Tudo Pode Dar Certo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tudo Pode Dar Certo
Whatever Works
 Estados Unidos
2009 • cor • 92 min 
Direção Woody Allen
Produção Letty Aronson, Stephen Tenenbaum
Roteiro Woody Allen
Elenco Larry David, Evan Rachel Wood, Henry Cavill, Patricia Clarkson, Ed Begley, Jr., Michael McKean
Idioma inglês
Cinematografia Harris Savides
Edição Alisa Lepselter
Distribuição Sony Pictures Classics
Lançamento 19 de junho de 2009
Orçamento US$ 15 milhões
Receita US$ 31.053.092[1]
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Whatever Works (no Brasil e em Portugal, Tudo Pode Dar Certo) é um filme americano de 2009, uma comédia dirigida e escrita por Woody Allen, com Larry David, Evan Rachel Wood, Patricia Clarkson, Ed Begley, Jr., Michael McKean e Henry Cavill nos papeis principais.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O filme narra um improvável relacionamento entre um enxadrista velho e hipocondríaco, Boris Yelnikoff, e uma jovem e ingênua sulista interiorana, recém-chegada a Nova York, Melodie. Ela inicialmente pede-lhe um lugar para passar uma noite, que em seguida se estende por mais uma semana e, enfim, resulta num casamento.[2]

Mais tarde a mãe da garota visita o casal, inopinadamente, e logo fica contra o relacionamento; ao procurar um novo parceiro para a filha, acaba ampliando seus horizontes. Também o pai de Melanie surge, e da mesma forma busca o autoconhecimento.[2]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Em 2 de fevereiro de 2009 a revista americana Variety informou que a Sony Pictures Classics havia comprado os direitos de distribuição do filme para os Estados Unidos. A Sony lançou o filme em 19 de junho daquele ano, depois de sua estreia em 22 de abril, no Festival de Cinema de Tribeca, em Nova York. A Maple Pictures lançou o filme nos cinemas do Canadá, e lançou o seu DVD em 2009.[3]

Produção[editar | editar código-fonte]

A história foi filmada em Nova York, e marcou o retorno de Woody Allen à sua cidade natal, depois de cinco anos[4] filmando na Europa, onde dirigiu quatro longas-metragens.[5]

Allen revelou que o roteiro teria sido escrito no início da década de 1970, e que tinha Zero Mostel em mente para o papel de Boris, porém acabou por arquivar o roteiro após a morte do ator em 1977.[6] Trinta anos mais tarde, pensou novamente nele ao tentar criar um filme antes de uma possível greve do principal sindicato de atores dos Estados Unidos, o Screen Actors Guild. De acordo com Allen, as únicas mudanças significantes que ele fez ao roteiro envolvem a atualização das referências sociais e políticas, que estavam datadas.[7]

Crítica[editar | editar código-fonte]

O filme recebeu críticas mistas dos críticos.[8] O site americano Rotten Tomatoes informa que 47% dos críticos teriam publicado críticas positivas, de um total de 103, uma média de 5,4/10.[9] Na seção Cream of the Crop do site, que reúne as análises feitas pelos críticos mais famosos e populares dos principais jornais, sites e programas de rádio e televisão dos Estados Unidos, o filme tem uma taxa de aprovação de 25% de um total de 31 críticas.[10] De acordo com outro site dedicado a compilar críticas, o filme teve uma média de 45%, num total de 30 críticos diferentes. O filme recebeu a classificação de 7,3 no IMDb.[8]

Ann Hornaday, do Washington Post, declarou que talvez fosse melhor que Allen tivesse esquecido o enredo na gaveta. Acresce que dificilmente se poderia dar credibilidade ao misantropo personagem de 73 anos de idade, vivido por Larry David.[6] Anthony Lane, do New Yorker, acentua que o enredo parece realmente ressuscitar uma história sonolenta dos anos setenta do século passado.[11]

Segundo o crítico brasileiro Marcelo Forlani, o filme agrada aos aficcionados pelo estilo de Allen, mas certamente não faria o mesmo com quem não goste de suas obras.[2] Carlos Messias acentua que Larry David empresta uma ênfase ao personagem que o próprio diretor jamais conseguiu.[4]

Referências

  1. Whatever Works (2009) Box Office Mojo. Visitado em 3-3-2010.
  2. a b c Marcelo Forlani (29 de abril de 2010). Crítica: Tudo Pode Dar Certo Omelete. Visitado em 21-6-2010.
  3. Whatever Works (2009): DVD / Blu-ray - MovieWeb.com.
  4. a b Carlos Messias (Abril de 2010). Tudo Pode Dar Certo - Crítica Bravo On Line (ed. Abril). Visitado em 21-6-2010.
  5. Estreia 'Tudo Pode Dar Certo', 44º filme de Woody Allen O Estado de S. Paulo (30 de abril de 2010). Visitado em 21-6-2010.
  6. a b Ann Hornaday (3 de julho de 2009). Woody's Dreadful 'Whatever' -- So Unfunny It Hurts. Visitado em 21-6-2010.
  7. Woody Allen, Larry David, Evan Rachel Wood & Others Discuss 'Whatever Works' Starpulse Entertainment News (16 de junho de 2009). Visitado em 19-6-2009.
  8. a b Whatever Works (2009): Reviews Metacritic. Visitado em 21-6-2009.
  9. Whatever Works Movie Reviews, Pictures Rotten Tomatoes. Visitado em 26-6-2009.
  10. Whatever Works Movie Reviews, Pictures - Cream of the Crop Rotten Tomatoes IGN Entertainment. Visitado em 26-6-2009.
  11. Anthony Lane (22-6-2009). Off the Rails The New Yorker. Visitado em 21/6/2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]