The End (The Doors)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde janeiro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
"The End"
Canção de The Doors
do álbum The Doors
Lançamento 4 de Janeiro de 1967
Gravação Finais de Agosto – inícios de Setembro de 1966
Gênero(s) Rock psicadélico, Rock progressivo
Duração 11:41
Gravadora(s) Elektra Records
Composição Jim Morrison
Produção The Doors
Paul A. Rothchild
Faixas de The Doors
  1. "Break on Through (To the Other Side)"
  2. "Soul Kitchen"
  3. "The Crystal Ship"
  4. "Twentieth Century Fox"
  5. "Alabama Song (Whiskey Bar)"
  6. "Light My Fire"
  7. "Back Door Man"
  8. "I Looked at You"
  9. "End of the Night"
  10. "Take It as It Comes"
  11. "The End"

"The End" é uma canção da banda norte-americana The Doors pertencente ao seu álbum homónimo. Foi criada ao longo de vários meses de actuações no Whisky a Go Go em Los Angeles. A banda tocaria esta música na sua última actuação. Foi lançada pela primeira vez em Janeiro de 1967.

"The End" ficou colocada em 328º na lista das 500 melhores canções de todos os tempos da Revista Rolling Stone. Por sua atmosfera sombria e misteriosa, a canção antecipou o nascimento do Jazz Fusion.

Influências[editar | editar código-fonte]

A parte falada da canção inclui as linhas "Pai?/ Sim, filho?/ Eu quero matar-te/ Mãe? Eu quero…FODER-TE", (com essa última linha falada quase toda inaudível). Isto também pode ser considerado uma referência à obra de Sófocles, Édipo Rei, uma produção a qual Jim Morrison trabalhou por um curto período de tempo na Universidade do Estado da Flórida.

Morrison disse em 1969, "Toda a vez que escuto essa canção, significa algo mais para mim. Começa como uma simples canção de despedida provavelmente para uma garota, mas eu a vejo como uma despedida para um tipo de infância. Eu sinceramente não sei. Eu penso que é suficientemente complexo e universal na sua imaginação que pode ser quase qualquer coisa que você queira". Ray Manzarek, o tecladista da banda The Doors diz "Jim estava dando voz aos moldes rock para a obra de Sófocles, Édipo Rei, em tempos de largas discussões sobre tendências Freudianas na psicologia. Ele não disse que queria fazer aquilo com seus próprios pais. Ele estava encenando um trecho da dramaturgia grega. Isso era teatro!".

Jim pode ter sido influenciado pelos conceitos de individualismo e arquétipos de Carl Jung, e certamente influenciado pelo conceito de Friedrich Nietzsche de ir além dos limites dos tipos de seres humanos que existiram por tanto tempo, adorando a vitalidade e a vida de Dionísio ("A mãe") enquanto rejeitava a sistemática e as tradições de Apolo ("O pai").

Significado[editar | editar código-fonte]

A referência lírica para "the Blue Bus" tem sido variavelmente conjeturada para se referir a diversas coisas. Tanto aos passeios místicos ("Blue Bus tours") sobre o indiano Meher Baba ou para a linha de transporte público de Santa Mônica "Big Blue Bus". Outra conjectura é que Morrison estava se referindo a droga oximorfina, um substituto para morfina, a qual era a droga relacionada para "The Blue Bus" em conseqüência do seu formato ser de comprimidos azuis. Conhecida a afinidade de Morrison pelas drogas e pelo álcool, essa parece ser a probabilidade mais provável.

A visão inspiradora pode ser um estado de união com o amor no seu alterado estado de consciência induzido após o uso de drogas alucinógenas. Similarmente, o trecho "the blue bus is calling us…" pode se referir a viciante atração da oximorfina desenvolvida em seus usuários, e "driver where you taking us?" pode se referir ao estado alterado de consciência e insights providos durante a degustação da droga.

Outra interpretação para "The Blue Bus" pode ser também relacionada pelo fato de que, nos EUA, eram usados como inductos, ônibus azuis como transporte de tropas para o treino básico militar ou para manobras ao redor da base.

"The End" foi muito popular durante a Guerra do Vietnã, e Morrison poderia ter a intenção de tê-la como um hino anti-Vietnã.

Algumas outras frases mencionadas em "The End" podem ajudar a entender o significado do trecho "The Blue Bus". A frase "The west is the best, The west is the best, Get here, and well do the rest" pode nos traz a imagem de tropas se preparando para a Guerra do Vietnã para lutar contra a procuração "Oeste x Comunismo" da Guerra Fria.

Existem outras frases com alusões militares incluindo "Lost in a Roman…wilderness of pain" e "The killer awoke before dawn, he put his boots on; He took a face from the ancient gallery." Essa pode ser a imagem de um soldado se preparando para batalha .


Ícone de esboço Este artigo sobre música é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.