Balat

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Turquia Balat  
—  Bairro (semt ou mahallele)  —
O Musevi Hastanesi (Hospital Judeu), oficialmente chamado Hospital Or-Ahayim, em Balat
O Musevi Hastanesi (Hospital Judeu), oficialmente chamado Hospital Or-Ahayim, em Balat
Balat está localizado em: Istambul
Balat
Localização de Balat em Istambul
Coordenadas 41° 01' 58" N 28° 56' 44" E
Cidade Istambul
Distrito Fatih

Balat é um bairro histórico de Istambul, Turquia, que faz parte do distrito de Fatih. Está situado na zona noroeste da margem sul do Corno de Ouro, a seguir ao bairro de Fener para quem vem do Bósforo (Eminönü). É um bairro tradicionalmente habitado por judeus (outros bairros que tradicionalmente tinham forte presença judaica são os de Hasköy, no distrito de Beyoğlu, em frente de Balat, no outro lado do Corno de Ouro, e o de Kuzguncuk, no distrito de Üsküdar, no lado oriental asiático do Bósforo).

Apesar de atualmente já quase não haver judeus no bairro, ainda existem pelo menos duas sinagogas recentemente restauradas, a de Ahrida e a de Yanbol. No passado existiram em Balat dezenas de sinagogas.[1]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome do bairro deriva provavelmente do termo grego para palácio (palation) ou do latim palatium, o qual está relacionado com a proximidade do importante palácio bizantino de Blaquerna.[nt 1]

História[editar | editar código-fonte]

A presença de judeus na zona remonta ao período bizantino, quando ali existia uma comunidade de romaniotes (judeus gregos). Havia também uma pequena minoria de arménios.[2] No final do século XV muitos dos judeus ibéricos (sefarditas) que fugiram das perseguições da Inquisição para o Império Otomano fixaram-se em Balat, tornando-se largamente maioritários no bairro. Os judeus ibéricos levaram para o Império Otomano uma série de avanços tecnológicos e em Balat desenvolveram atividades como medicina, relojoaria, fabrico de munições e outras indústrias bélicas. Foi em Balat que surgiram as primeiras tipografias da Turquia.[1]

O terramoto de 1894 e uma série de incêndios, os quais afetaram a generalidade de Istambul, provocaram uma grande mudança no panorama social de Balat — as famílias mais ricas mudaram-se para Gálata, no outro lado do Bósforo, onde se situam atualmente algumas das mais importantes instituições judias de Istambul, como o Grande Rabinato (em turco: Hahambaşılığı; em hebraico: חכם באשי; transl.: Hakham Bachi) e algumas sinagogas importantes.[2]

Após a fundação de Israel em 1947, cerca de um quarto dos judeus do bairro emigraram para esse país, ao mesmo tempo que se assistiu a uma vaga de imigrantes vindos da região do Mar Negro, principalmente da província de Kastamonu, o que provocou que os judeus ficassem em minoria no bairro. A partir da década de 1960, à medida que a situação económica dos judeus de Balat melhorou, estes começaram a transferir-se para o bairro mais moderno de Şişli, acima de Beyoğlu e da Praça Taksim.[2] Atualmente a maioria dos habitantes de Balat tem as suas origens na província de Kastamonu (cerca de 60% segundo algumas estimativas) e nas províncias de Siirt e Diyarbakır, estas últimas situadas na Região do Sudeste da Anatólia, no chamado Curdistão turco.[3]

Reabilitação[editar | editar código-fonte]

Entre 2003 e 2007, juntamente com o bairro vizinho de Fener, Balat beneficiou de um programa de reabilitação urbana com um valor total de 7 milhões de euros cofinanciado pela União Europeia, promovido pela municipalidade de Fatih e cuja implementação foi entregue a um consórcio liderado pela agência de desenvolvimento de Barcelona (Espanha) "Foment Ciutat Vella, SA" e participado pela "IMC Consulting", do Reino Unido, a "GRET" de França e a instituição turca "Support of Women’s Work "(FSWW; "Apoio ao Trabalho das Mulheres"). O programa foi precedido de um estudo levado a cabo pela Comunidade Europeia, municipalidade de Fatih, Instituto Francês de Estudos Anatólios e UNESCO em 1977-1998. Na sequência desse estudo, a UNESCO restaurou um edifício para alojar um gabinete de património, que oferecia serviços de aconselhamento à comunidade, uma obra cofinanciada pelo governo francês, o Fundo de Património Mundial e pela municipalidade de Fatih.[2]

O programa ajudou a melhorar as condições de quase ruína de uma parte considerável do bairro que entretanto se tornou um dos mais pobres do centro histórico, para o que contribuiu a transferência da indústria naval do Corno de Ouro para Tuzla e do círculo vicioso resultante do facto do bairro ser procurado por famílias de baixos rendimentos devido às baixas rendas, as quais não são suficientes para custear as despesas de manutenção e ainda menos as despesas de reabilitação.[2]

Notas

  1. Trecho baseado no artigo «Balat (Istanbul)» na Wikipédia em inglês (acessado nesta versão).

Referências

  1. a b Campbell, Verity; Brosnahan, Tom (2002). Lonely Planet Istanbul (em inglês) 3ª ed. [S.l.: s.n.] p. 129. 256 páginas. ISBN 1-74059-044-9 
  2. a b c d e «District History». www.fenerbalat.org (em inglês). Rehabilitation of Fener and Balat Districts Programme. Consultado em 5 de agosto de 2011. Cópia arquivada em 23 de abril de 2009 
  3. Isar, Yudhishthir Raj; Anheier, Helmut K. (abril de 2011). Cultures and Globalization: Heritage, Memory and Identity (em inglês). [S.l.]: SAGE Publications. p. 232. 440 páginas. ISBN 9780857023902. Consultado em 5 de agosto de 2011  Verifique data em: |ano= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Balat
  • «History». www.balathastanesi.com.tr (em inglês). Site oficial do Musevi Hastanesi (Hospital Judeu) em Balat. Consultado em 5 de agosto de 2011