Rio Minho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Minho
Localização do Rio Milho
Comprimento 150 km
Nascente Serra de Meira, Galiza
Altitude da nascente 900 m
Foz Caminha, Atlântico
País(es) Flag of Spain.svg Espanha,  Portugal

O Minho (em espanhol e em galego Miño) é um rio internacional que nasce a uma altitude de 750 m na serra de Meira, na Comunidade Autónoma da Galiza e percorre cerca de 300 quilómetros até desaguar no oceano Atlântico a sul da localidade da Guarda e a norte de Caminha. Nos últimos 75 quilómetros do seu percurso, entre Melgaço e a foz, o Minho serve de fronteira entre Espanha e Portugal.

Entre a nascente e a foz, o rio Minho passa por Lugo, Ourense, Melgaço, Monção, Tui, Valença, Vila Nova de Cerveira e Caminha.

O rio Minho era chamado de Minius ou Baenis pelos antigos historiadores.

Afluentes[editar | editar código-fonte]

Margem direita[editar | editar código-fonte]

Na Província de Pontevedra: rio Tamuxe (também chamado rio Carballas ou Carballo), rio Pego, rio Cereixo da Briña, rio Furnia (também chamado Forcadela), rio Louro, rio Tea, rio Caselas, rio Deva (há outro rio Deva na margem esquerda), rio Ribadil, rio Cea.

Na província de Ourense: rio Avia, rio Barbantiño. rio Bubal no limite da província de Ourense com a província de Lugo. Na província de Lugo: rio Asma, rio Narón, rio Ferreira, rio Mera, rio Narla, rio Ladra, rio Támoga, rio Anllo e rio Trancoso, que faz a fronteira com Espanha em Fiães, Cristoval e S. Gregório - Melgaço.

Margem esquerda[editar | editar código-fonte]

Rio Mouro, rio Gadanha e rio Coura na margem portuguesa, rio Deva (há outro rio Deva pela margem direita), rio Arnoia, rio Barbaña (no concelho de Ourense), rio Lonia (no concelho de Ourense), rio Sil, rio Sardiñeira, rio Loio, rio Neira, rio Chamoso, rio Robra (também chamado rio Santa Marta), rio Lea, Rio Azúmara.

Ilhas[editar | editar código-fonte]

Existem 14 ilhas em todo o troço do rio Minho partilhado entre Portugal e Espanha, quatro das quais são consideradas como internacionais, não sendo "disputadas" por nenhum dos países. São os casos de Morraceira de Seixas, Morraceira de João de Sá e Varandas, estas mais próximas da freguesia de Lanhelas (Caminha), além da Morraceira, mais próxima da costa espanhola.

Atribuídas a Espanha estão as ilhas Canosa, Morraceira do Grilo, Morraceira das Varandas, Vacariza e Fillaboa. Esta última, com 110.000 metros quadrados, segundo o anúncio público feito pela autarquia galega de Salvaterra, que a adquiriu a privados, deverá "abrir ao público" em 2013 como centro de interpretação ambiental.

Consideradas território português no rio Minho são as ilhas dos Amores, Boega e Lenta, ambas em Vila Nova de Cerveira, e as de São Pedro e Conguedo, em Valença[1] .

Amêijoa asiática[editar | editar código-fonte]

Os últimos 40 quilómetros do rio Minho estão colonizados pela Amêijoa asiática (Corbicula fluminea). A amêijoa adaptou-se às condições e ocupou o espaço, quase eliminando outras espécies.

A amêijoa asiática foi detectada pela primeira vez no rio Minho em 1989. Antes disso, já tinha chegado ao Tejo, talvez à boleia em navios de transporte.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Rio Minho

Referências


Portugal | Grandes rios portugueses Bandeira
Cávado | Douro | Guadiana | Minho | Mondego | Sado | Tejo | Tua | Vouga | Zêzere