Liga das Nações de Voleibol Feminino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Liga das Nações de Voleibol Feminino
Voleibol Volleyball pictogram.svg
Sede Intercontinental
Organizador FIVB
Edições
Primeira edição China Nanquim 2018
Última edição Turquia Ancara 2022
Campeões
Primeiro campeão Estados Unidos
Atual campeão Itália (1º título)
Maior campeão Estados Unidos (3 títulos)
Página oficial da competição

A Liga das Nações de Voleibol Feminino é uma competição internacional de voleibol disputada pelas seleções femininas filiadas a Federação Internacional de Voleibol (FIVB), órgão governamental global do esporte. O primeiro torneio foi disputado em 2018, com a fase final em Nanquim, na China.

A criação do torneio foi anunciada em outubro de 2017 em um projeto conjunto entre a FIVB, a IMG e 21 federações nacionais.[1] A Liga das Nações substituiu o Grand Prix, evento internacional anual feminino que decorreu entre 1993 e 2017.[2]

O torneio correspondente para as seleções masculinas é a Liga das Nações de Voleibol Masculino, competição que substituiu a Liga Mundial.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Origens[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2017, a mídia especializada passou a informar que a FIVB mudaria drasticamente o formato da Liga Mundial e do Grand Prix para 2018. De acordo com as informações de momento, a partir de 2018, a Liga Mundial e o Grand Prix voltariam a ter apenas uma divisão (e não mais três) com a participação de 16 seleções nacionais.[3]

Em outubro de 2017, a FIVB anunciou, por meio de um comunicado à imprensa, a criação da Liga das Nações de Voleibol masculino e feminino, confirmando os torneios como substitutos da Liga Mundial e do Grand Prix.[1]

Em um comunicado de imprensa, a criação do novo torneio seria para revolucionar as competições de voleibol, tornando-se um dos mais importantes eventos da história da modalidade, apresentando o voleibol de uma forma nunca vista antes, aproveitando as ações inovadoras colocadas em prática durante os Jogos Olímpicos Rio 2016 e aproximando a interação com os fãs ao redor do mundo. Ao se aproveitar das inovações tecnológicas, como as transmissões digitais, os espectadores testemunhariam novos e diversos ângulos, mostrando a capacidade atlética de classe mundial dos melhores jogadores de cada nação.[1]

Pela primeira vez, a FIVB, em colaboração com a empresa de marketing esportivo IMG, assumiria o controle total da produção de conteúdo, maximizando a qualidade e promovendo uma narrativa convincente na quadra, mais fácil para os fãs se envolverem e entenderem.[1]

Formato da competição[editar | editar código-fonte]

Como no antigo Grand Prix, a competição é dividida em duas fases, embora com algumas mudanças na fórmula da competição. O formato segue a mesma característica: uma fase preliminar, com um sistema de cidades-sede rotativas, e uma rodada final disputada em uma cidade-sede pré-selecionada.[4]

A fase preliminar é disputada durante cinco semanas, contra as três do Grand Prix. A cada semana, as equipes participantes são organizadas em grupos de quatro e cada equipe joga uma partida contra todas as outras equipes do seu grupo. Todos os jogos de cada grupo acontecem ao longo de um final de semana e numa mesma cidade.[5]

Quando todas as partidas da fase preliminar forem disputadas, as cinco primeiras equipes da classificação geral se classificam para a fase final e as demais são eliminadas. A nação anfitriã da fase final se qualifica automaticamente. As seis equipes qualificadas jogam em dois grupos de três equipes se enfrentando dentro dos grupos. As duas melhores equipes de cada grupo se classificam para as semifinais. As primeiras equipes classificadas jogam contra as segundas equipes classificadas nesta rodada. As vencedoras das semifinais avançam para competir pelo título da Liga das Nações.[5]

Dezesseis seleções nacionais competiram na edição inaugural do torneio; 12 equipes principais, que estão sempre qualificadas para o torneio, e quatro equipes desafiadoras, que podem acabar rebaixadas.[6] O rebaixamento leva em consideração as quatro equipes desafiantes, com a última delas sendo substituída pela vencedora da Challenger Cup que se classifica para a próxima edição da Liga das Nações como uma equipe desafiante.[7]

Challenger Cup[editar | editar código-fonte]

A Challenger Cup de Voleibol Feminino é disputada por seleções nacionais concomitantemente a Liga das Nações, sendo composta pela equipe rebaixada desta competição mais equipes selecionadas por cada confederação através do ranking mundial:[8][9]

Confederação Vagas
País-sede 1
AVC (Ásia) 1
CAVB (África) 1
CSV (América do Sul) 1
NORCECA (Américas do Norte e Central e Caribe) 1
CEV (Europa) 2
Rebaixada da Liga das Nações 1
Total 8

A Challenger Cup é realizada após as finais da Liga das Nações e o vencedor ganha o direito de participar da Liga das Nações do ano seguinte como uma equipe desafiante.[9]

Aparições[editar | editar código-fonte]

  Equipes principais
  Equipes desafiantes
Equipe Fase preliminar Fase final
Ap. Primeira Última Ap. Primeira Última
Alemanha 4 2018 2022
Argentina 1 2018 2018
Bélgica 4 2018 2022
Brasil 4 2018 2022 4 2018 2022
Bulgária 2 2019 2022
Canadá 2 2021 2022
China 4 2018 2022 3 2018 2022
Coreia do Sul 4 2018 2022
Estados Unidos 4 2018 2022 4 2018 2022
Itália 4 2018 2022 2 2019 2022
Japão 4 2018 2022 2 2021 2022
Países Baixos 4 2018 2022 1 2018 2018
Polônia 4 2018 2022 1 2019 2019
República Dominicana 4 2018 2022
Rússia 3 2018 2021
Sérvia 4 2018 2022 2 2018 2022
Tailândia 4 2018 2022 1 2022 2022
Turquia 4 2018 2022 4 2018 2022

Resultados[editar | editar código-fonte]

LIGA DAS NAÇÕES DE VOLEIBOL FEMININO
Ano Fase final Final Decisão do 3º lugar Equipes
FP / FF
Ouro Placar Prata Bronze Placar 4º lugar
2018
Detalhes
China
Nanquim
Bandeira dos Estados Unidos
Estados Unidos
3–2 Bandeira da Turquia
Turquia
Bandeira da China
China
3–0 Bandeira do Brasil
Brasil
16 / 6
2019
Detalhes
China
Nanquim
Bandeira dos Estados Unidos
Estados Unidos
3–2 Bandeira do Brasil
Brasil
Bandeira da China
China
3–1 Bandeira da Turquia
Turquia
16 / 6
2020 Edição cancelada devido a pandemia de COVID-19.[10]
2021
Detalhes
Itália
Rimini
Bandeira dos Estados Unidos
Estados Unidos
3–1 Bandeira do Brasil
Brasil
Bandeira da Turquia
Turquia
3–0 Bandeira do Japão
Japão
16 / 4
2022
Detalhes
Turquia
Ancara
Bandeira da Itália
Itália
3–0 Bandeira do Brasil
Brasil
Bandeira da Sérvia
Sérvia
3–0 Bandeira da Turquia
Turquia
16 / 8

Quadro de medalhas[editar | editar código-fonte]

 Ordem  País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze Medals world.svg
1 Estados Unidos 3 0 0 3
2 Itália 1 0 0 1
3 Brasil 0 3 0 3
4 Turquia 0 1 1 2
5 China 0 0 2 2
6 Sérvia 0 0 1 1

MVPs por edição[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «FIVB announces the Volleyball Nations League» (em inglês). FIVB. 12 de outubro de 2017. Consultado em 2 de maio de 2018 
  2. a b «FIVB descarta Liga Mundial e Grand Prix e cria Liga das Nações». Istoé. 13 de outubro de 2017. Consultado em 2 de maio de 2018 
  3. «FIVB drastically changes format for 2018 World League and Grand Prix, Italy remain member of elite!» (em inglês). WorldofVolley. 19 de junho de 2017. Consultado em 2 de maio de 2018 
  4. «Volleyball Nations League 2018 –Formula» (em inglês). FIVB. Consultado em 2 de maio de 2018 
  5. a b «Pools overview released for thrilling inaugural season of VNL» (em inglês). FIVB. 16 de fevereiro de 2018. Consultado em 2 de maio de 2018 
  6. «Atrás de revolução no esporte, Federação anuncia novo torneio: Liga das Nações». GloboEsporte.com. 13 de outubro de 2017. Consultado em 2 de maio de 2018 
  7. «VOLLEYBALL CHALLENGER CUP BATTLE BEGINS IN PERU FOR ONE TICKET TO 2019 WOMEN'S VNL» (em inglês). FIVB. 19 de junho de 2018. Consultado em 19 de junho de 2018 
  8. «FIVB Executive Committee embraces digital transformation» (em inglês). FIVB. 7 de dezembro de 2017. Consultado em 2 de maio de 2018 
  9. a b «Formula». FIVB. Consultado em 10 de julho de 2022 
  10. «FIVB ANNOUNCES CANCELLATION OF VNL 2020» (em inglês). FIVB. 8 de maio de 2020. Consultado em 18 de julho de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]