História da animação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A história do filme de animação começa com os primeiros momentos do cinema mudo e continua até os dias de hoje.

O primeiro desenho animado foi do francês Émile Reynaud, que criou o praxinoscópio, sistema de animação de 12 imagens, e filmes de aproximadamente 500.000 a 600.000 imagens, projetado no seu próprio théatre optique, sistema próximo do moderno projetor de filme, no Musée Grévin em Paris, França, em 04 de Outubro de 1892.

O primeiro desenho animado em um projetor de filmes moderno foi Fantasmagorie pelo diretor francês Émile Courtet (também chamado de Émile Cohl), projetado pela primeira vez em 17 de Agosto de 1908 no 'Théâtre du Gymnase', em Paris. Courtet foi para Fort Lee, NY próximo da cidade de Nova York em 1912, onde trabalhou para o estúdio francês Éclair e espalhou sua técnica pelos Estados Unidos.

O primeiro filme de longa-metragem animado foi El Apóstol (1917) do argentino Quirino Cristiani, mostrado na Argentina.

O segundo filme de animação foi As Aventuras do Príncipe Achmed (1926) da alemã Lotte Reiniger e o franco-húngaro Berthold Bartosch.

Animação nas Américas[editar | editar código-fonte]

História da Animação no Brasil[editar | editar código-fonte]

A história da animação no Brasil é relativamente recente. Na primeira metade do século XX foram produzidas algumas pequenas experiências em animação sem muita continuidade, como as realizadas por Eugênio Fonseca Filho.

Na década de 1950 o panorama começa a se alterar, o primeiro longa-metragem de animação feito no País foi Sinfonia Amazônica, produzido por Anélio Lattini Filho em 1953. Filmado em preto e branco, demorou 6 anos para ser concluído pois foi realizado unicamente por Anélio Lattini, sem a ajuda de nenhum outro desenhista. Durante os anos de 1960 a animação passa a ter presença regular na publicidade e surgem os primeiros profissionais da área.

Existem divergências sobre qual seria o primeiro longa-metragem colorido de animação produzido no país. Piconzé estreou nos cinemas em 1973, feito pelo japonês Ypê Nakashima (1926-1974), que imigrou para o Brasil em 1956 e trabalhou com animação publicitária. No Japão, Ypê Nakashima foi chargista e trabalhou em jornais como Mainichi Shimbun, Yomiuri Shimbun e Asahi Shimbun.

No Rio de Janeiro, em 1965 o desenhista Wilson Pinto animou e dirigiu o primeiro curta metragem em cores do Brasil, em parceria com Wanda Latini, irmã de Anélio Latini. Encomendado pela Petrobrás, "Um Rei Fabuloso" narrava a história do petróleo e foi exibido por décadas em escolas públicas de todo o país. Wilson Pinto continuou trabalhando com animação em publicidade como nas campanhas da ESSO, com a famosa Gotinha da Esso.

"Presente de Natal", produzido pelo amazonense Álvaro Henrique Gonçalves sem incentivo de qualquer empresa, governo ou assistentes. Álvaro começou a produzí-la em 1965, e o mais interessante é que, além de criar tudo sozinho, ele ainda construiu a máquina de projeção e sonorização. Álvaro finalizou o fotograma número 140.000 em 1971, levou a animação finalizada em 35mm a um produtor paulista e fracassou, voltou para Manaus onde foi exibido e teve grande repercussão no Brasil, que assim reconheceu o trabalho do artista, que também era advogado.[1]

O estúdio NBR Filmes, do animador Clóvis Vieira produziu o primeiro longa-metragem de animação produzido inteiramente em computação gráfica do Brasil, Cassiopéia, em 1996.


História da animação canadense[editar | editar código-fonte]

  • Primeiros trabalhos
  • Contribuição do departamento de animação do National Film Board of Canada
  • Primeiras produções comerciais
  • Contribuições de gravações de atores de voz Canadenses
  • Os anos 1980 - crescimento da maior companhia indígena

História da animação cubana[editar | editar código-fonte]

História da animação estadunidense[editar | editar código-fonte]

A Animação estadunidense é divida em períodos:

Cinema Mundo (Década de 1900 - Década de 1920)
Era de Ouro (Década de 1930 - Década de 1950)
  • A ascensão da Warner Bros. e da MGM
  • Fleischer Studios lança Betty Boop e Popeye
  • Branca de Neve e os Sete Anões marca o início da "Era de Ouro" na Disney.
  • 1938:. Chad Groskopf cria animação experimental de oito minutos Willie the Worm, citado como o primeiro filme de animação criado para a televisão.
  • A saída do realismo e o surgimento da United Productions of America (UPA)
Era da Televisão (Década de 1960 - Meados da década de 1980)
  • O aparecimento das séries animada para a televisão da Hanna-Barbera Productions
  • O declínio de animações para os cinemas
  • As tentativas de reviver filmes de animação na década de 1960
  • A ascensão de animação para adultos no início de 1970
  • A investida de desenhos animados comerciais na década de 1980
Era Moderna (Meados da década 1980 - atualmente)

Europa[editar | editar código-fonte]

História da animação francesa[editar | editar código-fonte]

O primeiro desenho animado (1908), e a maioria das técnicas de animação: (transformação) (1909), animação com fantoches e desenho animado colorido (1910), pixilation (1911), primeiras séries animadas (Le chien Flambeau, 1917).

História da animação italiana[editar | editar código-fonte]

História da animação portuguesa[editar | editar código-fonte]

História da animação russa[editar | editar código-fonte]

  • 1911-1913 Vladislav A. Starevitch (ou Ladislaw Starewicz) cria animação com volume.
  • Animação soviética [2].

História da animação na antiga Croacia[editar | editar código-fonte]

Ásia[editar | editar código-fonte]

História da animação chinesa[editar | editar código-fonte]

História da animação japonesa[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História dos animes

Cerca de 1915: Descoberto em Quioto em 2005, o primeiro filme de animação japonesa conhecida é Katsudō Shashin (Imagens em Movimento), que descreve um menino vestindo um uniforme de marinheiro executando uma saudação. O filme, sem data é considerado um dos primeiros exemplos de animação japonesa. [3]

Referências

  1. FERREIRA, Evaldo. O Primeiro Desenho Animado Colorido do Brasil. Revista Cinemin da Ebal, Rio de Janeiro, v. 18, p. 10- 11, set. 1985.
  2. Desenho animado russo: filosofia adulta para crianças
  3. «日本最古?明治時代のアニメフィルム、京都で発見» (em japonês). China People's Daily Online (Japanese Edition). 1 de agosto de 2005. Consultado em 5 de março de 2007.