Cassiopeia (constelação)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Cassiopeia.

Cassiopéia

Cassiopeia constellation map.svg
Nome latino
Genitivo

Cassiopeia
Cassiopeiae

Abreviatura Cas
 • Coordenadas
Ascensão reta
Declinação
1 h
60°
Área total 598° quadrados
 • Dados observacionais
Visibilidade
- Latitude mínima
- Latitude máxima
- Meridiano
 
-20°
+90°
Novembro
Estrela principal
- Magn. apar.
Shedir o Shedar
2.23
Outras estrelas
- Magn. apar. < 3
- Magn. apar. < 6
 
4
-
 • Constelações limítrofes
Em sentido horário:

Cassiopeia (abreviação: Cas) é uma constelação do hemisfério celestial norte. O genitivo, usado para formar nomes de estrelas, é Cassiopeiae.

As constelações vizinhas, segundo a padronização atual, são a Girafa, o Cefeu, o Lagarto, a Andrômeda e o Perseu.

No Brasil também é conhecida pelos nomes nativos Tamaquaré e (na Amazônia) Taquaré.[1]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Cassiopeia" vem do grego Kassiópeia, através do latim Cassiopea.[2]

"Tamaquaré" e "Taquaré", por sua vez, vêm do tupi tamakwa'ré, que se referem ao lagarto amazonense tamaquaré (Plica plica (L.), cuja silhueta os índios da região enxergam nas estrelas da Cassiopeia.[1]

Características[editar | editar código-fonte]

Cassiopeia localiza-se próxima do polo norte celeste, com cerca de 30 estrelas visíveis a olho nu.

Mitologia grega[editar | editar código-fonte]

A figura formada pelas estrelas próximas à constelação do Cefeu lembra a de uma figura humana sentada num trono – só que de cabeça para baixo. Para os gregos, isso representava a punição por um crime severo, e eles logo associaram essa constelação ao mito de Cassiopeia: a vaidosa rainha etíope que comparou sua beleza à das Nereidas, entre as quais se contava Anfitrite, esposa de Possêidon. Como castigo, o deus dos mares exigiu que sua filha, Andrômeda, fosse sacrificada ao monstro Ceto (uma fera das águas, hoje interpretado como uma baleia) para que seu país não fosse inundado pelas tormentas furiosas de Possêidon.

Referências

  1. a b FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 644.
  2. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 365.
Ícone de esboço Este artigo sobre astronomia é um esboço relacionado ao Projeto Astronomia. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.