Rato-do-cacau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Callistomys pictus)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Como ler uma infocaixa de taxonomiaCallistomys pictus
Taxocaixa sem imagem
Estado de conservação
Espécie em perigo
Em perigo (IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Rodentia
Família: Echimyidae
Subfamília: Echimyinae
Género: Callistomys
Emmons & Vucetich, 1998
Espécie: C. pictus
Nome binomial
Callistomys pictus
(Pictet, 1841)
Sinónimos
Isothrix picta (Pictet, 1841)

Echimys pictus (Pictet, 1841)

O rato-do-cacau (nome cientifico: Callistomys pictus), conhecido também como saruê-beju, é uma espécie de roedor da família Echimydae que é endêmica do Brasil, mais precisamente da Mata Atlântica do estado da Bahia. Seus registros estão restritos a Ilhéus, Itabuna, Barro Preto e Elísio Medrado.[1]

Identificação[editar | editar código-fonte]

C. pictus é um rato branco, com uma touca preta brilhante, ocasionalmente confundido com o porco-espinho anão peludo. Possui uma pelagem longa, densa e grossa, porém não espinhoso, como em alguns outros membros de sua família (Echimyidae). Tem um tamanho relativamente grande para um rato com um comprimento de 30 cm.[carece de fontes?]

Filogenia[editar | editar código-fonte]

O rato-do-cacau já pertenceu a diferentes gêneros: Nelomys, Loncheres oe Isothrix.[2] Entretanto, análises de caracteres de DNA e proteínas mostraram que o gênero Callistomys é o grupo irmão do gênero Myocastor. Por sua vez, estes dois táxons compartilham afinidades evolutivas com outros gêneros de Myocastorini: Proechimys e Hoplomys (ratos-blindados) de um lado, e Thrichomys de outro.[3]

Habitat[editar | editar código-fonte]

O rato-do-cacau é um roedor encontrado em troncos ocos e ocasionalmente em bromélias nos fragmentos de florestas do sul da Bahia e em cabrucas.[4]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Vaz, Sergio Maia (Setembro, 2002). «Sobre a ocorrência de Callistomys pictus (Pictet) (Rodentia, Echimyidae)». Revista Brasileira de Zoologia. 19 (3): 631–635. ISSN 0101-8175. doi:10.1590/S0101-81752002000300001 
  2. Patton, James L.; Pardiñas, Ulyses F. J.; D’Elía, Guillermo (9 de março de 2015). Mammals of South America, Volume 2: Rodents (em inglês). [S.l.]: University of Chicago Press. ISBN 9780226169606 
  3. Loss, Ana; Moura, Raquel T; Leite, Yuri L. R (2014). «Unexpected phylogenetic relationships of the painted tree rat Callistomys pictus (Rodentia:Echimyidae)» (PDF). Natureza on line. 12: 132-136. Consultado em 21 de junho de 2018 
  4. «Rato-do-cacau (Callistomys pictus) :: Agricultura e Ambiente». www.agriculturaeambiente.com.br. Consultado em 17 de maio de 2018 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • WOODS, C. A.; KILPATRICK, C. W. Infraorder Hystricognathi. In: WILSON, D. E.; REEDER, D. M. (Eds.). Mammal Species of the World: A Taxonomic and Geographic Reference. 3. ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2005. v. 2, p. 1538-1600.
  • MOURA, R.; FARIA, D. 2008. Callistomys pictus. In: IUCN 2008. 2008 IUCN Red List of Threatened Species. <www.iucnredlist.org>. Acessado em 16 de novembro de 2008.
  • 100 Animais ameaçados de extinção no Brasil. Ediouro Publicações S.A.
Ícone de esboço Este artigo sobre roedores, integrado ao WikiProjeto Mamíferos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Rato-do-cacau