Teages

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Teages é um diálogo] atribuído a Platão, apresentando Demódoco, Sócrates e Teages. Há um debate sobre a sua autenticidade;[1] W. R. M. Lamb tira esta conclusão a partir de sua opinião de que o trabalho é inferior e não-socrático, mas reconhece que foi universalmente considerado autêntico na antiguidade.[2]

Assunto[editar | editar código-fonte]

No diálogo, Demódoco apresenta seu filho Teages a Sócrates e eles discutem a voz interior divina de Sócrates.[3] Quatro casos separadas são descritas em que Sócrates recebeu uma premonição dos deuses, mas em cada caso, o conselho foi ignorado com consequências desastrosas.[3] Sócrates também é apresentado como tendo um poder divino e de efeito mágico sobre seus alunos, mas que desaparece se eles o abandonam para perseguir outros interesses.[3]

Filosofia moderna[editar | editar código-fonte]

Teages 125e8-126a4 é citado por Nietzsche em A Vontade de Poder §958: "No 'Teages de Platão está escrito: 'Cada um de nós gostaria de ser mestre sobre todos os homens se possível, ou melhor ainda um Deus. 'Esta atitude deve existir novamente" (trad. Walter Kaufmann).

  • ¤ Não é da autoria de Platão segundo a maioria dos estudiosos
  • † Não é geralmente aceito pelos estudiosos
  • ‡ Somente trechos têm a autoria comprovada.

Referências

  1. Richard Kraut, in The Cambridge Companion to Plato (Cambridge: Cambridge University Press, 1992), 35. (em inglês)
  2. Lamb, Introduction to the Theages, in Plato XII (Cambridge: Harvard University Press, 1927). (em inglês)
  3. a b c John Madison Cooper, D. S. Hutchinson, (1997), Plato, Complete works, page 1734. Hackett Publishing. (em inglês)