Camila Brait

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Camila Brait
vice-campeã olímpica
Brait durante o Grand Prix de 2012.
Voleibol
Nome completo Camila de Paula Brait
Modalidade Voleibol indoor
Nascimento 28 de outubro de 1988 (33 anos)
Frutal, MG
Nacionalidade brasileira
Compleição Peso: 58 kg • Altura: 1,68 m
Clube Brasil Osasco
Medalhas
Competidora do Brasil
Jogos Olímpicos
Prata Tóquio 2020 Equipe
Campeonatos Mundiais
Prata Japão 2010 Equipe
Bronze Itália 2014 Equipe
Grand Prix
Ouro Tóquio 2009 Equipe
Ouro Sapporo 2013 Equipe
Ouro Tóquio 2014 Equipe
Ouro Bangkok 2016 Equipe
Prata Ningbo 2010 Equipe
Prata Ningbo 2012 Equipe
Liga das Nações
Prata Rimini 2021 Equipe
Copa dos Campeões
Ouro Japão 2013 Equipe
Prata Japão 2009 Equipe
Jogos Pan-Americanos
Prata Toronto 2015 Equipe
Competidora de Osasco
Campeonatos Mundiais
Ouro Doha 2012 Equipe
Prata Doha 2010 Equipe
Prata Zurique 2014 Equipe
Bronze Doha 2011 Equipe
Torneio Top Volley
Ouro Basileia 2014 Equipe
Campeonato Sul-Americano
Ouro Lima 2009 Equipe
Ouro Lima 2010 Equipe
Ouro Osasco 2011 Equipe
Ouro Osasco 2012 Equipe
Prata Osasco 2014 Equipe
Prata Osasco 2015 Equipe

Camila de Paula Brait (Frutal, 28 de outubro de 1988) é uma jogadora de voleibol brasileira.[1] Ela atua na posição de líbero. Defende o time do Osasco. Também faz parte da Seleção Brasileira.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Foi revelada no União Recreativa Sacramentana, em Minas Gerais. [2] Jogou ainda pelo Sesi de Uberlândia e Praia Clube.[3] Estava no São Caetano antes de chegar ao Osasco, em 2008.[4]

Camila já se destacava pelas categorias de base da seleção brasileira. Fez parte da campanha campeã do Mundial Juvenil de 2007.[3]

Na seleção adulta, Camila disputou o Campeonato Mundial de 2010, realizado no Japão, no qual a Seleção Brasileira terminou na segunda colocação.[1] Esteve presente no ciclo dos Jogos Olímpicos de Verão de 2012, em Londres, mas acabou cortada.[5]

No Osasco, participou do Campeonato Mundial de Clubes de 2012, em Doha, no Catar. A equipe sagrou-se campeã, e a jogadora foi eleita a melhor líbero.[6]

Ainda na seleção, participou do Campeonato Mundial de 2014, na Itália. A campanha terminou em terceiro lugar. [7]

Fez parte de todo o ciclo para os Jogos Olímpicos de 2016, mas acabou cortada novamente pelo técnico José Roberto Guimarães.[8] Na época, a jogadora anunciou a sua aposentadoria da Seleção Brasileira.[9]

Camila Brait seguiu sua carreira no Osasco. Na temporada de 2018-19, terminou na terceira posição na Superliga e foi premiada como a melhor líbero da edição.[10]

Em 2019, Camila Brait retornou à seleção brasileira. Ela havia recusado uma convocação para a Liga das Nações daquele ano, mas aceitou o convite para disputar a Copa do Mundo e o Campeonato Sul-Americano do mesmo ano.[11]

Camila apareceu na lista de convocadas para a Liga das Nações de 2021.[12] A equipe brasileira chegou até a final, perdendo para os Estados Unidos.[13] Após a disputa, a líbero apareceu na lista de convocadas para os Jogos Olímpicos de Verão de 2020, realizados em 2021 em Tóquio, no Japão.[14]

Trajetória em clubes[editar | editar código-fonte]

Clube De A
Brasil URS/Sacramento[2] 1997-1998 2003-2004
Brasil SESI/Uberlândia[3] 2005-2006 2005-2006
Brasil Praia Clube[3] 2006-2007 2006-2007
Brasil São Caetano[3] 2007-2008 2007-2008
Brasil Osasco Voleibol Clube[4] 2008-2009


Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Camila é casada com o economista Caio Conca desde abril de 2013. Em novembro de 2017, deu à luz sua primeira filha, Alice. [15]

Premiações individuais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «BRA / Brazil - Team Composition» (em inglês). FIVB. Consultado em 21 de novembro de 2010 
  2. a b «Tradicional projeto de vôlei feminino inicia seletiva em Sacramento, no Triângulo Sul». static.agenciaminas.mg.gov.br. Consultado em 7 de agosto de 2021 
  3. a b c d e Uberaba, Por GLOBOESPORTE COM; MG. «Camila Brait, líbero da seleção e do Osasco, visita os pais em Uberaba». globoesporte.com. Consultado em 7 de agosto de 2021 
  4. a b «Camila Brait e Bárbara Bruch reforçam Finasa». Presskit: ZDL. Consultado em 7 de agosto de 2021 
  5. Londres, Por Rodrigo Alves Direto de. «Recuperada, Natália fica com a última vaga no vôlei, e Camila Brait é cortada». globoesporte.com. Consultado em 7 de agosto de 2021 
  6. «Osasco sobra em quadra e conquista título inédito no Mundial de Clubes». globoesporte.com. Consultado em 8 de agosto de 2021 
  7. Camila Brait esquece 3º lugar no Mundial: "vida que segue", consultado em 7 de agosto de 2021 
  8. «Corte de Camila Brait abala desde jogadoras até marido de convocada». Lance!. Consultado em 7 de agosto de 2021 
  9. Janeiro, Por GloboEsporte comRio de; RJ. «Após corte, Camila Brait se aposenta da seleção: "Dever cumprido"». globoesporte.com. Consultado em 7 de agosto de 2021 
  10. «O domínio é azul: Minas se impõe, bate o Praia Clube e é campeão da Superliga após 17 anos». Globo Esporte. 26 de Abril de 2019. Consultado em 26 de Abril de 2019 
  11. «Após três anos e pedido de dispensa, Camila Brait aceita convocação e volta à seleção». ge. Consultado em 7 de agosto de 2021 
  12. «Brasil com 18 atletas na lista oficial para a Liga das Nações». Web Vôlei. 14 de maio de 2021. Consultado em 7 de agosto de 2021 
  13. TEMPO, O. (25 de junho de 2021). «Brasil perde para os EUA na final da Liga das Nações de vôlei feminino». Volei. Consultado em 7 de agosto de 2021 
  14. «Seleção Brasileira feminina de vôlei divulga lista de convocadas para Jogos Olímpicos - Gazeta Esportiva». www.gazetaesportiva.com. Consultado em 7 de agosto de 2021 
  15. David Abramvezt (17 de outubro de 2014). «Em bela fase, Brait cogita fazer ensaio sensual: Sou tímida, mas toparia"». GloboEsporte.com. Consultado em 18 de outubro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre voleibolista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.