Placas de Vindolanda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Placa 343: carta de Octavius a Candidus sobre abastecimento de trigo, peles e tendões.

As Placas de Vindolanda representam os documentos mais antigos escritos à mão do Reino Unido. Poderão, também, ser a melhor fonte de informação sobre o modo de vida na Muralha de Adriano.[1] [2] Escritas em finos fragmentos de madeira do tamanho de postais, com tinta contendo carbono, as placas datam do século I ou II d.C. (aproximadamente contemporâneas da Muralha de Adriano). Embora se tivesse conhecimento de registos semelhantes em papiro, no Império Romano, placas de madeira escritas com tinta só foram descobertas em 1973, quando o arqueólogo Robin Birley as descobriu num forte romano em Vindolanda, na região Norte de Inglaterra.[1] [3]

Estes documentos registam assuntos militares oficiais, assim como mensagens mensagens pessoais de, e para, membros da guarnição de Vindolanda, suas famílias e seus escravos. Um assunto que se destacam é o convite para um aniversário, que terá ocorrido no ano 100 d.C. (que talvez seja o documento mais antigo sobrevivente escrito em latim por uma mulher). Expostos no Museu Britânico, os textos das 752 placas foram transcritas, traduzidas e publicadas em 2010.[4]

Referências

  1. a b Our Top Ten British Treasures: The Vindolanda tablets. British Museum (2011-01-24). Página visitada em 2011-02-08.
  2. Philip Howard. "Lime-wood records of Agricola's soldiers", 10 April 1974, p. 20. “Mas a descoberta mais significativa foi um quarto cheio de placas escritas. Destas, oito ou nove, eram placas normais, escritas com um estilete. As restantes são únicas: placas muito finas de madeira de tília, escritas com tinta contendo carbono que podem ser lidas com a utilização de fotografia de infra-vermelhos. Representam o primeiro sinal de literacia deste período da história britânica, equivalente aos registos dos exércitos romanos, em papiro, encontrados no Egipto e na Síria.”
  3. Susan M. Blackshaw (Nov., 1974), "The Conservation of the Wooden Writing-Tablets from Vindolanda Roman Fort, Northumberland", Studies in Conservation (International Institute for Conservation of Historic and Artistic Works) 19, No. 4: 244–246 
  4. Bowman, A.K.; Thomas, J.D.; Tomlin, R.S.O. (2010), "The Vindolanda Writing-Tablets (Tabulae Vindolandenses IV, Part 1)", Britannia (Sociedade para a Promoção de Estudos Romanos) 41: 187–224, doi:10.1017/S0068113X10000176 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Birley, Anthony (2002), Garrison Life at Vindolanda, Stroud, ISBN 978-0-7524-1950-3 
  • Birley, Robin (2005), Vindolanda: extraordinary records of daily life on the northern frontier, Roman Army Museum Publications, ISBN 978-1-873136-97-3 
  • Bowman, Alan K; Thomas, J David (1974), The Vindolanda writing tablets, Northern history booklet, no. 47., Graham, ISBN 978-0-85983-096-6 
  • Bowman, Alan K (1994a), Life and letters on the Roman frontier : Vindolanda and its people, British Museum Press, ISBN 978-0-7141-1389-0 
  • Bowman, Alan K (1994b), The Vindolanda writing tablets/ 2, British Museum Press, ISBN 978-0-7141-2300-4 
  • Bowman, Alan K (2003), The Vindolanda writing tablets/ 3, British Museum Press, ISBN 978-0-7141-2249-6 

LIgações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Placas de Vindolanda
Ícone de esboço Este artigo sobre arqueologia ou arqueólogos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.