Porrete

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Maio de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
O semideus Hércules ou Héracles de posse de sua clava, que segunda a mitologia, ele usava em suas façanhas

Porrete, porra, clava, bastão ou maça [1] é um tipo de taco ou bastão, mais grosso numa das extremidades e geralmente feito de algum material sólido - podendo ser de madeira, pedra, ou metal - normalmente utilizado para fins de necessária força física ou em batalhas de estilo corpo-a-corpo, em especial pelas forças policiais.

Variam de tamanho, peso, material e manuseio, podendo causar danos leves ou pesados.Existem diversos modelos, que ganham nomes específicos, tais como:

Maça

Maças em um museu

É uma forma mais aprimorada do porrete, sendo uma arma de mão forte e pesada. Consiste em um cabo de madeira, às vezes reforçado com metal ou placas de metal, com uma cabeça de pedra, cobre, bronze, ferro ou aço. Esta cabeça é geralmente bem saliente e às vezes contém tachões e pontas para ajudar a penetração da armadura e infligir maior dano. Caso a cabeça seja presa por tiras de couro ou uma corrente, a arma é denominada mangual e não maça. O tamanho das maças é bem variado.

A maça foi inventada por volta de 12 000 a.C. e, rapidamente, tornou-se uma arma importante. Essas primeiras maças de madeira, com pedra sílex ou obsidiana encravadas, tornaram-se menos populares devido ao aprimoramento das armaduras de couro curtido que podiam absorver grande parte do impacto. Algumas maças tinham a cabeça inteira de pedra, mas eram muito mais pesadas e de difícil manejo.

A descoberta do cobre e do bronze tornou possível as primeiras maças de metal.

Uma das primeiras imagens de maça que se conhece está na paleta de Narmer. Maças eram muito utilizadas na idade do Bronze no Oriente Próximo. Muitos povos eram incapazes de produzir as maças com lâminas e reforços de metal, o que as tornou ainda mais populares.

A maça tornou-se mais comum a partir da Idade do Ferro, quando espadas, e machados de ferro eram facilmente fabricados. O Império Romano não usava maças, provavelmente porque eles não precisavam de armas pesadas e de impacto, ou pelo aspecto do estilo de luta romana envolvendo lanças e armas rápidas. Uma maça era mais útil a um guerreiro sozinho do que a unidades de infantaria romana.

Cassetete

Antigo cassetete policial
Tonfa sendo usada para se defender de um ataque de bastão

Seu nome vem do francês casse-tête, que significa literalmente "quebra-cabeça". É um bastão utilizado por policiais ou militares, podendo ser usado também para segurança pessoal.

Borduna ou tacape

Maoris lutando com tacapes

Do tupi taka'pe, é uma arma indígena utilizada para ataque, defesa ou caça. Geralmente é uma espécie de clava cilíndrica e alongada. Acaba sendo também utilizada pelos índios como bengala, remo e objeto perfurante, quando do tipo de ponta.

Índio tupinambá brasileiro portando um porrete, à esquerda

Nativos das Américas utilizavam o tacape, borduna ou clava feito de madeira dura com 1,5m. de comprimento, cuja extremidade podia ser oval, arredondada ou chata. Neste caso ela era afiada. Era usada tanto na guerra como para sacrificar inimigos[2] .

O boaháp era uma pequena clava para ataque e defesa feita do âmago da palmeira paxiúba [3]

Clavas de patauá (Jessenia bataua) eram também usadas pelos nativos não necessariamente para a caça ou guerra, mas para resolver disputas por mulheres[4] .

Nativos da Califórnia usavam clavas entalhadas de um único tronco ou galho de árvore. As dimensões das clavas variavam de 3 a 4 centímetros de diâmetro, 20 a 30 de comprimento e a cabeça, geralmente arredondada, de 8 a 10 centímetros de diâmetro e 8 a 10 de comprimento. O comprimento total da arma variava de 30 a 70 centímetros. Na parte final do cabo havia um furo transversal por onde passava um cordão de couro, que servia para prender a arma no pulso do nativo. O acabamento era dado por pedras cortantes e facas e o tingimento era feito com hematita avermelhada e dióxido de manganês escuro. Eram usadas em batalhas, bem como em caçadas[5] .

Os Asteca do México incrustavam seus tacapes de madeira com lascas de obsidiana, uma pedra vulcânica e vítrea, que causava terríveis ferimentos em suas vítimas[6] .

Tonfa

Tonfas

Foi desenvolvida muitos séculos atrás como uma arma de madeira pelos habitantes de Okinawa, no Japão, especificamente para uso no caratê.

Duas tonfas eram frequentemente usadas simultaneamente, sendo uma arma muito eficiente contra ladrões. Os movimentos circulares da tonfa eram usados como forma de ataque, a parte lateral era usada para bloquear golpes de nunchakus e as extremidades para ataques penetrantes.

Por volta de 1580, foram impostas leis que proibiram o uso e a posse de armas, até de espadas velhas e ferrugentas, para tentar restaurar a paz e trazer prosperidade a Okinawa. Isso ajudava a prevenir perdas de vida desnecessárias entre o povo e prevenir o surgimento de guerras civis, mas deixava os camponeses de Okinawa sem defesa contra os ninjas. Apesar das técnicas de mão vazia desenvolvidas nos campos de batalha serem eficazes, não o eram contra ataques em massa. Hoje substituindo o ultrapassado cassetete a tonfa se tornou um bastão ainda mais resistente feito de fibra sintética, sendo usada como arma de defesa policial.

Originalmente a tonfa, antes de se tornar arma, era usada há mais de oito séculos atrás na China e no Japão para moer e descascar arroz e feijão.

A tonfa foi apenas um dos instrumentos agrícolas usados na China antiga que passaram a ser utilizados como armas em função do desarmamento civil.

Referências

  1. "Maça" no Dicionário Michaelis
  2. LÉRY, Jean de (1534-1611). Viagem à terra do Brasil. Belo Horizonte, Edit. Itatiaia; São Paulo, Edit. da Universidade de São Paulo. 1980, 303 p.
  3. PEREIRA, Manuel Nunes (1892-1985) (1980). Moronguêtá: um Decameron indígena. p. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira. 1980, 2ª Ed.; vol. 2. p. 435-840.
  4. CAVALCANTE, Messias S. Comidas dos Nativos do Novo Mundo. Barueri, SP. Sá Editora. 2014, 403p.ISBN 9788582020364
  5. CAMPBELL, Paul D. Survival skills of native California. Layton, Utah, Gibbs Smith Publisher. 1999, 448 p.
  6. SOUSTELLE, Jacques (1912-1990). La vida cotidiana de los aztecas em vésperas de la conquista. Octava reimpresión. ISBN 968-16-0636-1. Mexico, Fondo de Cultura Economica. 1991, 283 p.