Mariano Rajoy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde julho de 2012).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mariano Rajoy
Mariano Rajoy em 2017
Presidente do Governo da Espanha Espanha
Período 21 de dezembro de 2011 - presente
Antecessor(a) José Luis Rodríguez Zapatero
Líder da Oposição
Período 17 de abril de 2004-21 de dezembro de 2011
Antecessor(a) José Luis Rodríguez Zapatero
Sucessor(a) Alfredo Pérez Rubalcaba
Dados pessoais
Nascimento 27 de março de 1955 (62 anos)
Santiago de Compostela
Primeira-dama Elvira Fernández Balboa (cas. 1996)
Partido Partido Popular (PP)
Religião Catolicismo
Profissão Político

Mariano Rajoy Brey (Santiago de Compostela, 27 de março de 1955) é um político espanhol, presidente do governo da Espanha.

Licenciado em Direito, é conservador do Registo Predial espanhol, carreira em que ingressou imediatamente após finalizar o curso, em 1978[1].

A partir de 1981 foi deputado na comunidade autónoma da Galiza, eleito pela Aliança Popular, movimento que estaria na génese do atual Partido Popular. Em 1983 foi eleito membro do Conselho Municipal da Câmara Municipal de Pontevedra. Em 1987 foi eleito vice-presidente Junta da Comunidade da Galiza[2].

Em 1989 foi eleito deputado nacional, numa altura em que passou também a fazer parte do Comité Executivo Nacional do recém-criado PP[3].

Foi ministro da Administração Pública do governo espanhol liderado por José María Aznar entre 1996 e 2003, vice-presidente do Governo (2000-2003), e presidente do Partido Popular (PP), principal partido na Espanha após as eleições de 20 de novembro de 2011.

Em fevereiro de 2001 deixou de ser ministro da Presidência para suceder na pasta do Interior a Jaime Mayor Oreja. Como responsável deste ministério, Rajoy conseguiu importantes conquistas na luta contra a organização terrorista ETA.

Rajoy cessou o cargo de ministro do Interior em julho de 2002 para assumir as tarefas de porta-voz do Governo e, de novo, ministro da Presidência. A partir de então teve de enfrentar as duas maiores crises do período 1996-2003: o desastre causado pelo afundamento do petroleiro Prestige e o apoio de Aznar a George W. Bush durante a invasão do Iraque de 2003. Porém, para os seus seguidores, Rajoy saiu aparentemente bem de ambos os problemas e o seu papel de "fontaneiro" da Moncloa foi decisivo para a sua nomeação como secretário-geral do PP e candidato a primeiro-ministro em 30 de agosto de 2003.

Foi candidato a presidente do governo da Espanha (equivalente a primeiro-ministro) nas eleições de março de 2004 e de março de 2008, tendo em ambas sido derrotado pelo PSOE liderado por José Luis Rodríguez Zapatero. Nas eleições de 20 de novembro de 2011 o partido liderado por Rajoy obteve mais de 10 800 000 votos e elegeu 186 deputados, conquistando a maioria absoluta e o melhor resultado de sempre do Partido Popular.[4]

De acordo com informação publicada nos jornais em 2013, Mariano Rajoy foi envolvido nun caso de corrupção por ter recebido envelopes com dinheiro sujo de Barcenas. [5]

Em 20 de dezembro de 2015 vence as eleições parlamentares mas sem maioria absoluta, conquistando o Partido Popular 123 dos 350 lugares do parlamento.[6]

Primeiros anos e educação[editar | editar código-fonte]

Nascido em 27 de março de 1955 em Santiago de Compostela,[7][8] Mariano Rajoy Brey é bisneto de Enrique Rajoy Leloup, um dos idealizadores do Estatuto de Autonomia de Galiza de 1932, que foi removido de sua cátedra universitária pelo governo ditatorial na década de 1950. Seu pai, Mariano Rajoy Sobredo, licenciado em Direito, seguiria a carreira de magistrado, mas também chegou a ser presidente da Província de Pontevedra.

Rajoy passou em Pontevedra a infância e parte da juventude. Quando o pai, Rajoy Sobredo foi colocado como juiz em León, a família passou a viver nesta cidade. Mariano Rajoy realizou os seus estudos no Colegio Discípulas de Jesús de León, no Colegio Sagrado Corazón de los Jesuitas de León — que frequentou durante cerca de dez anos, e por onde passaram também os seus irmãos Luis e Enrique — e, de regresso a Pontevedra, concluiu os estudos secundários numa escola pública dessa cidade[9].

Após concluir o ensino secundário, Rajoy ingressou na Universidade de Santiago de Compostela, onde terminou uma licenciatura em Direito.[10][11] Logo em seguida, foi aprovado no exame nacional espanhol e admitido no serviço público, tornando-se o mais jovem notário do país.[12]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Líder da Oposição (2008-2011)[editar | editar código-fonte]

Rajoy durante congresso do Partido Popular Europeu, 2006.

Em 11 de março de 2004, dias antes das eleições gerais daquele ano, Madrid foi alvo de ataques terroristas,[13][14] pelos quais o governo espanhol rapidamente responsabilizou a organização separatista Euskadi Ta Askatasuna (ETA).[13][15] O governo Aznar e líderes partidários insistiram no envolvimento do ETA nos ataques na capital espanhola e, em 13 de março, Rajoy admitiu concordar com a possibilidade de um envolvimento do grupo na autoria dos crimes.[13][16] O governo foi acusado pela imprensa internacional de tentar acusar o ETA visando uma maior vantagem eleitoral, até que o Grupo PRISA - conglomerado midiático de centro-esquerda - passou a divulgar indícios de que a Al-Qaida estaria por detrás dos ataques.[17][18]

Em 14 de março de 2004, o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), sob a liderança de José Luis Rodríguez Zapatero, venceu as eleições gerais espanholas com uma vantagem de 1,3 milhão de votos sobre o Partido Popular e garantiu 164 assentos no Congresso de Deputados; enquanto o Partido Popular obteve 148 assentos. No entanto, Rajoy foi eleito parlamentar pela Província de Madrid.[19]

Mariano Rajoy, quando das eleições legislativas espanholas de 2008, junto a Ángel Acebes.

Rajoy enfrentou um cenário crítico quando pressionado pelo então prefeito madrilenho Alberto Ruiz-Gallardón a apoiá-lo nas eleições gerais de 2008.[20] Gallardón representava um setor mais centrista dentro do mesmo partido, enquanto Rajoy, Ángel Acebes e Eduardo Zaplana eram considerados representantes da ala mais conservadora e mais alinhados às políticas de Aznar. Rajoy decidiu, por fim, deixar Gallardón de fora das eleições, uma ação que provocou uma preocupação sobre a alienação de potenciais eleitores do Partido Popular.[21][22] A tensão política interno do partido só seria dissolvida com a reeleição de Rajoy à liderança.[23][24]

Em 30 de janeiro, Rajoy recebeu apoio formal da Chanceler alemã Angela Merkel e do Presidente francês Nicolas Sarkozy mediante à corrida eleitoral.[25][26] O Partido Popular acabou derrotado nas urnas, o que não impediu Rajoy de permanecer como presidente de seu partido e subsequentemente como Líder da Oposição.[23]

Campanha eleitoral de 2011[editar | editar código-fonte]

Rajoy e José María Aznar no ato de encerramento da campanha, em novembro de 2011.

Em 22 de maio de 2011 ocorreram as eleições municipais e regionais em todas 13 comunidades autônomas espanholas. Nestes últimas, o Partido Popular obteve melhor resultado de sua história, com 37,53% de votos válidos e mais de 500 mil votos somados em 4 anos, além de superar o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE).[27] O período eleitoral foi marcado também pelo histórico cessar de operações da organização basca de luta armada Euskadi Ta Askatasuna (ETA).[28]

Em 7 de novembro, Rajoy participou do único debate televisionado entre os candidatos das principais correntes políticas do país; confrontando Alfredo Pérez Rubalcaba, do PSOE.[29][30] Por incluir constantemente a pauta econômica do país como principal foco de seu discurso, Rajoy foi considerado o melhor candidato do debate, realizado nas instalações da IFEMA em Madrid e organizado pela Academia de las Ciencias y las Artes de Televisión de España (ATV).[30]

Em 20 de novembro do mesmo ano, ocorreram as eleições parlamentares, nas quais o Partido Popular foi igualmente o mais votado ao receber mais de 10 milhões de votos (44,62 % dos votos) e garantir a maioria absoluta de 186 assentos no parlamento espanhol.[31] Com tal resultado, o partido voltou a possuir maioria absoluta pela primeira vez desde as eleições gerais de 2000, quando Aznar foi candidato pelo partido.[32]

Presidente do Governo (2011-presente)[editar | editar código-fonte]

Gabinete de governo de Mariano Rajoy, em 29 de dezembro de 2011.

Em novembro de 2011, o Partido Popular obteve sua mais ampla maioria desde a redemocratização espanhola, na década de 1970.[33] O partido garantiu 186 dos 450 assentos na Câmara de Deputados, a câmara baixa do parlamento espanhol. Em 21 de dezembro de 2011, seguindo a vitória de seu partido, Rajoy foi eleito o Presidente do Governo da Espanha pelo Congresso dos Deputados.[33]

Posse[editar | editar código-fonte]

Em 19 de dezembro de 2011, Rajoy realizou seu primeiro discurso perante o Congresso dos Deputados como candidato apoiado pela Coroa espanhola.[34] Na ocasião, afirmou que o país necessitava de um investimento de 16 bilhões de euros para alcançar o déficit de 4,4% em 2012 e que seu único aumento de gastos públicos seria no nivelamento de salários, prometendo também trabalhar para criar novos postos de trabalho a partir do primeiro trimestre de 2012.[35][36] Rajoy anunciou sua intenção em "reduzir o setor público" e o corte em feriados públicos como forma de evitar o prolongamento de folgas ao ano. Tais medidas seriam acompanhadas pela incorporação do uso de segundas-feiras como dias de feriados.[37]

Dois dias após o discurso, Rajoy foi eleito pelos congressistas com 187 votos a favor, 149 votos contrários e 14 abstenções, recebendo o apoio do Partido Popular e dos partidos Fórum de Cidadãos das Astúrias e União do Povo Navarro.[33][38][39] Em contrapartida, o Partido Socialista Operário Espanhol passou a liderar o grupo de oposição ao novo governo. Horas mais tarde, Rajoy foi empossado pelo Rei Juan Carlos no Palácio da Zarzuela na presença da Família real espanhola e outros dignatários.[40][41]

Crise financeira europeia[editar | editar código-fonte]

Em 20 de dezembro de 2011, Rajoy assumiu o governo da Espanha e foi empossado perante o Rei Juan Carlos.[41] Logo em seguida, o recém-formado gabinete de governo anunciou uma forte redução dos gastos públicos como medida para controlar o déficit orçamentário - que já superava os 8% do PIB e o limite acordado entre pelo governo anterior com a União Europeia - mantendo assim as políticas de ajuste de Zapatero e as chamadas "reformas estruturais", das quais a mais importante foi a reforma trabalhista arquitetada pela Ministra do Emprego Fátima Báñez e aprovada em fevereiro de 2012.[42] As reformas trabalhistas foram duramente criticadas pelo movimento sindicalista, que convocaram uma greve geral um mês após sua aprovação.[43] Em 25 de setembro de 2012, ocorreu uma grande manifestação popular conhecida como "Rodea el Congreso".[44] A manifestação em torno do edifício do Congresso dos Deputados, em Madrid, acabou em 64 feridos e 35 detidos.[45][46]

Manifestantes nas redondezas do Congresso dos Deputados durante a manifestação Rodea el Congreso, em setembro de 2012.

Visando reduzir o déficit, o governo não somente cortou os gastos públicos, como também planejou aumento de impostos, contrariando as promessas de campanha de Rajoy. Simultaneamente, decretou um aumento mínimo de 1% nos salários públicos, visando distanciar-se da medida de congelamento adotada pelo governo Zapatero em maio de 2010.

As políticas de ajuste tiveram um efeito negativo na atividade econômica, provocando uma segunda recessão dentro da crise econômica espanhola que acabou por durar mais tempo do que a primeira recessão de 2009. A segunda onda recessiva se estendeu desde o último trimestre de 2011 até ao segundo trimestre de 2013, levando ao aumento do desemprego de 1 milhão de pessoas desde a posse de Rajoy. De 5,2 milhões de desempregados em dezembro de 2011, a Espanha registrou o recorde histórico de 6,2 milhões de desempregados em março de 2013.

Em abril de 2012, o governo anunciou um corte adicional de gastos nas áreas de educação e saúde pública, somando mais de 10 milhões de euros. A medida contrariou representantes dos setores afetados. Em 26 de junho, o Ministério de Saúde lançou o programa de co-pagamento de saúde, no qual todos os cidadãos deveriam arcar com uma porcentagem dos medicamentos adquiridos por receita de centros medicinais públicos. Em 22 de maio de 2012, ocorreu a primeira greve do setor de educação na história do país. Somente três dias depois do início das manifestações, foi anunciada a necessidade de uma injeção de 100 milhões de euros nos bancos Bankia para evitar sua falência.

Apesar das políticas de reajuste financeiro e as reformas estruturais encabeçadas pelo governo desde a posse de Rajoy, a economia espanhola não conseguiu impedir o aumento do prêmio de risco, que superou os 600 pontos básicos em julho de 2012. O nível, acima do título alemão, basicamente impossibilitaria a negociação da dívida espanhola nos mercados estrangeiros.

Crise de soberania catalã (2012-2013)[editar | editar código-fonte]

Em paralelo à crise financeira, o governo Rajoy teve de lidar com a questão do levante de soberania catalã de 2012. O crescimento do movimento que reivindica uma independência da Catalunha cresceu fortemente desde a emissão de um parecer do Tribunal Constitucional em 2006, que levou a uma grande manifestação contrária em 9 de julho de 2010. Dois semanas depois das manifestações em setembro de 2012, o Parlamento da Catalunha aprovou uma resolução estabelecendo a realização de um plebiscito sobre o futuro político e democrático da região. Como resposta, o presidente da Generalidade da Catalunha, Artur Mas, adiantou as eleições regionais, anteriormente previstas para 2014. Apesr da derrota do partido Convergência e União, os movimentos soberanistas Esquerra Republicana e Iniciativa per Cataluña ampliaram seus membros no parlamento regional.

Em 23 de janeiro de 2013, o parlamento catalão aprovou a "Declaração de Soberania e o Direito de Decidir do Povo Catalão", cujo artigo primeiro anulava as decisões do Tribunal Constitucional a partir de então. Em 11 de setembro do mesmo ano, uma grande multidão de manifestantes elaborou um protesto que se estendeu por toda a região, chamado Vía Catalana hacia la Independencia. Em janeiro de 2014, o parlamento catalão aprovou uma moção pela qual solicitou o Congresso de Deputados a realização de um referendo. A petição foi recusada pela câmara baixa nacional.

Crise política (2012-2015)[editar | editar código-fonte]

Rajoy discursa durante reunião regional do Partido Popular em Valencia, 2013.

A chegada ao poder do Partido Popular não melhorou a visão popular sobre a questão política espanhola, ao contrário das expectativas de Rajoy. Segundo dados do Centro de Investigaciones Sociológicas (CIS) de novembro de 2012, cerca de 30% da população espanhola estaria satisfeita ou de acordo com o governo presente.[47] As estimativas foram as mais baixas já registradas pelo Partido Popular quando no governo, sendo que nas pesquisas de 2003 recebeu mais de 60% de aprovação popular.[48] Em decorrência, grande parte das instituições públicas sofreram uma degradação do valor perante a opinião pública, como os partidos políticos, o governo, o parlamento espanhol, os movimentos sindicais e organizações empresariais. Em 6 de novembro de 2014, o CIS publicou uma nota em que Rajoy havia superado o recorde de impopularidade de Rodríguez Zapatero ao obter uma pontuação média de 2,3.[49]

A crise política foi agravada com a chegada das eleições parlamentares europeias, realizadas em 25 de maio de 2014, nas quais o Partido Popular e o PSOE não conseguiram superar mais de 50% dos votos pela primeira vez desde a redemocratização do país.[50] Entretanto, os partidos de menor expressão - como IU, UPyD e C‘ - conseguiram maior representatividade no Parlamento Europeu pela Espanha.[51][52] As eleições também foram marcadas pela ascensão do partido social-democrata Podemos, que obteve mais de 8% dos votos.[53][54]

No dia seguinte às eleições, o Secretário-geral do PSOE Alfredo Pérez Rubalcaba convocou um congresso extraordinário partidário a ser realizado em julho do mesmo ano para anunciar sua desistência em concorrer por uma reeleição. Nas primárias do partido, Pedro Sánchez foi eleito o novo secretário-geral.

Em 2 de junho de 2014, o Rei Juan Carlos anunciou publicamente sua abdicação após mais de 39 anos de reinado.[55][56] A decisão havia sido tomada cinco meses antes, em seu aniversário em 5 de janeiro, e comunicada à Presidência do Governo em 31 de março.[57] No mesmo dia do pronunciamento de Juan Carlos, ocorreram diversas manifestações públicas exigindo a convocação de um referendo sobre a futura forma de governo do país.[58] Tal reivindicação voltou a ocorrer no debate no Congresso de Deputados em 11 de junho, quando foi votada a Lei Orgânica sobre a Abdicação, aprovada por 299 deputados do Partido Popular, PSOE e outros.[59][60] Em 18 de junho do mesmo ano, Juan Carlos assinou os termos da lei no que foi considerado o último ato público de seu extenso reinado, e no dia seguinte, Felipe VI foi proclamado o novo monarca espanhola pelas Cortes Gerais.[61]

Caso Bárcenas[editar | editar código-fonte]

Protestos em frente à sede do Partido Popular, em Madrid, após a divulgação do 'Caso Bárcenas' pelo jornal El País, em 1 de fevereiro de 2013.

Em 30 de janeiro de 2013, o jornal El País publicou uma série de documentos referentes aos orçamentos do Partido Popular entre 1999 e 2009.[62][63][64] De acordo com os documentos "Bárcenas" (como ficaram conhecidos), Mariano Rajoy e María Dolores de Cospedal havia recebido pagamentos ilícitos do antigo tesoureiro do partido, Luis Bárcenas;[65] ainda segundo os dados divulgados pelo jornal, Bárcenas e seu antecessor, Álvaro Lapuerta, negociaram doações expressivas de empresários e construtoras privadas, entre as quais diversas acusadas de envolvimento no anterior "Caso Gürtel".[66] Tais gastos incluiriam, além de despesar próprias do partido, pagamentos a membros das demais lideranças partidárias durante períodos em que tal processo não seria válido. As contas particulares de Bárcenas demonstram pagamentos de 25 mil euros a Rajoy durante 11 anos ininterruptos, além de pequenas somas destinadas a questões não conclusivas, definidas apenas como "Ternos de Mariano", "gravatas de Mariano" ou ainda "ternos de M.R.".[67] Dolores de Cospedal, Secretária-geral do Partido Popular, também é citada nos pagamentos, assim como diversos outros líderes do partido, como os antigos ministros Javier Arenas, Jaime Mayor Oreja e Francisco Álvarez-Cascos.[68][69][70]

María Dolores de Cospedal, secretária-geral do Partido Popular desde 2008, é a segunda principal acusada no "Caso Bárcenas".

Em 7 de fevereiro, apenas uma semana após a divulgação dos documentos, mais de 1 milhão de pessoas assinaram uma petição pública lançada pela organização Change.org, pedindo a renúncia imediata de Rajoy.

Em 8 de julho, o jornal de centro-direita El Mundo, tradicional apoiador do Partido Popular, publicou uma extensa entrevista com Luis Bárcenas realizada dias antes de sua prisão em 27 de junho, na qual o antigo tesoureiro revelou que o Partido Popular havia sido financiado irregularmente por mais de 20 anos. No dia seguinte, o mesmo jornal publicou os originais dos documentos de Bárcenas que refletiram pagamentos extras a Rajoy em 1997, 1998 e 1999, quando era ministro no gabinete de Aznar. Tais pagamentos violaram o Ato de Incompatibilidades de 1995. Em 14 de julho, o El Mundo publicou outras diversas mensagens de texto entre Rajoy e Bárcenas, a última delas datada do início de 2013, após a descoberta das contas bancárias de Bárcenas na Suíça. Em tais mensagens, Rajoy expressa seu apoio a Bárcenas.

Eleições gerais de 2015[editar | editar código-fonte]

Mariano Rajoy vota durante as eleições gerais de 2015.

Em 20 de dezembro de 2015, a Espanha realizou suas 12ª eleições gerais desde a restauração do regime democrático e as primeiras eleições ocorridas durante o reinado de Felipe VI. Na corrida eleitoral, o Partido Popular foi o mais bem-sucedido ao obter a maior quantidade de votos e garantir 123 assentos no Congresso de Deputados. Apesar disto, o partido liderado por Rajoy perdeu 63 assentos no parlamento em comparação às eleições anteriores, ocorridas em 2011.[71][72]

Em 22 de janeiro de 2016, a Casa Real Espanhola emitiu um comunicado sobre a oferta pessoal do rei Felipe VI para que Rajoy concorresse nas eleições a Presidente do Governo. No entanto, Rajoy recusou a oferta por não conseguir apoio suficiente em seu partido e no parlamento, o que dificultaria seus atos de governo.[73][74] Foi a primeira vez na história do país em que um candidato desistiu das eleições para tal cargo a convite do monarca.[75]

O então Ministro da Indústria José Manuel Soria acompanha o Rei Felipe VI e demais autoridades em visita a Málaga, 2016.

Em 2 de fevereiro, o Secretário-geral do PSOE e candidato à Presidência do Governo, Pedro Sánchez, aceitou a recomendação de Felipe VI para formar um governo e submeter-se ao processo de investidura no cargo.[76] Na cerimônia de condução ao cargo, Sánchez submeteu-se a duas votações; a serem realizadas nos dias 2 e 5 de março. Na primeira, contou com votos de seus partidários e membros do movimento Ciudadanos. Na segunda, obteve o mesmo resultado com apenas um voto a mais da Coalición Canaria.

Em abril de 2016, o jornal El Mundo divulgou denúncias sobre o envolvimento do Ministro da Indústria e Turismo José Manuel Soria com empresas offshore em Jersey e Bahamas entre 1993 e 2002.[77][78] Apesar de inicialmente negar seu envolvimento em operações clandestinas, Soria, citado no Panama Papers, apresentou formalmente seu pedido de renúncia do cargo em 15 de abril.[79][80] Contudo, segundo a constituição espanhola, o governo já em exercício não pode nomear ou destituir cargos ministeriais.[81][82]

Diante da grave crise institucional e política e da dificuldade em formular um novo parlamento com base nas últimas eleições, em 3 de maio de 2016, a Casa Real dissolveu as Cortes Gerais e convocou novas eleições parlamentares.[83]

Eleições gerais de 2016[editar | editar código-fonte]

Rajoy acompanhado da família durante as eleições municipais e regionais de 2015.

Nas eleições gerais de 26 de junho de 2016,[84] o Partido Popular recebeu 39,14% dos votos e assegurou 137 assentos no Congresso dos Deputados (14 a mais com relação às eleições anteriores).[85] Com tal resultado, o partido manteve a maioria absoluta no Senado, voltando a ser a força política com maior número de votos e o único partido com melhora de resultado.[86][87][88] Após uma série de reuniões com a Casa Real, Mariano Rajoy aceitou oficialmente o convite de formar um governo.[89][90][91]

Em 9 de agosto, Albert Rivera anunciou estar disposto a negociar o apoio do partido Ciudadanos à investidura de Rajoy e em troca seu partido endossaria seis medidas contra a corrupção propostas pelo CiU.[92] Dias após, Rajoy aceitou as condições e deu início às negociações.[93] Ana Pastor Julián, Presidente do Congresso dos Deputados, anunciou que o processo de formação do novo governo teria início em 30 de agosto.[94]

Dois dias antes da data prevista, membros dos dois partidos assinaram um pacto de investidura contendo 150 medidas de governo a serem tomadas por Rajoy após a formação de seu gabinete executivo.[95] Ao acordo, uniu-se a corrente Coalición Canaria, exigindo 15 medidas adicionais ao governo. Entretanto, Sánchez manteve sua decisão em votar contra a posse de Rajoy.[96]

Entre os dias 9 e 10 de julho, o Presidente estadunidense Barack Obama visitou a Espanha marcando 15 anos da visita oficial de seu antecessor George W. Bush.[97][98][99] Ao chegar em Madrid, Obama foi recebido pelo Rei Felipe VI no Palácio Real e, posteriormente, por Mariano Rajoy no Palácio da Moncloa.[100][101][102] O cronograma da visita foi reduzido em decorrência do assassinato de cinco policiais em Dallas, no dia 7 de julho.[103][104]

Prêmios e honrarias[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Biografias y vidas
  2. Biografias y vidas
  3. Biografias y vidas
  4. «Elecciones generales 2011 - resultados». Consultado em 21 de novembro de 2011 
  5. «Los papeles de Bárcenas». Consultado em 14 de fevereiro de 2013 
  6. ElMundo.es. «RESULTADOS ELECCIONES GENERALES 2015Escrutinio España tumba el bipartidismo y deja en el aire el gobierno». 20-12-2015. Consultado em 21 de dezembro de 2105  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  7. «Marianito, el niño que llegó a ser presidente». ABC Español. 24 de novembro de 2011 
  8. «Spanish choose new leader». BBC News. 2 de setembro de 2003 
  9. Biografias y vidas
  10. «Guest Speaker Mariano Rajoy Brey Stronger Together». The Business Year. Fevereiro de 2014 
  11. «Não dou Rajoy por morto, se unir o partido». O Estado de S. Paulo. 5 de fevereiro de 2013 
  12. Buck, Tom; Barber, Lionel (13 de janeiro de 2013). «Spanish PM insists his reform programme will begin to bear fruit this year». Financial Times 
  13. a b c «ETA comete el atentado más sangriento de su historia». ABC Español. 11 de março de 2004 
  14. «Spain Train Bombings Fast Facts». CNN. 11 de abril de 2013 
  15. «Gobierno no descarta que grupos islámicos estén detrás de la masacre de Madrid». El Mundo. 11 de março de 2004 
  16. «Ahora sería bueno que hubiera un gobierno con mayoría absoluta». El Mundo. 13 de março de 2004 
  17. «The Afermath: Madrid admits bombs were the work of Islamists». The Independent 
  18. «Sentencia por los atentados del 11-M». El País. 31 de outubro de 2007 
  19. «Election Resources on the Internet: Elections to the Spanish Congress of Deputies – Results Lookup» 
  20. «Gallardón: 'No me puedes hacer esto'». El País. 17 de janeiro de 2008 
  21. Crawford, Leslie (17 de janeiro de 2008). «Madrid mayor barred by own party». Financial Times 
  22. «Gallardón renunciará a la política tras ser excluido por Rajoy de las listas del 9-M». El Mundo. 15 de janeiro de 2008 
  23. a b «Rajoy cierra la crisis del PP al ser reelegido presidente y colocar a Dolores Cespedal como secretária». La Hemeroteca del Buitre. 22 de junho de 2008 
  24. «Man 'who used to be next leader' tries again». The Guardian. 26 de fevereiro de 2008 
  25. «Sarkozy y Merkel desean de "todo corazón" el triunfo de Mariano Rajoy». El Imparcial. 30 de janeiro de 2008 
  26. «Video: Sarkozy y Merkel le desean "un gran éxito" a Rajoy». El País. 30 de janeiro de 2008 
  27. «La España real fulmina al PSOE y exige generales ya». ABC Español. 23 de maio de 2011 
  28. «Adiós a la lucha armada: A un mes de las elecciones generales». El Mundo. 20 de outubro de 2011 
  29. Sierra, Javier (2012). «Planteamientos sobre los efectos de los debates electorales en televisión: aplicación al caso español» (PDF). XXII World Congress of Political Science 
  30. a b Garrido, António. «¿Por qué ganó Mariano Rajoy el debate electoral?» (PDF). ás Poder Local. Revista de Comunicación Política 
  31. «El PP se lleva por delante del PSOE». El Mundo. 20 de novembro de 2011 
  32. {«Rajoy supera hasta la marca de Aznar». El País. 20 de novembro de 2011 
  33. a b c «Mariano Rajoy: Spain's Prime-Minister Elected». The Daily Beast. 27 de novembro de 2011 
  34. Tremlett, Giles (20 de novembro de 2011). «Spanish election: convincing victory for People's party». The Guardian 
  35. Gotev, George (21 de novembro de 2011). «Rajoy promises sweat and tears after election win». EURACTIV 
  36. «Rajoy anuncia recortes 'en todo' salvo en pensiones». El Mundo. 19 de dezembro de 2011 
  37. «Discurso de Mariano Rajoy en la sesión de investidura como presidente del Gobierno». Palacio de la Moncloa. 19 de dezembro de 2011 
  38. «Rajoy, presidente con 187 'síes', el 'no' de CiU y la abstención de Amaiur». El País. 20 de dezembro de 2011 
  39. «Rajoy, investido presidente con 187 votos». Público. 20 de dezembro de 2011 
  40. Yanel, Agustín (20 de dezembro de 2011). «Mariano Rajoy, investido presidente». El Mundo 
  41. a b «Mariano Rajoy jura su cargo ante al Rey». Palacio de la Moncloa - Gobierno de España. 21 de dezembro de 2011 
  42. García de Cortázar y González Vesga, 2012, p. 717-718.
  43. «Siete huelgas en democracia han protestado en las calles contra las medidas laborales y el paro». 20Minutos. 25 de setembro de 2012 
  44. «Huelga general». 20Minutos. 25 de setembro de 2012 
  45. «La protesta del 25-S en el Congreso acaba con cargas, 64 heridos y 35 detenidos». El País. 26 de setembro de 2012 
  46. «La prensa mundial mira a Madrid». El País. 26 de setembro de 2012 
  47. Sánchez-Cuenca, 2014, pp. 65-66.
  48. Sánchez-Cuenca, 2014, pp. 66-68.
  49. «Rajoy pulveriza el récord de impopularidad de Rodríguez Zapatero». Libertad Digital. 6 de novembro de 2014 
  50. «Results of the 2014 European elections» 
  51. «Acuerdo de la Junta Electoral Central, por el que se procede a la publicación de los resultados de las elecciones de Diputados al Parlamento Europeo». Boletín Oficial del Estado. 12 de junho de 2014 
  52. «The Podemos revolution: how a small group of radical academics changed european politics». The Guardian. 31 de março de 2015 
  53. «22-25 M. Elecciones Europeas». El País. 26 de maio de 2014 
  54. «Podemos hopes to cement rise of citizen politics in Spain after election». The Guardian. 27 de maio de 2014 
  55. «Juan Carlos of Sapin to abdicate». CNN. 2 de junho de 2014 
  56. «Spain's King Juan Carlos to abdicate». The Guardian. 2 de junho de 2014 
  57. «La retirada del rey cansado». El País. 2 de junho de 2014 
  58. «La mayoría desea decidir sobre la Monarquía». El País. 7 de junho de 2014 
  59. «El Congreso da luz verda a Felipe VI». El País. 11 de junho de 2014 
  60. «Ley Orgánica 3/2014, de 18 de junio, por la que se hace efectiva la abdicación de Su Majestad el Rey Don Juan Carlos I de Borbón» (PDF). Boletín Oficial del Estado. 18 de junho de 2014 
  61. «Spain king: Juan Carlos signs his abdication». BBC News. 18 de junho de 2014 
  62. «Rajoy's party scandal in Spain». BBC News. 30 de janeiro de 2013 
  63. «Las cuentas secretas de Bárcenas». El País. 30 de janeiro de 2013 
  64. «Los dirigentes del PP negaron conocer la existencia de una contabilidad B». El País. 30 de janeiro de 2013 
  65. «Bárcenas controlled PP accounts until 2011, court papers show». El País. 4 de novembro de 2013 
  66. «Rosalia Iglesias, la mujer de Luis Bárcenas». Vanity Fair. 7 de março de 2013 
  67. Medina, Juan (23 de novembro de 2015). «Anotações da mulher de Bárcenas implicam Rajoy na corrupação do PP». Diário de Notícias 
  68. «The newspaper El País publishes documents from the People's Party former treasurer Bárcenas that set out payments to the leadership of the People´s Party». El Periódico. 30 de janeiro de 2013 
  69. «Bárcenas». El País. 30 de janeiro de 2013 
  70. «Rajoy e los papeles Bárcenas». El Comercio. 3 de fevereiro de 2013 
  71. «España tumba en el bipartidarismo y deja en el aire el gobierno». El Mundo. 20 de dezembro de 2015 
  72. «El PP tambien sufre en sus bastiones». El País. 20 de dezembro de 2015 
  73. «Mariano Rajoy Refuses King's Request To Form A New Spanish Government». The Spain Report. 22 de janeiro de 2016 
  74. «Mariano Rajoy recusa formar governo». TVI24. 22 de janeiro de 2016 
  75. «Rajoy evita la investidura tras el órdago de Iglesias a Sanchez». El Mundo. 22 de janeiro de 2016 
  76. «El Rey propone a Pedro Sánchez como candidato a ser investido presidente del Gobierno». La Vanguardia. 2 de abril de 2016 
  77. «Spanish minister resigns in row over alleged offshore links». The Guardian. 15 de abril de 2016 
  78. «Ministro espanhol renuncia por supostos negócios em empresa offshore». Reuters. 15 de abril de 2016 
  79. «José Manuel Soria presenta su renuncia como ministro de Industria». El Mundo. 15 de abril de 2016 
  80. «Industry Minister resigns over Panama Papers». El País. 15 de abril de 2016 
  81. «Gobierno en funciones: Lo que puede y lo que no puede hacer». El Mundo. 8 de fevereiro de 2016 
  82. «El ministro no puede dimitir ni ser destituido». El Mundo. 14 de abril de 2016 
  83. «El Rey disuelve las Cortes por primera vez en democracia». El Mundo. 3 de maio de 2016 
  84. «Candidaturas proclamadas para las elecciones al Congreso de los Diputados y al Senado, convocadas por Real Decreto 184/2016, de 3 de mayo» (PDF). Boletín Oficial del Estado. 31 de maio de 2016 
  85. «26J/Elecciones Generales 2016». Público 
  86. «Resultados Elecciones: El PP se refuerza y el bloque de la izquierda se debilita». El País. 26 de junho de 2016 
  87. «Los españoles dan otra oportunidad a Mariano Rajoy». El Mundo. 26 de junho de 2016 
  88. «El PP arraza e neutraliza el 'efecto Carmena' en la capital'». El Mundo. 27 de junho de 2016 
  89. «Mariano Rajoy reelected as Spain's Prime Minister». The Telegraph. 30 de outubro de 2016 
  90. «Spanish elections: Mariano Rajoy struggles to build coalition of People's Party». The Guardian. 27 de junho de 2016 
  91. Rainsford, Sarah (27 de junho de 2016). «Spain election: Can Rajoy make new election victory count?». BBC News 
  92. Mateo, Juan José (9 de agosto de 2016). «Rivera pone seis condiciones al PP para negociar el 'sí' a la investidura de Rajoy». El País 
  93. Junquera, Natalia; Mateo, Juan José (18 de agosto de 2016). «Rajoy acepta las siete exigencias de Rivera». El País 
  94. «Rajoy irá a la investidura el 30 de agosto». El Mundo. 18 de agosto de 2016 
  95. Junquera, Natalia (28 de agosto de 2016). «Rajoy y Rivera incluyen en su pacto 100 medidas para atraer a Sánchez». El País 
  96. «El PP suma a Coalición Canaria a la presión para que Sánchez desbloquee». El País. 29 de agosto de 2016 
  97. «Travels of the President». Casa Branca 
  98. «Press Conference By President Obama After NATO Summit». Casa Branca. 9 de julho de 2016 
  99. «Obama to pay visit to Spain in July». ABC News. 6 de junho de 2016 
  100. «Obama felicita a Rajoy por su progreso económico español». ABC Español. 11 de julho de 2016 
  101. «Obama inicia con un encuentro con el Rey en su breve visita a España». El País. 9 de julho de 2016 
  102. «Obama, con Felipe VI: 'La primera vez que vine a Madrid no lo hice con el Air Force One, sino con mochila». El Mundo. 9 de julho de 2016 
  103. «Obama plans trip to Dallas after cutting short travel in Spain». Bloomberg. 8 de julho de 2016 
  104. «Obama to cut European trip to visit Dallas next week». Economic Times. 9 de julho de 2016 
  105. «Apoya Rajoy guerra anticrimen; pide a empresarios mexicanos invertir en España». Proceso. 18 de abril de 2012 
  106. «Ollanta Humala a Mariano Rajoy: 'Perú y España tienen lazos indestrutibles». La República. 24 de janeiro de 2013 
  107. «Nikolić odlikovao Verana Matića». B92. 14 de fevereiro de 2013 
  108. «Casa Real» 
  109. «El Faro de Vigo» 
Precedido por
José Luis Rodríguez Zapatero
Líder da Oposição Espanhola
2004 - 2011
Sucedido por
Alfredo Pérez Rubalcaba
Precedido por
José Luis Rodríguez Zapatero
Presidente do Governo de Espanha
2011 - presente
Sucedido por
Incumbente
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Mariano Rajoy
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.