Bryan Caplan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bryan Caplan
Nascimento 8 de abril de 1971 (48 anos)
Northridge
Cidadania Estados Unidos
Alma mater Universidade de Princeton, Universidade da Califórnia em Berkeley
Ocupação economista, professor universitário
Empregador Universidade George Mason
Religião ateísmo
Página oficial
http://bcaplan.com/

Bryan Caplan (Northridge, 8 de abril de 1971) é um economista estadunidense. Ele atua como professor de economia na Universidade George Mason, pesquisador do Mercatus Center, acadêmico adjunto do Instituto Cato e colaborador frequente do Freakonomics, além de publicar em seu próprio blog, o EconLog. Ele é um libertário econômico auto-descrito.[1][2] A maior parte da obra acadêmica de Caplan está na economia comportamental e pública, especialmente na teoria da escolha pública.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Caplan detém um B.A. em economia pela Universidade da Califórnia em Berkeley (1993) e um Ph.D. na mesma área pela Universidade de Princeton (1997).[4] Sua tese é intitulada "Três ensaios sobre a economia comportamental do governo". Em sua vida pessoal, Caplan é casado com Corina Caplan e tem quatro filhos, atualmente reside em Oakton, Virgínia.[5][6]

Obras[editar | editar código-fonte]

The Myth of the Rational Voter[editar | editar código-fonte]

The Myth of the Rational Voter: Why Democracies Choose Bad Policies, publicado em 2007, desenvolve ainda mais o conceito de "irracionalidade racional" da escrita acadêmica anterior de Caplan. Ele se baseia fortemente na Pesquisa de Americanos e Economistas sobre a economia ao argumentar que os eleitores têm sistematicamente preconceitos sobre muitos tópicos econômicos importantes. Caplan escreve que a irracionalidade racional é uma explicação para o fracasso da democracia.[7] O livro foi revisado na imprensa popular, incluindo The Wall Street Journal,[8] The New York Times,[9] e The New Yorker,[10] bem como em publicações acadêmicas como o Journal of Libertarian Studies,[11] Public Choice,[12] Libertarian Papers,[13] e The Independent Review.[14] Recebeu uma crítica depreciativa de Rupert Read, contribuinte do European Review.[15]

Selfish Reasons to Have More Kids[editar | editar código-fonte]

Em 2011, Caplan publicou o livro Selfish Reasons to Have More Kids argumentando que as pessoas muitas vezes enfrentam dificuldades na criação dos filhos e, como resultado, limitam-se a não ter mais filhos. O livro de Caplan tenta estimular os pais a relaxar em relação à criação dos filhos e argumenta que, como os custos percebidos (em termos de despesas e esforços) de ter filhos caíram, fazia sentido ter mais filhos com base na teoria básica de oferta e demanda.[16] O livro foi revisado no The Wall Street Journal.[17] O livro também foi revisado pelo The Guardian,[18] RealClearMarkets,[19] e pelo Washington Times.[20] O livro também o levou à debates patrocinados pelo The Wall Street Journal e The Guardian.[21][22] Este último fez com que Caplan debatesse com Amy Chua, a "Tiger Mom", sobre os méritos do estilo parental rígido.[22] O livro também foi destaque em uma reportagem na Rádio Pública Nacional.[23] O livro foi descrito pela Kirkus Reviews como "Inconsistente e pouco convincente".[24]

Visões[editar | editar código-fonte]

Fronteiras abertas[editar | editar código-fonte]

Caplan foi citado como um dos principais proponentes das fronteiras abertas em artigos do The Atlantic e Vox.[25][26] Ele também foi citado em outras publicações sobre imigração de imprensa como Huffington Post e Time.[27][28] Na edição de inverno de 2012 do periódico Cato Journal, Caplan publicou um artigo intitulado "Por que deveríamos restringir a imigração?", no qual ele defende a abertura moral e econômica ao abordar várias objeções à sua posição com soluções práticas.[29]

Caplan e o cartunista Zach Weinersmith estão trabalhando no romance gráfico "Open Borders: The Science and Ethics of Immigration", que deve ser lançado no segundo semestre de 2019.[30]

Anarcocapitalismo[editar | editar código-fonte]

As visões de anarcocapitalismo de Caplan foram discutidas por Brian Doherty em seu livro Radicals for Capitalism e na revista Reason.[31] Uma crítica frequente a Caplan é uma afirmação de que ele se envolveu no negacionismo histórico afirmando que os anarcocapitalistas têm uma reivindicação melhor sobre a história do pensamento anarquista do que os anarquistas de esquerda tradicionais.[32][33] Apesar disso, Caplan criticou um dos exemplos mais notáveis de uma sociedade inspirada no anarquismo, a Catalunha revolucionária durante a Guerra Civil Espanhola, em um ensaio intitulado "The Anarcho-Statists of Spain."[34]

Referências

  1. Block, Walter (2010). I Chose Liberty: Autobiographies of Contemporary Libertarians. [S.l.]: Ludwig von Mises Institute. p. 429. ISBN 9781610162708 :73
  2. Hatlestad, Luc (19 de agosto de 2016). «Is Anarchy the Solution to Our Political Problems?» (em inglês). 5280. Consultado em 29 de setembro de 2016. Arquivado do original em 27 de setembro de 2016 
  3. Menand, Louis (9 de julho de 2007). «Fractured Franchise». The New Yorker (em inglês). Consultado em 29 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 2 de abril de 2015 
  4. «Bryan Caplan». econfaculty.gmu.edu (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2018. Cópia arquivada em 16 de abril de 2017 
  5. Rich, Motoko (16 de abril de 2011). «Who Really Cares How Yuppies Raise Their Kids?». The New York Times (em inglês). Consultado em 29 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 11 de maio de 2019 
  6. http://freakonomics.com/podcast/new-freakonomics-radio-podcast-the-economists-guide-to-parenting/
  7. Block, Walter (25 de dezembro de 2011). «Review of "The Myth of the Rational Voter"». Psychology Today. Sussex. Consultado em 29 de setembro de 2016 
  8. Casse, Daniel (10 de julho de 2007). «Casting a Ballot With A Certain Cast of Mind». The Wall Street Journal (em inglês). Consultado em 29 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 30 de julho de 2018 
  9. Bass, Gary J. (27 de maio de 2007). «Clueless». The New York Times (em inglês). Consultado em 29 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 26 de setembro de 2018 
  10. Menand, Louis (9 de julho de 2007). «Fractured Franchise: Are the wrong people voting?». The New Yorker (em inglês). Consultado em 29 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 29 de janeiro de 2013 
  11. Block, Walter. «The Myth of the Rational Voter (book review)» (PDF) (em inglês). Journal of Libertarian Studies, Vol. 22 (2011), Page 689-718. Consultado em 29 de setembro de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 20 de agosto de 2016 
  12. Lomasky, Loren (junho de 2008). «Swing and a myth: a review of Caplan's The Myth of the Rational Voter». Public Choice (em inglês). 135 (3–4): 469–484. doi:10.1007/s11127-007-9273-7. Consultado em 29 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 31 de julho de 2018 
  13. Farrand, Stuart (2010). «Critique of Caplan's The Myth of the Rational Voter» (PDF) (em inglês). Libertarian Papers, Vol. 2, Article No. 28. Consultado em 29 de setembro de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 31 de julho de 2018 
  14. Callahan, Gene (inverno de 2009). «The Myth of the Rational Voter: Why Democracies Choose Bad Policies (book review)» (em inglês). The Independent Review. Consultado em 29 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 31 de julho de 2018 
  15. Read, Rupert (14 de dezembro de 2010). «Economist-kings? A Critical Notice on Caplan, The Myth of the Rational Voter: Why Democracies Choose Bad Policies». Periódico da Universidade de Cambridge. European Review (em inglês). 19 (1): 119–129. doi:10.1017/S1062798710000426. Cópia arquivada em 31 de julho de 2018 
  16. Davis, Tanika (15 de outubro de 2015). «Are parents making parenting harder than it has to be?» (em inglês). Baltimore Sun. Consultado em 29 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 11 de maio de 2019 
  17. Last, Jonathan (16 de abril de 2011). «Go Ahead, Have Another». The Wall Street Journal (em inglês). Consultado em 29 de setembro de 2013 
  18. McVeigh, Tracy (15 de maio de 2011). «Parenting guru Bryan Caplan prescribes less fuss – and more fun». The Guardian (em inglês). Consultado em 29 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 11 de maio de 2019 
  19. Tamny, John (4 de agosto de 2011). «Book Review: Bryan Caplan's Selfish Reasons To Have More Kids» (em inglês). RealClearMarkets. Consultado em 29 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2013 
  20. Russell, Nicole (4 de maio de 2011). «Go and Multiply, Without Guilt». Washington Times (em inglês). Consultado em 29 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 29 de setembro de 2013 
  21. «Live Chat: Should You Have More Kids?». The Guardian (em inglês). 14 de abril de 2011. Consultado em 20 de junho de 2015. Cópia arquivada em 18 de setembro de 2013 
  22. a b Saner, Emine (11 de junho de 2011). «Is strict parenting better for children?». The Guardian (em inglês). Consultado em 18 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 18 de setembro de 2013 
  23. Inskeep, Steve; David Greene; Renee Montagne (22 de abril de 2011). «'Selfish Reasons' For Parents To Enjoy Having Kids» (em inglês). National Public Radio. Consultado em 29 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 29 de setembro de 2013 
  24. «Selfish Reasons to Have More Kids by Bryan Caplan». Kirkus Reviews (em inglês). 1 de março de 2011. Cópia arquivada em 11 de maio de 2019 
  25. Raviv, Shaun (26 de abril de 2013). «If People Could Immigrate Anywhere, Would Poverty Be Eliminated?». The Atlantic (em inglês). Consultado em 27 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 7 de maio de 2019 
  26. Matthews, Dylan (15 de dezembro de 2014). «The case for open borders» (em inglês). Vox. Consultado em 14 de abril de 2018. Cópia arquivada em 8 de maio de 2019 
  27. Roberson, Steve (8 de março de 2013). «Immigrants – The Once, and Future, Story of Jobs» (em inglês). Huffington Post. Consultado em 28 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 2 de outubro de 2016 
  28. Matthews, Chris (30 de janeiro de 2013). «The Economics of Immigration: Who Wins, Who Loses and Why» (em inglês). Time. Consultado em 28 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 24 de março de 2019 
  29. Caplan, Bryan (2012). «Why Should We Restrict Immigration?» (PDF) (em inglês). Cato Journal, Vol. 32, Article No. 1 (inverno 2012). Cópia arquivada (PDF) em 2 de abril de 2019 
  30. Foxe, Steve (21 de março de 2019). «Cover Reveal: Open Borders: The Science and Ethics of Immigration» (em inglês). Paste. Cópia arquivada em 30 de março de 2019 
  31. Doherty, Brian (3 de abril de 2013). «Anarcho-Capitalism: So Crazy, It Just Might Work!» (em inglês). Hit and Run (Reason). Consultado em 28 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 28 de abril de 2019 
  32. «Replies to Some Errors and Distortions in Bryan Caplan's "Anarchist Theory FAQ" version 5.2» (em inglês). Spunk Library. Consultado em 28 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 22 de novembro de 2018 
  33. «Appendix : Anarchism and "anarcho"-capitalism» (PDF) (em inglês). Arquivado do original (PDF) em 2 de julho de 2013 
  34. Caplan, Bryan. «The Anarcho-Statists of Spain». Econ Faculty (em inglês). GMU. Consultado em 13 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 14 de maio de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Bryan Caplan