As Viagens de Gulliver

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
As Viagens de Gulliver, quadro de Richard Redgrave, no Victoria and Albert Museum, Londres.

A narrativa inicia-se com o naufrágio do navio onde Gulliver seguia. Após o naufrágio ele foi arrastado para uma ilha chamada Lilliput. Os habitantes desta ilha, que eram extremamente pequenos, estavam constantemente em guerra por futilidades. Foi através dos lilliputianos que Swift demonstrou a realidade inglesa e francesa da época.

Na segunda parte, Gulliver conheceu Brobdingnag. Em contraposição a Liliput, na terra de Gigantes é que Gulliver percebe a Dimensão da mediocridade da sociedade inglesa diante da "grandeza" dos habitantes.

Já na terceira parte Na ilha Flutuante de Laputa, Swift criticou a Royal Society, a administração inglesa na Irlanda e a imortalidade, através da descrição dos habitantes dos países por onde Gulliver passou, com alienados cientistas, é uma feroz crítica ao pensamento cientifico que não traz benefícios para a humanidade.

Na última viagem Gulliver encontrou os Houyhnhm, uma raça de cavalos que possuía muita inteligência, que representavam os ideais iluministas da verdade e da razão. Os Houyhnhm temiam que alguém dos yahoos (uma raça imperfeita de um tipo de "humanos" que respondiam suas perguntas e tirava todas suas duvidas) movidas por instintos primitivos, se tornasse culto, satirizando a raça humana. Gulliver vê a humanidade como yahoos e toma nojo do ser humano. A última viagem é para a terra dos Houyhnhnms e dos Yahoos. Nessa terra, os inteligentes são os Houyhnhnms, criaturas semelhantes a cavalos, e os incultos são os yahoos, criaturas semelhantes a seres humanos. Gulliver aprende sobre as características dos Houyhnhnms: criaturas que vivem pelo bem estar comum de toda a espécie e que não sabem mentir. De longe, o país que mais agradou ao narrador.

Por fim Gulliver regressou a Inglaterra para ensinar aos outros as virtudes que aprendera com os Houyhnhm.

Adaptações[editar | editar código-fonte]

Música[editar | editar código-fonte]

  • O compositor alemão Georg Philipp Telemann fez uma suíte n º Violinos, um "Gulliver Suite." Os Cinco Primeiros Movimentos São "Intrada", "Chaconne da liliputianos", "Gigue da Brobdingnagians", "Daydreams da Laputians e flappers que lhes estão associadas", e "Loure dos Houyhnhnms bem-educados e dança selvagem do indomável Yahoos . "Telemann compos ESSE suíte in 1728, apenas do Dois Anos apos uma Publicação do Livro. Recentemente, Uma version Eclética dessa suíte FOI Composta e gravada (2008) Pelo músico e Produtor italiano Andrea Ascolini
  • Uma das banda de funk popular No More Reis 'canções mais populares, "Leaving Lilliput", é uma releitura da primeira viagem de Gulliver.
  • Na 'Sereno, um álbum da cantora pop espanhol Miguel Bosé, ele tem uma música em referência a Gulliver intitulado' Gullever.
  • Banda britânica Psychedelic Folk A Banda Lua Amarela 's estréia (2009) álbum foi intitulado " viaja para várias nações remotas do mundo" em um referência ao livro de Swift eo mix abrangente e eclética de sons e influências no álbum. A banda do guitarrista Rudy Carroll também comentou que ele vivia em uma casa chamada "Lilliput", quando ele era criança.

Filme, Televisão e Rádio[editar | editar código-fonte]

Gulliver's Travels foi adpatado várias vezes para filmes, televisão e rádio:

  • Gulliver's Travels (1992): Série de televisão animada.
  • Albhutha Dweepu (2005): Um filme malasiano baseado nas viagens de Gulliver, estrelando Prithviraj and Mallika Kapoor.

Quadrinhos[editar | editar código-fonte]

  • O desenhista italiano Milo Manara publicou uma paródia erótica intitulada Guillivera em 1996.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Imagens e media no Commons

Texto online[editar | editar código-fonte]

Filmes[editar | editar código-fonte]