Perry Rhodan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Perry Rhodan
Perry-Rhodan-kajeroj.jpg

Coleção de Perry Rhodan
Livros
Autor vários
Editora  Alemanha VPM
 Brasil O Cruzeiro
Ediouro
SSPG
País  Alemanha
Gênero Ficção científica

Perry Rhodan é o título de uma série de livros de ficção científica do gênero space opera[1] publicada desde 1961 na Alemanha. Enquanto os críticos do gênero nos Estados Unidos habitualmente difamam a série, as décadas de sucesso comercial tornaram a série um fenômeno. Perry Rhodan mostra uma crítica feroz à realidade atual, fazendo-nos refletir em 1960 sobre a Guerra Fria, em 1970 sobre a New Age e em 1980 sobre o movimento pacifista nas entrelinhas da sua história. A série tem capturado os principais pensamentos da elite científica da Alemanha e influenciou de forma pungente todos os escritores de ficção científica alemães e do mundo.

História[editar | editar código-fonte]

Escrito por uma equipe de autores que se alternam, "Perry Rhodan" é um periódico semanal (novela) de tradição germânica (Heftchen), um tipo de livro de bolso pulp[2] .

A série foi criada em 1961 por K. H. Scheer e Clark Darlton. Inicialmente concebida para ser uma trilogia, ela se tornou um sucesso duradouro, ultrapassando o número de 2 320 histórias em 2006. Houve diversas reedições, incluindo edições totalmente revisadas em formato de capa dura. Significativamente relacionadas a ela, estão as séries "Atlan" e "Romances Planetários" ("Novelas Planetárias"), nas quais os temas da série têm um desenvolvimento mais pormenorizado. Nas décadas que se seguiram ao seu lançamento, surgiram histórias em quadrinhos, numerosos itens de colecionador, várias enciclopédias, áudios, canções etc. A série foi parcialmente traduzida para diversos idiomas. Ela também foi passada para o cinema com o filme Mission Stardust (1967), muito criticado pelos fãs.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

A história começa em 1971 com o primeiro voo tripulado à Lua por membros da Força Aérea dos Estados Unidos. O major Perry Rhodan e sua tripulação descobrem, em nosso satélite, uma espaçonave extraterrestre acidentada. Apropriando-se da tecnologia extraterrestre, eles conseguem a unificação da humanidade e iniciam a conquista da galáxia e do cosmos pela humanidade. Enquanto a série prossegue, algumas personagens adquirem a imortalidade virtual, fazendo a história cruzar os milênios, incluindo flashbacks, viagens no tempo, universos paralelos etc.

A série usa uma estrutura de narrativa em "ciclos" (arcos de história), similares aos usados em "Homem da Máfia" (Wiseguy), "Chumbo grosso" e Babylon 5. Um ciclo pode se estender de 25 a 100 números, devotados a explicar uma era. Alguns são agrupados em ciclos subsequentes, criando-se um grande ciclo.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Ciclos[editar | editar código-fonte]

Grande ciclo Via Láctea

Grande ciclo Galáxias Alienígenas

Grande ciclo Desintegração do Império

Grande ciclo Superinteligências

Grande ciclo Código Moral

Grande ciclo Ativadores Celulares

Grande ciclo O Grande Enigma Cósmico

Grande ciclo Thoregon

Personagens[editar | editar código-fonte]

  1. Humanóides
  2. Não Humanóides
  3. Mutantes
  4. Universos
  5. Frotas Estelares
  6. Naves
  7. Robôs
  8. Outros

Jornal[editar | editar código-fonte]

1 - Cronologia da série

A série no mundo[editar | editar código-fonte]

Série no Brasil[editar | editar código-fonte]

A série fez sua estreia no país no livro Operação Astral, décima quarta edição da coleção Galáxia 2000 da Editora O Cruzeiro[3] publicada em 1966, o livro reunia as histórias Missão Stardust e Terceira Potência (batizada como Segunda Parte), ambas as histórias foram traduzidas do francês[4] [5] . Entre 1975 e 1991, ela foi publicada pela Editora Tecnoprint S.A. (atual Ediouro), que lançou os episódios 1 a 536 em formato de bolso (10,5 x 16 cm e 11,5 x 18 cm)[6] [7] e, a partir do volume 200, como "Futurâmica Espacial Perry Rhodan" no formato "superbolso" (12 x 21 cm)[6] .

Em junho de 2001, a série voltou a ser traduzida no Brasil pela SSPG (Star Sistemas e Projetos Gráficos Ltda), a partir do número 650. Desde então, ela tem sido publicada ininterruptamente e, em janeiro de 2007, o número mais recente desta nova edição era o volume duplo 846/847.[5] [7] Em 1975, a editora "Etcetera" publicou duas edições da revista em quadrinhos "Perry, nosso homem no espaço"[8]

A SSPG publicou a série até janeiro de 2007, quando lançou o volume duplo com os episódios 846/847. Após a suspensão da publicação da série pela SSPG, fãs da série criaram o Projeto Traduções a fim de traduzir histórias inéditas em português, principiando com o hiato que ficou entre as publicações da Ediouro e as da SSPG, isto é, os números 537 a 649[7] , tendo já sido lançados os nºs 537 ao 638. Além disso outras séries paralelas à série principal foram lançadas pela primeira vez no Brasil, como a série Atlan, os Romances Planetários de Perry Rhodan e a nova série Perry Rhodan NEO.

Em Julho de 2013, a SSPG lançou uma enquete em seu site oficial, sobre a possibilidade dos livros serem lançados em formato e-book, em Janeiro de 2014, a editora publica o resultado da enquete: a maioria dos leitores entrevistados foram favoráveis ao formato, a editora disse que pretende estudar o formato adequado[9]

PR em outros países[editar | editar código-fonte]

Traduções de Perry Rhodan estão disponíveis no Brasil, Rússia, Itália, Finlândia, China, Japão (1 ao 638), França (1 a 530), República Checa e Países Baixos (1 a 1 710). As versões em inglês (1 a 146) foram editadas nos EUA, Canadá e Reino Unido.

Na Alemanha[editar | editar código-fonte]

Impacto cultural[editar | editar código-fonte]

No espaço[editar | editar código-fonte]

O holandês André Kuipers inspirou-se nela e tornou-se astronauta depois de ler a série. Quando finalmente lançou-se no espaço, em 18 de Abril de 2004, levou com ele o primeiro livro que leu, o número 10 ("Batalha no setor Vega").

Na música[editar | editar código-fonte]

Christopher Franke, ex-membro do grupo germânico de música eletrônica Tangerine Dream e compositor da trilha sonora da série de televisão Babylon 5, lançou Perry Rhodan Pax Terra em 1996, música esta inspirada no épico de "Perry Rhodan".

Referências

  1. Lorna Dannan. Perry Rhodan a Série Scarium.
  2. Franz Rottensteiner, Mike Mitchell. The black mirror and other stories: an anthology of science fiction from Germany & Austria. [S.l.]: Wesleyan University Press, 2008. xxx, xxxi e xxxii pp. ISBN 0819568317, ISBN 9780819568311.
  3. Roberto de Sousa Causo. Ficção científica, fantasia e horror no Brasil, 1875 a 1950. [S.l.]: Editora UFMG, 2003. 242 e 243 pp. 9788570413550.
  4. Roberto de Sousa Causo (11/09/2011). Perry Rhodan 50 anos: o futuro da série Portal Terra.
  5. a b Roberto de Sousa Causo (10 de Dezembro de 2003). Perry Rhodan no Brasil (em português) Omelete. Visitado em 01/05/2010.
  6. a b Roberto de Sousa Causo (24 de outubro de 2009). Nos arquivos da Ediouro Portal Terra.
  7. a b c Edgar Indalecio Smaniotto (18/09/2009). Perry Rhodan, panorama da publicação da série no Brasil Scarium.
  8. Edgar Indalecio Smaniotto (18/09/2009). Perry, nosso homem no espaço Vol. 1 Scarium.
  9. Comunicados da Editora SSPG (31 de janeiro de 2014).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre ficção científica e fantasia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.