clube Vera Cruz, uma alternativa para o lazer
  • Esporte Clube Vera Cruz: o mais antigos clube do interior do estado, é também o que possui as melhores instalações, com um amplo salão social que comporta 250 mesas e realiza os mais sofisticados bailes e festas momescas do interior de Rondônia. Possui um estádio de futebol, que serviu para que o Ji-Paraná Futebol Clube realizasse suas partidas pelo futebol profissional, campo de futebol society, quadra de voleibol e basquetebol, quadra de tênis rápida e coberta, piscina e ampla área para recreação do imenso quadro associado.
  • Maré Mansa Clube de Campo: localizado aproximadamente cinco quilômetros do centro da cidade antiga, possui modernas instalações para a prática de esportes, área coberta para eventos sociais, piscina e uma ampla churrascaria à disposição dos associados.
  • Clube Associação Atlética do Banco do Brasil: no segundo distrito, possui amplo salão social, área para a prática de esportes, piscinas e demais equipamentos de recreação. Vários eventos ocorrem no clube Associação Atlética do Banco do Brasil: dentre eles, são realizados diversos campeonatos municipais e intermunicipais de natação. Este reúne pessoas das diversas cidades próximas à Ji-Paraná.

A Associação Atlética do Banco do Brasil também tem um projeto chamado Associação Atlética do Banco do Brasil Comunidade, com aproximadamente 120 crianças carentes que participam de diversas atividades, tais como: aulas de natação, música (teclado e violão), educação física com aulas de voleibol, basquetebol e escolinha de futebol. Todas as crianças recebem reforço na alimentação e passam a maior parte do dia na Associação Atlética do Banco do Brasil.

  • Balneário Bernardi: com uma distância aproximada de cinco quilômetros do centro do primeiro distrito, está, cada vez mais se tornando um local frequentado pelos jovens da cidade. No local, além do Rio Urupá que já é uma atração a parte, tem ainda uma boa pista para a prática de motocross.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 de dezembro de 2010.
  3. Urbanização das cidades brasileiras Embrapa Monitoramento por Satélite. Visitado em 30 de Julho de 2008.
  4. Estimativa populacional 2014 IBGE Estimativa populacional 2014 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2014). Visitado em 29 de agosto de 2014.
  5. Estimativa Populacional 2013 (PDF) Censo Populacional 2013 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1º de julho de 2013). Visitado em 29 de agosto de 2012.
  6. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  7. Índice GINI Cidade Sat Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2000). Visitado em 6 de agosto de 2011.
  8. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  9. NAVARRO, E. A. Método moderno de tupi antigo. Terceira edição revista e aperfeiçoada. São Paulo. Global. 2005. p. 370, 374.
  10. SEJAM BEMVINDOS A CIDADE DE JI-PARANA.
  11. TSE, Estatística de Candidatos nas Eleições de 2004.
  12. UOL Política, Resultado das eleições municipais em Ji-Paraná (RO)
  13. IBGE. Título não preenchido, favor adicionar. Visitado em 12 de maio de 2011.
  14. IBGE, Produção Agrícola Municipal em 2005.
  15. IBGE, Produção Agrícola Municipal 2005.
  16. IBGE, Pesquisa Pecuária Municipal 2005.

Notas

  1. Nota ortográfica: Segundo as normas ortográficas vigentes da língua portuguesa, este topônimo deveria ser grafado como Jiparaná.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]