Caiabu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Município de Caiabu
Bandeira de Caiabu
Brasão de Caiabu
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 30 de dezembro
Fundação 30 de setembro de 1953 (65 anos)
Gentílico caiabuense [1]
Prefeito(a) Dario Marques Pinheiro (PSDB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Caiabu
Localização de Caiabu em São Paulo
Caiabu está localizado em: Brasil
Caiabu
Localização de Caiabu no Brasil
22° 00' 43" S 51° 14' 09" O22° 00' 43" S 51° 14' 09" O
Unidade federativa São Paulo
Mesorregião Presidente Prudente IBGE/2008 [2]
Microrregião Presidente Prudente IBGE/2008 [2]
Municípios limítrofes Presidente Prudente, Mariápolis, Martinópolis, Indiana, Regente Feijó
Distância até a capital 559 km
Características geográficas
Área 251,949 km² [3]
Distritos Iubatinga, Graminha, Esperança Do Oeste
População 4 072 hab. Censo IBGE/2010[4]
Densidade 16,16 hab./km²
Altitude 520 m
Clima Tropical Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,779 alto PNUD/2000 [5]
PIB R$ 32 481,773 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 7 864,84 IBGE/2008[6]

Caiabu é um município brasileiro do estado de São Paulo. Localiza-se a uma latitude 22º00'44" sul e a uma longitude 51º14'08" oeste, estando a uma altitude de 520 metros. Sua população estimada em 2004 era de 4.191 habitantes. Possui uma área de 251,90 km². O município é formado pela sede e pelos distritos de Boa Esperança d'Oeste e Iubatinga[7][8].

História[editar | editar código-fonte]

Iniciou-se em 1935 o povoamento do local, quando Henrique Pedro Ferreira, proveniente de Indiana, estabeleceu-se em terras do Município de Regente Feijó, pelos lados do Rio do Peixe.

O plantio de Algodão e outras culturas, acabou por atrair o interesse de novos colonizadores, acabaram formando o povoado de Santo Antonio.

Em 1944, o patrimônio passou a Distrito de Paz, então com o nome de Caiabu.

Elevado a categoria de Município, pela Lei estadual nº14334, de 1953, desmebrando-se do Município de Regente Feijó. Constituindo-se de três distritos : Caiabu, Esperança d'Oeste( depois Boa Esperança d'Oeste) e Iubatinga.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2000

População Total: 4.077

  • Urbana: 3.115
  • Rural: 962
  • Homens: 2.086
  • Mulheres: 1.991

Densidade demográfica (hab./km²): 16,18

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 7,97

Expectativa de vida (anos): 76,14

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,20

Taxa de Alfabetização: 83,64%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,779

  • IDH-M Renda: 0,646
  • IDH-M Longevidade: 0,852
  • IDH-M Educação: 0,839

(Fonte: IPEADATA)

Comunicações[editar | editar código-fonte]

A cidade era atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP)[9], que construiu a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica[10], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[11] para suas operações de telefonia fixa.

Referências

  1. «Caiabu»  IBGE Cidades
  2. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  3. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  4. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  6. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  7. «Municípios e Distritos do Estado de São Paulo» (PDF). IGC - Instituto Geográfico e Cartográfico 
  8. «Divisão Territorial do Brasil». IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 
  9. «Área de atuação da Telesp em São Paulo». Página Oficial da Telesp (arquivada) 
  10. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  11. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1