Serra do Espinhaço

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Serra da Espinhaço
Parque do Caraça na Serra do Espinhaço
Localização
Localização  Minas Gerais e  Bahia Brasil Brasil
Características
Cumes mais altos Pico do Sol, MG, 2.072 m
Comprimento 1.000 km

A Serra do Espinhaço é uma cadeia montanhosa localizada no planalto Atlântico, estendendo-se pelos estados de Minas Gerais e Bahia. Seus terrenos são do Proterozóico e contêm jazidas de ferro, manganês, bauxita e ouro.

Geografia[editar | editar código-fonte]

O ponto mais alto da serra é o Pico do Sol com 2.072 metros, localizado no Parque Estadual do Caraça no município de Catas Altas, estado de Minas Gerais, parque que ainda abriga o Pico do Inficionado com 2.068 metros e o Pico da Carapuça com 1.955 metros. Além desses a serra ainda abriga outros picos famosos como o Pico do Itambé com 2.044 metros e o Pico do Itacolomi com 1.772 metros, também em Minas Gerais.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

Seu nome fora dado pelo geólogo alemão Wilhelm Ludwig von Eschwege no século XIX.[1] É responsável pela divisão entre as redes de drenagem do Rio São Francisco e as redes de drenagem dos rios que correm diretamente para o oceano Atlântico. É considerada reserva mundial da biosfera, por ser uma das regiões mais ricas do planeta, graças sua grande diversidade biológica.

Formação[editar | editar código-fonte]

A Serra do Espinhaço pode ser considerada a única cordilheira do Brasil, pois é singular em sua forma e formação. Há mais de um bilhão de anos em constante movimento, é uma cadeia de montanhas bastante longa e estreita, entrecortada por picos e vales. Tem cerca de 1.000 quilômetros de extensão, no sentido latitudinal do Quadrilátero Ferrífero, ao Norte de Minas e, depois de uma breve interrupção, alcança a porção sul da Bahia. Todo esse percurso apresenta uma diferença mínima de longitude, ou seja, sua largura varia apenas entre 50 e 100 quilômetros.

Bioma[editar | editar código-fonte]

A Serra do Espinhaço foi considerada pela ONU em 27 de junho de 2005 a sétima reserva da biosfera brasileira, devido a sua grande diversidade de recursos naturais; mostrando-nos a importância de protegê-la

Mais da metade das espécies de animais e plantas ameaçados de extinção em Minas Gerais estão nas Cadeias do Espinhaço. Especialmente na Serra do Cipó, onde se encontra o maior número de espécies endêmicas da flora brasileira.

As raízes africanas, européias e indígenas se misturam no Espinhaço, deixando marcas nos costumes e manifestações culturais das comunidades locais. A beleza e a cultura da região oferecem condições para o desenvolvimento do ecoturismo.

Entre os municípios que são cortados pela Serra do Espinhaço estão Porteirinha, Mato Verde, Espinosa, Olhos-d'Água e principalmente a cidade de Monte Azul, onde se nota a melhor cidade para a observação dessa belíssima cadeia de montanhas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]