Animação de recortes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Animação
Técnicas tradicionais
Animação tradicional
Animação digital
Animação de recortes
Animação limitada
Animação tecnológica
Animação análogica por computador
Imagens geradas por computador
Cel shading
Computação gráfica
Animação por captura de movimento
Stop-motion
Claymation
Pixilation
Animação com fantoches
Mídias
Série de desenho animado
Websérie de desenho animado
Anime
Desenho animado
Filme de animação

A animação de recortes (em inglês Cut-out animation) é uma técnica específica de animação que utiliza personagens, objetos e cenários recortados de materiais como papel, cartão, tecido ou mesmo fotografias. Os mais antigos filmes de animação em longa-metragem conhecidos foram realizados em animação de recortes, pelo argentino Quirino Cristiani em 1917-18.

Hoje em dia, uma forma estilizada da animação de recortes é simulada digitalmente. O exemplo mais conhecido é a série de televisão South Park, cujos primeiros episódios foram realizados com animação de recortes verdadeira, mas que em seguida passou a ser produzida utilizando os programas Corel Draw e Maya. Outros exemplos são as séries Angela Anaconda e Charlie and Lola.

Um dos mais famosos animadores que ainda utilizam a técnica tradicional da animação de recortes é o russo Yuriy Norshteyn. Também são conhecidas as seqüências animadas em recortes por Terry Gilliam para os filmes e programas de TV do grupo Monty Python, bem como a seqüência de abertura do filme L'armata Brancaleone, de Mario Monicelli. A técnica também foi utilizada no créditos finais do filme “Desventuras em Série” com Jim Carrey.

Ícone de esboço Este artigo sobre animação é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.