Socialismo ricardiano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Socialismo Ricardiano)
Ir para: navegação, pesquisa

Socialismo Ricardiano refere-se a um ramo de pensamento da economia clássica baseado no trabalho do economista David Ricardo (1772-1823). Os economistas socialistas Ricardianos argumentaram que o trabalho é a fonte de todo valor de troca e, portanto, tem direito a tudo o que produz, e que a renda, o lucro e os juros não eram conseqüências naturais do mercado livre, mas foram em vez distorções. Eles argumentaram que a propriedade privada dos meios de produção deve ser suplantado por cooperativas pertencentes a associações de trabalhadores.

Esta designação é usada em referência aos economistas no início do século XIX, que elaboraram uma teoria de capitalista de exploração da proposição econômica clássica derivada de Adam Smith e David Ricardo afirmando que o trabalho é a fonte de riqueza. Embora o pensamento socialista de Ricardo teve alguma influência sobre as teorias de Karl Marx, Marx rejeitou muitos dos pressupostos fundamentais dos socialistas Ricardianos.[1]

Economia[editar | editar código-fonte]

O socialismo Ricardiano é uma forma putativa do socialismo com base nos argumentos apresentados por Ricardo que o valor de equilíbrio de mercadorias básicas se aproxima ao preços do produtor quando esses produtos estão em oferta elástica, e que esses preços de produção correspondem ao trabalho incorporado, e que os lucros, juros e aluguéis eram deduções deste valor de troca. Isto é deduzido a partir do axioma de Ricardo e Adam Smith de que o trabalho é a fonte de todo o valor.

A primeira imputação de que os primeiros socialistas britânicos e irlandeses foram influenciados por Ricardo é feita por Karl Marx em sua obra Miséria da Filosofia:

Qualquer um que esteja de alguma forma familiarizados com a tendência da economia política na Inglaterra não pode deixar de saber que quase todos os socialistas no país têm, em diferentes períodos, propôsto a aplicação igualitária da teoria Ricardiana. Citamos M. Proudhon: Hodgskin, Political Economy, 1827; William Thompson, An Inquiry into the Principles of the Distribution of Wealth Most Conducive to Human Happiness, 1824; T. R. Edmonds, Practical Moral and Political Economy, 1828 [18], etc., etc., e mais de quatro páginas de etc. Vamos nos contentar em ouvir um comunista inglês, o Sr. Bray nas citações de sua obra notável, Labor's Wrongs and Labor's Remedy, Leeds, 1839...

Este vinculo é posteriormente re-afirmado por Herbert Foxwell em sua introdução à tradução em inglês da obra de Anton Menger "The Right to the Whole Produce of Labor" (1899). Por conseguinte, a categoria de "socialistas ricardianos" foi aceita por partidários e opositores do marxismo no início do século XX.

No entanto, nos últimos anos, uma série de estudiosos[2] têm desafiado a validade da categoria com base na falta de provas de que seus membros tivessem lido o "Princípios de Economia Política", de Ricardo.[3]

Socialistas Ricardianos[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. The Relation of the Ricardian Socialists to Ricardo and Marx, by E.K. Hunt. 1980. Science and Society, vol. 44, no. 2, pp 170-198, Summer 1980.
  2. J.E. King "Utopian or scientific? A reconsideration of the Ricardian Socialists", History of Political Economy, 15:3, Duke University Press, 1983.
  3. Noel W. Thompson, "The People's Science: The Popular Political Economy of Exploitation and Crisis 1816-34", Cambridge University Press, 2002.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.