Amadeu Garcia dos Santos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Amadeu Garcia dos Santos
Dados pessoais
Nascimento 13 de agosto de 1935 (84 anos) Lisboa Portugal Portugal
Vida militar
Hierarquia General

Amadeu Garcia dos Santos GCCGCAGCL (Lisboa, Misericórdia, Bairro Alto, 13 de Agosto de 1935), mais conhecido por General Garcia dos Santos, é um militar português que participou na Revolução dos Cravos. Posteriormente presidiu a Junta Autónoma das Estradas.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Amadeu Garcia dos Santos nasceu a 13 de Agosto de 1935 no Bairro Alto, Lisboa.[2]

Garcia dos Santos participou no processo de preparação da revolução dos Cravos.[3] Enquanto professor na Academia Militar foi contactado por Fisher Lopes Pires (1930-2013) para ocupar-se das transmissões no golpe de estado que estava então em planeamento.[4] Após a decisão de se passar para acção armada, Otelo Saraiva de Carvalho entrou em contacto com Garcia dos Santos para propôr-lhe a parte das transmissões do golpe militar.[4] A partir da ordem de operações de Otelo, Garcia dos Santos delineou as transmissões, e no dia 24 de Abril de 1974, andou a montar as transmissões no Quartel da Pontinha com rádios que tinha roubado no depósito do material de transmissões.[4]

Também participou posteriormente na contenção do 25 de Novembro, que levou ao fim do PREC (Processo Revolucionário em Curso).[3]

Foi secretário de Estado e chefe da Casa Militar de Ramalho Eanes.[4]

O seu último cargo público foi o de presidente da Junta Autónoma das Estradas, no tempo do governo Guterres.[4] No exercício desse cargo, Garcia dos Santos denunciou o caso da Junta Autónoma das Estradas, onde assinalou a existência de um profundo problema de corrupção na Junta Autónoma das Estradas,[4] que incluía a passagem de dinheiro para o Partido Socialista.[5] Garcia dos Santos exigiu a expulsão de um conjunto de funcionários da JAE a João Cravinho, que aceitou mas acabou por recuar. Isto levou o general a pedir a demissão.[4]

Condecorações[6][7][editar | editar código-fonte]

Ordens honoríficas portuguesas:

Ordens honoríficas estrangeiras:

Referências

  1. «Escândalos da democracia: O general que acusou os políticos e foi condenado». ionline. 12 de agosto de 2009. Consultado em 19 de setembro de 2012 
  2. Adelino Gomes. «Inquérito a 13 generais de Abril: General Amadeu Garcia dos Santos». Público. Consultado em 19 de setembro de 2012 
  3. a b «Garcia dos Santos diz-se vítima de Soares e Eanes». 22 de novembro de 2011. Consultado em 19 de setembro de 2012 
  4. a b c d e f g Ana Sá Lopes e Luís Rosa (24 de abril de 2012). «Garcia dos Santos. "Ainda convivemos com a pesada herança do passado"». ionline. Consultado em 19 de setembro de 2012 
  5. «Garcia dos Santos: "Tem de se admitir a possibilidade de haver corrupção" nas PPP». Jornal de Negócios. 24 de abril de 2012. Consultado em 19 de setembro de 2012 
  6. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Amadeu Garcia dos Santos". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 2 de junho de 2014 
  7. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Estrangeiras». Resultado da busca de "Amadeu Garcia dos Santos". Refere "Grã-Cruz da Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul" em 1979 e 1981. Presidência da República Portuguesa. Consultado em 2 de junho de 2014 
  8. DOU 06/05/1981 - Pág. 21 - Seção 1 - Diário Oficial da União (DOU) de 06 de Maio de 1981
  9. DOU 11/06/1982 - Pág. 4 - Seção 1 - Diário Oficial da União (DOU) de 11 de Junho de 1982

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.