Risco moral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

O conceito de risco moral (em inglês, moral hazard) se refere à possibilidade de que um agente econômico mude seu comportamento de acordo com os diferentes contextos nos quais ocorre uma transação econômica.

O risco moral é relacionado à informação assimétrica, uma situação na qual uma parte na transação possui mais informações que a outra. Um caso especial de risco moral é chamado problema agente-principal, onde uma parte, chamado de agente, age no interesse da outra parte, chamada de principal. O agente pode ter um incentivo ou tendência de agir inapropriadamente do ponto de vista do principal, se os interesses do agente e do principal não estiverem alinhados. O agente normalmente tem mais informações sobre suas ações ou intenções do que o principal, porque o principal normalmente não pode monitorar perfeitamente o agente.

Bons exemplos de risco moral ocorrem na contratação de seguros e na admissão de novos funcionários.

No caso do seguro uma empresa seguradora de carros não tem como monitorar o comportamento daqueles que contrataram seus serviços. Antes de fazer um seguro o agente evitava transitar em bairros com alta incidência de roubos, conferia se a porta estava realmente trancada, em suma seu comportamento, antes, revelava ser muito mais cuidadoso com a posse do bem do que agora, com o carro coberto contra roubo pela seguradora.

O mesmo pode ocorrer com funcionários que estão sendo admitidos por uma empresa. Antes da contratação o empregador não tem informações seguras sobre o desempenho do candidato ao cargo, seu compromisso em ter um bom desempenho. Antes o candidato poderia parecer ser uma boa contratação para a empresa, uma vez admitido ele pode começar a chegar atrasado, não apresentar um desempenho satisfatório.

Uma forma de minimizar o risco moral se dá por intermédio das chamadas sinalizações.

Uma seguradora pode exigir dos donos de veículos o uso de GPS, alarmes, trancas especiais, etc. Pode cobrar um prêmio maior se o dono do carro residir em um bairro com alta incidência de roubo ou se ele tiver menos de 30 anos de idade pois essa faixa etária é responsável por uma parcela maior de acidentes, etc. Uma empresa pode exigir de um candidato ao emprego referências de outros empregadores, pode exigir certas qualificações profissionais ou mesmo experiência na função. Todas essas sinalizações minimizam a falta de informações das empresas e conseqüentemente o risco moral.