Artur Mas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome globe current event.svg
Política é sobre um evento atual. A informação apresentada pode mudar rapidamente.
Editado pela última vez em 12 de janeiro de 2016.
Artur Mas
Mas a 9 de setembro de 2015
Presidente da Generalidade da Catalunha

Senyal de la Generalitat de Catalunya.svg

Período 27 de dezembro de 2010[1]
10 de janeiro de 2016
Vice-presidente Joana Ortega (2010-2015)
Neus Munté (2015-2016)
Antecessor(a) José Montilla
Sucessor(a) Carles Puigdemont
Presidente de CDC

Logo CDC 2015.png

Período 25 de março de 2012 – atualidade
Antecessor(a) Jordi Pujol
Conselheiro em Chefe do Governo da Catalunha

Senyal de la Generalitat de Catalunya.svg

Período 19 de janeiro de 200122 de dezembro de 2003
Presidente Jordi Pujol
Antecessor(a) Xavier Trias
(Presidência)
Sucessor(a) Josep-Lluís Carod-Rovira
Conselheiro de Economia e Finanças da Generalidade da Catalunha

Senyal de la Generalitat de Catalunya.svg

Período 30 de julho de 199719 de janeiro de 2001
Presidente Jordi Pujol
Antecessor(a) Macià Alavedra
Sucessor(a) Francesc Homs i Ferret
Conselheiro de Política Territorial e Obras Públicas da Generalidade da Catalunha

Senyal de la Generalitat de Catalunya.svg

Período 15 de junho de 199530 de julho de 1997
Presidente Jordi Pujol
Antecessor(a) Jaume Roma
Sucessor(a) Pere Macias
Deputado do Parlamento da Catalunha

Senyal de la Generalitat de Catalunya.svg

Período 28 de maio de 1995No cargo
Vereador do Ajuntamento de Barcelona

Escudo de Barcelona.svg

Período 10 de junho de 198728 de maio de 1995
Vida
Nascimento 31 de janeiro de 1956 (60 anos)
Barcelona, Espanha
Nacionalidade espanhola
Progenitores Mãe: Montserrat Gavarró[2]
Pai: Artur Mas Barnet[3]
Dados pessoais
Alma mater Universidade de Barcelona
Cônjuge Helena Rakosnik (1982)
Partido CDC (desde 1982)
CiU (desde 2015)
Religião Católico[4]
Profissão Economista, político
Assinatura Assinatura de Artur Mas

Artur Mas i Gavarró[nota 1] (Barcelona, 31 de janeiro de 1956) é um economista e político espanhol, de ideologia liberal, nacionalista e independentista catalã, presidente de Convergência Democrática da Catalunha (CDC). Foi o 129.º presidente da Generalidade da Catalunha (2010-2016),[5] [6] assim como presidente da federação de Convergência e União (CiU). Foi conselheiro de Política Territorial e Obras Públicas (1995-1997), de Economia e Finanças (1997-2001) e Conselheiro em Chefe (2001-2003) da Generalidade da Catalunha. De 2004 até 2010 exerceu o cargo de Chefe da Oposição no Parlamento da Catalunha.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Artur Mas nasceu em Barcelona a 31 de janeiro de 1956. Foi inscrito no registo civil como Arturo Mas,[7] nome que alterou no ano 2000.[7] [nota 2] É o mais velho de quatro irmãos, pertencente a uma família relacionada com a indústria têxtil de Sabadell e com a indústria metalúrgica do Poblenou, domina o catalão, espanhol, francês e inglês, estes últimos idiomas devido aos estudos cursados no Liceu Francês de Barcelona e na Aula Escuela Europea. Posteriormente licenciou-se em Ciências Económicas e Empresariais pela Universidade de Barcelona.

Trabalhou, até aos 26 anos, em diferentes empresas do setor privado e no ano 1982 entrou no setor público como colaborador no Departamento de Comércio, Consumo e Turismo da Generalidade da Catalunha na promoção exterior e na captação de investimento estrangeiro para a Catalunha. Também em 1982 ingressou na CDC.[9] Foi chefe do Serviço de Feiras e Diretor Geral de Promoção Comercial.

Artur Mas foi vereador do Ajuntamento de Barcelona (1987-1995) e é deputado no Parlamento da Catalunha desde 1995. Nesse mesmo ano foi nomeado conselheiro de Política Territorial e Obras Públicas do Governo de Jordi Pujol, cargo que ocupou até 1997, quando foi nomeado conselheiro de Economia e Finanças.

Conselheiro em Chefe (Conseller en Cap)[editar | editar código-fonte]

A 17 de janeiro de 2001 deixou a conselharia de Economia para ser conselheiro em chefe (Conseller en Cap) – equivalente ao atual cargo de Conselheiro-Primeiro (Conseller Primer) – da Generalidade da Catalunha, cargo do qual tomou posse no dia seguiente e que ocupou até 18 de dezembro de 2003, quando foi nomeado presidente da Generalidade o socialista Pasqual Maragall.

Durante a sua etapa de Conselheiro viu-se envolto nos casos de corrupção denominados de 3 %, em referência às comissões que cobrava o seu partido por adjudicações públicas.[10]

Nas eleições para o Parlamento da Catalunha de 16 de novembro de 2003 assumiu a candidatura da federação de Convergência e União que ficou em segundo lugar em número de votos atrás da candidatura do Partido dos Socialistas da Catalunha, liderada por Pasqual Maragall, embora a tenha superado em número de mandatos, devido ao sistema eleitoral existente na Catalunha. Na sequência destes resultados produziu-se a formação do governo catalão por parte do Partido dos Socialistas da Catalunha, Esquerda Republicana da Catalunha e Iniciativa pela Catalunha Verdes-Esquerda Alternativa, que alcançaram um acordo para formar governo sob a presidência de Pasqual Maragall, depois de mais de duas décadas ininterruptas de governos de Convergência e União.

Chefe da Oposição[editar | editar código-fonte]

A 27 de maio de 2004 passou a ser chefe da oposição da Catalunha após a constituição do denominado pacto tripartit que levou à Presidência da Generalidade, Pasqual Maragall (PSC).[11] [12]

Presidente da Generalidade da Catalunha[editar | editar código-fonte]

Primeiro mandato (2010-2012)[editar | editar código-fonte]

A 18 de janeiro de 2010 Artur Mas foi proclamado pela terceira vez consecutiva candidato de CiU à presidência da Generalidade para as eleições de 2010. A designação produziu-se num contexto em que todas as sondagens apontavam para um forte crescimento eleitoral da formação nacionalista.

A 28 de novembro de 2010, a sua formação obteve uma ampla vitória nas eleições para o Parlamento da Catalunha, com 46 % dos deputados da câmara (62 mandatos). Esta folgada vitória tornava evidente a ampla maioria parlamentar de CiU e o seu acesso ao Governo da Catalunha, assim como a eleição de Mas como presidente da Generalidade.

Havendo-se constituído o Parlamento, a 16 de dezembro de 2010, a presidente do Parlamento, Núria de Gispert, propôs-lo como candidato à presidência da Generalidade. No discurso de investidura de 20 de dezembro, Mas reivindicou um novo modelo de financiamento para a Catalunha como o grande repto para os próximos anos e logo proclamou a "transição nacional" da Catalunha baseada no direito a decidir.

Foi investido presidente da Generalidade da Catalunha, a 23 de dezembro de 2010, contando com os votos favoráveis do grupo parlamentar de Convergência e União (CiU), e a abstenção do grupo parlamentar do Partido dos Socialistas da Catalunha (PSC) numa segunda volta. Assumiu o cargo oficialmente a 27 de dezembro pela mão do seu antecessor José Montilla. No mesmo dia nomeou o seu Governo, que tomou posse a 29 de dezembro.

Em plena crise económica e de relação com o governo central, Mas estava à frente e com o apoio do partido CDC, inicia um viragem independentista a favor da autodeterminação da Catalunha.

A 25 de setembro de 2012, após uma massiva Diada à qual decidiu não participar,[13] convoca as eleições ao Parlamento da Catalunha de 2012 para 25 de novembro, dois anos antes do previsto, após a impossibilidade de conseguir um melhor cenário político, assim como um mais justo pacto fiscal para a Catalunha (ao não conseguir acordos na reunião em Madrid com o presidente do Governo Mariano Rajoy) e articula o seu programa eleitoral em redor do soberanismo.[14] [15] Finalmente, a perda de 12 mandatos da formação interpretou-se – desde alguns setores – como um fracasso da aposta de CiU para ser o guia do processo soberanista na Catalunha.[16]

Segundo mandato (2012-2016)[editar | editar código-fonte]

O Presidente da Generalidade da Catalunha Artur Mas e o Chefe da Oposição Oriol Junqueras, assinam o pacto de governabilidade 2012-2016 no dia 19 de dezembro de 2012.

As eleições, que elegeram o Parlamento da X legislatura, significaram para os candidatos de Convergência e União a perda de 90.489 votos. Apesar de ganhar as eleições, obteve 50 deputados em 135 totais, menos 12 do que anteriormente, numa eleição com uma participação inédita de 70% do eleitorado. Uma vez constituída a câmara catalã, a reeleita presidente do Parlamento, Núria de Gispert, propôs-lo de novo como candidato a presidir à Generalidade, a 18 de dezembro.

Foi investido pela segunda vez Presidente da Generalidade da Catalunha a 21 de dezembro de 2012 por 71 votos a favor (CiU e ERC) e 63 em contra (PSC, PP, ICV-EUiA, Cidadãos e CUP).[17] A 24 de dezembro tomou posse do cargo no Palácio da Generalidade da Catalunha.[18]

Os cortes e o limite do défice público impostos pelo governo espanhol[19] provocaram a prorrogação do orçamento para o ano de 2012.[20] Convocou a consulta sobre a independência para 9 de novembro de 2014[21] e a 25 de novembro propôs a criação de uma lista combinada de partidos políticos, sociedade civil e profissionais (especialistas reconhecidos) a favor do sim para as eleições[22] [23] que conduziu, em boa parte, ao anúncio de 14 de janeiro de 2015 de um acordo com ERC e outras entidades soberanistas de convocar eleições para 27 de setembro de 2015.[24] [25]

A 9 de janeiro de 2016, mediante um acordo de Juntos pelo Sim e de CUP, anunciou que seria substituído como presidente da Generalidade por Carles Puigdemont.[26] [27]

Abordagem pessoal em relação à Catalunha[editar | editar código-fonte]

Quando o Estatuto de Autonomia da Catalunha de 2006 passou pelo Congresso, reconheceu-se como nacionalista "tolerante e moderno" mas integrado no conjunto de Espanha. Embora, posteriormente, tenha dita que num hipotético referendo soberanista, votaria a favor.[28] Após sentença do Tribunal Constitucional em 2010 que declarou vários artigos do Estatuto inconstitucionais, declarou-se partidário do direito da Catalunha a decidir o seu futuro, que é, segundo as suas palavras, definitivamente "o direito de todo povo à autodeterminação".[29]

Cargos desempenhados[editar | editar código-fonte]

  • Vereador do Ajuntamento de Barcelona (1987-1995).[30]
  • Deputado provincial na Deputação de Barcelona (1991-1995).[31]
  • Deputado por Barcelona na V,[31] VI,[32] VII,[33] VIII,[34] IX[35] e na X[36] legislatura do Parlamento da Catalunha.
  • Conselheiro de Política Territorial e Obras Públicas. (1995-1997)
  • Conselheiro de Economia e Finanças. (1997-2001)
  • Secretário geral de CDC. (Desde 2000)
  • Conselheiro em Chefe (Conseller en Cap) da Generalidade da Catalunha. (2001-2003)
  • Presidente de CiU. (2001-2015)
  • Chefe da Oposição da Catalunha. (2004-2010)
  • Presidente da Generalidade da Catalunha. (2010-2016)
  • Presidente de CDC. (Desde 2012)

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. AFI[ərˈtur ˈmaz i ɣəβəˈro]
  2. Em 1956, o ordenamento jurídico franquista proibia registar nomes em idiomas regionais.[8]

Referências

  1. "Mas fía su Gobierno a la vieja guardia de Pujol y a cinco independientes" El País [S.l.] 28 de dezembro de 2010. 
  2. El Mundo (14 de marzo de 2012). "Fallece el padre de Artur Mas" [S.l.: s.n.] 
  3. El Mundo (14 de marzo de 2012). "Fallece el padre de Artur Mas" [S.l.: s.n.] 
  4. Nagel 2015, p. 206.
  5. "Mas, investido presidente com la abstenção do PSC" El País [S.l.] 23 de dezembro de 2010. 
  6. "Junts pel Sí e CUP ultimam o acordo de investidura". La Vanguardia. 9 de janeiro de 2016.  Parâmetro desconhecido |dataacceso= ignorado (|acessodata=) (Ajuda)
  7. a b Sastre, Daniel G. (2013). "Mas perde a aposta soberanista" (em espanhol). Barcelona (Espanha): El Mundo. Consult. 27 de janeiro de 2014. até ao ano 2000 (Artur Mas) não catalanizou o Arturo que figurava no seu DNI. 
  8. [1]
  9. "Artur Mas, a viajem do nacionalismo à independência do 'perseverante' Ulisses catalão". RTVE. 21 de agosto de 2015. 
  10. Casos de corrupção das adjudicações públicas.
  11. Decreto 296/2004, de 25 de maio, pelo qual se nomeia o Honorável Senhor Artur Mas i Gavarró chefe da oposição
  12. Decreto 35/2007, de 6 de fevreiro, pelo qual se nomeia o Honorável Senhor Artur Mas i Gavarró chefe da oposição
  13. "Artur Mas se suma al 'clamor' independentista de la marcha de la Diada". El Mundo. 10 de septiembre de 2012. Consult. 9 de julio de 2014. 
  14. "El independentismo de CIU marca el inicio de campaña". Europa Press. Consult. 2 de dezembro de 2012. 
  15. "CiU leva ao Parlamento a autodeterminação da Catalunha". Libertad Digital. 24 de setembro de 2012. Consult. 2 de dezembro de 2012. 
  16. "Os catalães castigam o plano de Mas". El País. 26 de setembro de 2012. Consult. 2 de dezembro de 2012. 
  17. ara.cat (: ). http://www.ara.cat/politica/MAS-INVESTIT-PRESIDENT-PARLAMENT-CIU-ERC_0_832716852.html. Consult. 21 dezembro 2012.  Parâmetro desconhecido |títol= ignorado (|titulo=) (Ajuda); Falta o |titulo= (Ajuda)
  18. gencat.cat (: ). http://www10.gencat.cat/gencat/AppJava/cat/actualitat2/2012/21224presadepossessidelpresidentdelageneralitatvideo.jsp. Consult. 26 dezembro 2012.  Parâmetro desconhecido |títol= ignorado (|titulo=) (Ajuda); Falta o |titulo= (Ajuda)
  19. Roger Mateos, Elena Freixa (22 janeiro 2013). "A Generalitat termina 2012 com um défice de 2,3% do PIB" Ara [S.l.] Consult. 4 julho 2014. 
  20. Generalidade da Catalunha, : (27/12/2013). "O Governo prorroga o orçamento da Generalidade para 2013 e reclama um objetivo de défice de 1,5%". 
  21. "Catalonia is following Scotland towards independence referendum in 2014" (em inglês). Consult. 13 junho 2013. 
  22. March, Oriol; Mateos, Roger (2014-11-25). "Mas ofereceu-se para liderar ou "fechar" uma lista para independência com personalidades civis" [S.l.: s.n.] ara.cat. 
  23. "O discurso integral de Artur Mas: 'Depois do 9N: Tempos de decidir, tempos de continuar'" [S.l.: s.n.] AraGirona.cat. 2014-11-25. 
  24. Predefinição:Ref-publicação
  25. [S.l.: s.n.] 14 de janeiro se 2014 http://www.ccma.cat/324/Mas-anuncia-eleccions-el-27-de-setembre-amb-llistes-diverses-i-full-de-ruta-compartit/noticia/2629440/.  Parâmetro desconhecido |publicació= ignorado (Ajuda); Falta o |titulo= (Ajuda); |capitulo= ignorado (Ajuda)
  26. VilaWeb (: ). "Juntos pelo Sim e CUP fecham um acordo para a duração do mandato da legislatura". Consult. 9 de janeiro de 2016. 
  27. Generalidade da Catalunha, : (9 de janeiro de 2016). "Presidente Mas: "Eu faço este serviço poque tenho presente o interesse do país acima de qualquer outro"". Consult. 9 de janeiro de 2016. 
  28. "Mas apoia o referendo independentista em Arenys". El País.com. 
  29. "Artur Mas procura a possibilidade de iniciar um novo caminho para a autodeterminação" 20 minutos [S.l.] 19 de julho de 2010. 
  30. Predefinição:Versalita, Ana (21 de agosto de 2015). "Artur Mas, el viaje del nacionalismo a la independencia del 'perseverante' Ulises catalán". RTVE. 
  31. a b Parlamento de Cataluña (: ). "VI legislatura (05/11/1999-23/09/2003) Càrrecs parlamentaris i biografies dels diputats i diputades. Composició dels grups parlamentaris" (PDF). p. 87. 
  32. Parlamento de Cataluña (: ). "Composició del Ple de la VI legislatura". 
  33. Parlamento de Cataluña (: ). "Composició del Ple de la VII legislatura". 
  34. Parlamento de Cataluña (: ). "Historial de la composició: Ple del Parlament (VIII Legislatura)". 
  35. Parlamento de Cataluña (: ). "Historial de la composició: Ple del Parlament (IX Legislatura)". 
  36. Parlamento de Cataluña (: ). "Historial de la composició: Ple del Parlament (X Legislatura)". 
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Artur Mas
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Artur Mas


Precedido por
Josep María Cullell
Logo CiU.png
Presidente de Grupo de CiU no
Ajuntamento de Barcelona

1993-1995
Sucedido por
Miquel Roca
Precedido por
Jaume Roma i Rodríguez
Seal of the Generalitat of Catalonia.svg
Conselheiro de Política Territorial e Obras Públicas
da Generalidade da Catalunha

1995-1997
Sucedido por
Pere Macias
Precedido por
Macià Alavedra
Seal of the Generalitat of Catalonia.svg
Conselheiro de Economia e Finanças
da Generalidade da Catalunha]]

1997-2001
Sucedido por
Francesc Homs i Ferret
Precedido por
Pere Esteve i Abad
Logocdc.jpg
Secretário geral de CDC

2000-2012
Sucedido por
Oriol Pujol
Precedido por
Xavier Trias
(Presidência)
Seal of the Generalitat of Catalonia.svg
Conselheiro em Chefe da Generalidade da Catalunha

2001-2003
Sucedido por
Josep-Lluís Carod-Rovira
Precedido por
Cargo inexistente
Seal of the Generalitat of Catalonia.svg
Chefe da oposição da Catalunha

2004-2010
Sucedido por
Joaquim Nadal
Precedido por
Jordi Pujol
Logo CiU.png
Presidente de CiU

2004-2015
Sucedido por
Dissolução da federação
Precedido por
José Montilla
Seal of the Generalitat of Catalonia.svg
Presidente da Generalidade da Catalunha

2010-2016
Sucedido por
Carles Puigdemont
Precedido por
Jordi Pujol
Logocdc.jpg
Presidente de CDC

2012-atualidade
Sucedido por
No cargo
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.