Aftermath (canção de Muse)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
"Aftermath"
Single de Muse
do álbum Drones
Lançamento 11 de março de 2016
Formato(s) Download digital
Gravação 2014, em The Warehouse Studio, Vancouver[1]
Gênero(s) Pop rock,[2] rock progressivo[3]
Duração 5:48
Gravadora(s) Warner Bros., Helium-3
Composição Matthew Bellamy
Produção Robert Lange, Muse
Cronologia de singles de Muse
"Revolt"
(2015)
"Reapers"
(2016)

"Aftermath" é uma canção da banda inglesa de rock Muse do seu sétimo álbum, intitulado Drones (2015). Foi lançado como o quarto single do disco em 11 de março de 2016.

Contexto[editar | editar código-fonte]

A canção é descrita como parte do conceito do álbum sobre "a jornada de um humano, do seu abandono e perda da esperança, até a doutrinação pelo sistema para se tornar um drone humano, até eventualmente desertar dos seus opressores.[4]

De acordo com Matt Bellamy, esta é uma das duas canções do álbum sobre amor; em "Aftermath" o protagonista encontra o amor de novo. A canção é descrita como o oposto de "Dead Inside".[5]

Descrição[editar | editar código-fonte]

A revista NME descreveu a canção como “uma cantoria pós-batalha nas veias da versão da canção "Sailing" de Rod Stewart ou, ah sim, "Brothers in Arms" de Dire Straits”.[3]

A música foi descrita como "uma balada tipo anos 80", com a banda considerando "Aftermath" como “o momento mais experimental do álbum”. De acordo com o guitarrista e vocalista Matt Bellamy, esta foi a canção onde o produtor "mostrou sua verdadeira face" durante as gravações, que depois das seções afirmou: “ouça rapazes, está é a música". Bellamy diz que escreveu a canção após ver o filme Fury, estrelando Brad Pitt, sendo inspirado por uma cena em particular: “Há uma parte no meio onde eles vão para um apartamento, há duas garotas lá e você acha que algo vai dar errado, as coisas vão para o lado escuro mas acaba sendo um ótimo momento”.[6]

A canção começa com um som de ventania, seguido por violinos e sintetizadores. Entra então guitarras estilo balada de Hendrix.[7]

Referências

  1. «MUSE ARE FINISH WITH THE FIRST SESSION OF THE NEW ALBUM!». Matter of Sound. 19 de outubro de 2014. Consultado em 7 de maio de 2017 
  2. «Muse, ecco il nuovo 'Drones': un'opera rock oscura, tra JFK e Orwell». IlFattoQuotidiano. 19 de maio de 2015. Consultado em 19 de maio de 2015 
  3. a b Beaumont, Mark (27 de maio de 2015). «NME Reviews - Muse - 'Drones'». NME. Consultado em 29 de maio de 2015 
  4. Morris, Andy; Trendell, Andrew (11 de março de 2015). «Muse announce Drones album and UK Psycho Tour». Gigwise. Consultado em 6 de maio de 2017 
  5. «Matt Bellamy, Muse: 'Dead Inside' is about "losing the idea of love"». Soundcloud.com. Consultado em 6 de maio de 2017 
  6. Kennedy, John. «INTERVIEW: Muse on their new album, Drones». Radio X. Consultado em 7 de maio de 2017 
  7. «Kiosque L'édition du soir Reader». ouest-france.fr. Consultado em 6 de maio de 2017 


Ícone de esboço Este artigo sobre um single de Muse é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.