Boteco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Boteco ou botequim é um pequeno estabelecimento comercial onde se vendem bebidas e pequenos lanches no Brasil.[1] Em Portugal, o termo utilizado para descrever os estabelecimentos comerciais similares são tasca, tasquinha ou taberna.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Ilustração de um grupo de clientes numa mesa de boteco

"Boteco" é uma derivação regressiva de "botequim", que provém de "botiquim", diminutivo de "botica" no tempo em que esta palavra era utilizada para descrever uma loja, em vez de farmácia, como acontece atualmente no Brasil.[2] A palavra "Botica" deriva do grego apothéke, que significa "depósito", "casa de bebidas" ou "loja em que se vendiam gêneros a retalho".[3]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, os botecos ou botequins ficaram tradicionalmente conhecidos como um lugar que servia e ainda hoje serve como ponto de encontro entre boêmios, providenciando no seu estabelecimento a venda de várias bebidas e petiscos baratos. Em várias cidades brasileiras, os botecos mais simples e que carecem de boas condições sanitárias, são chamados de "copo-sujo" ou "pé-sujo", além dos diminutivos "botequim" e "butiquim".

Petiscos servidos num boteco brasileiro (pão, queijo, fiambre e linguiça)

Em Belo Horizonte, cidade nacionalmente conhecida como a "capital nacional do boteco", existem cerca de 12000 estabelecimentos, mais bares per capita do que qualquer outra cidade do mundo.[4] O Mercado Central de Belo Horizonte aglomera vários exemplos dos tradicionais botecos da capital mineira, com famosos tira-gostos.[5]

Comidas típicas[editar | editar código-fonte]

Petiscos servidos numa tasca portuguesa na Califórnia (batatas fritas, presunto, pão, feijão verde cozido, pastéis de bacalhau e chanfana)

Inspirados na cozinha europeia, com especial influência pela gastronomia portuguesa, espanhola, inglesa e italiana, é possível encontrar entre muitos outros aperitivos ou tira-gostos, os seguintes:

Bebidas típicas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 279.
  2. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 279.
  3. Dicionário Brasileiro da língua portuguesa: Encyclopaedia Britannica do Brasil, 7ªEd., 1982
  4. - Reportagem do New York Times sobre os botecos belorizontinos
  5. - Endereços dos botecos do tradicional Mercado Central de Belo Horizonte

Ligações externas[editar | editar código-fonte]