Castelo Abergeldie

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Castelo Abergeldie
Abergeldie Castle - geograph.org.uk - 253475.jpg
Localização Crathie, Angus, Escócia
Construção Século XVI, cerca de 1550
Construído por  ?
Tipo de construção  ?
Estilo -
Estado Habitado
Conservação  ?
Proteção Categoria A

O Castelo de Abergeldie é uma torre medieval de quatro andares nas paróquias de Crathie e Braemar, SW Aberdeenshire, na Escócia. Tem uma altura de 260 metros e fica na margem direita do rio Dee, a 8 quilómetros a oeste de Ballater e a cerca de 3 quilómetros a este do Castelo de Balmoral, uma das residências oficiais da família real britânica. Atrás do castelo fica a Creag nam Ban, uma colina de granito com cerca de 527 metros de altura, e, do outro lado do rio, à sua frente, fica a Colina Geallaig, com 743 metros de altura.

Encontra-se classificado na categoria "A" do "listed building" desde 24 de novembro de 1972.[1] O castelo é a residência do barão de Abergeldie.

História[editar | editar código-fonte]

O Castelo de Abergeldie em 1869.

O castelo está na posse da família Gordon desde 1482,[1] tendo sido construído possivelmente em 1550.[1] A sua arquitetura de meados do século XVI e analogias com o Castelo Balfluig em Alford, que data de 1556, sugerem que terão sido desenhados pela mesma pessoa.[2]

O seu nome tem origem na língua picta e significa "Confluente de Geldie."

No relvado do castelo é possível encontrar um monólito da Idade do Bronze, com cerca de 200 centímetros de altura, 75 de largura e 45 de espessura, que indica a antiguidade deste local, e o longo período de tempo em que já é ocupado pelo homem. Possui também um dos maiores recordes de propriedade da História, já que pertence à família Gordon há 600 anos.

O mais provável é que tenha sido construído por volta de 1550[3] por Sir Alexander Gordon de Midmar, filho do primeiro conde de Huntly, em terrenos adquiridos pela família Gordon em 1482. O interior foi restaurado por um dos descendentes do construtor e encontra-se no seu estado original.

Durante a Primeira Revolta Jacobita de 1689-90, o castelo foi ocupado por forças jacobitas. No entanto, quando as forças jacobitas do general Buchan foram derrotadas por Sir Thomas Livingstone, em Cromdale, a 1 de Maio de 1690, o general Hugh Mackay de Scourie marchou com alguns membros da cavalaria e 1.400 soldados da infantaria holandesa de Williamite (provavelmente incluindo alguns membros do seu antigo regimento) para levantar o cerco.

O castelo voltou a ser utilizado na Revolta Jacobita de 1715, altura em que foi ocupado por tropas governamentais (pouco depois de ter sido renovado por Rachel Gordon, 10ª herdeira, e pelo marido, o capitão Charles Gordon, que também tinha construído o Castelo de Birkhall, próximo do local, e que mais tarde seria comprado pela família real), e novamente na curta revolta de 1719, quando foi ocupado por tropas espanholas durante um breve período de tempo.

Em 1848, o príncipe Alberto, consorte da rainha Vitória, comprou o arrendamento da propriedade de Abergeldie por um período de 40 anos, uma vez que o castelo ficava relativamente perto da nova residência que estava a construir na Escócia, o Castelo de Balmoral.

O príncipe Alberto também comprou Birkhall, com a sua propriedade de 6.500 hectares, na mesma altura, apesar de haver um rumor antigo que afirma que o senhor do castelo perdeu Birkhall num jogo de cartas.

Alberto emprestou a propriedade ao seu filho mais velho, Alberto Eduardo (conhecido entre a família e amigos como "Bertie), que mais tarde se tornaria príncipe de Gales e rei Eduardo VII do Reino Unido. No entanto, a rainha Vitória voltou a reclamar a sua posse em 1885, talvez como castigo pelo estilo de vida dissoluto que o seu filho levava. No entanto, depois de se casar com a princesa Alexandra da Dinamarca em 1863, Eduardo passava todos os anos férias no castelo, onde podia praticar as suas grandes paixões de caçar durante o dia e jogar às cartas durante a noite. Segundo uma entrada no diário de W. E. Gladstone, datada de 1871, certa noite, Eduardo convidou Gladestone, que estava alojado em Balmoral, para ir lá jantar. Gladstone ficou encantado com a personalidade do príncipe de Gales, mas não com a sua falta de moral quando jogava às cartas.

A Ordnance Gazetteer of Scotland[4] refere que a duquesa de Kent passou vários outonos no castelo entre 1850 e 1861 e que a imperatriz Eugénia da França passou aqui o mês de Outubro após a morte do seu único filho, o príncipe imperial, em 1879. Também é referido que o príncipe de Gales (Eduardo VII) utilizava o castelo com frequência como residência de verão e local de caça.

Outros membros da família real que ficaram hospedados no Castelo de Abergeldie incluem as filhas de Eduardo VII, as princesas Luísa, Vitória e Maud de Gales.[5]

Birkhall continua a pertencer à família real britânica. Carlos, o actual príncipe de Gales, costuma passar alguns períodos de tempo no castelo na companhia da sua esposa, Camila, duquesa da Cornualha.

Actualmente, o Castelo de Abergeldie Castle encontra-se ocupado pelo 21º senhor do castelo, John Seton Howard Gordon, barão de Abergeldie, que vive lá desde 1972.

Em Janeiro de 2016, o castelo ficou ameaçado pelas cheias do Rio Dee, que destruíram muitas das terras por detrás do edifício, o que o deixou num precipício acima do rio, obrigando o barão de Abergeldie, de setenta-e-seis anos a fugir. Durante algum tempo, as autoridades não tinham a certeza se seria possível salvar o castelo se as inundações continuassem ao mesmo ritmo. Alguns dias depois, foram chamados engenheiros estruturais que confirmaram a segurança do edifício e levaram a cabo obras para impedir o seu colapso iminente.[6][7]

Fantasma[editar | editar código-fonte]

Diz-se que o castelo está assombrado com o espírito de uma criada francesa chamada Catherine (ou Kittie) Rankie (ou Frankie), também conhecida como French Kate (Kate Francesa). A mulher foi acusada de bruxaria e presa na cave do castelo antes de ser queimada na fogueira em Craig-na-Ban (um nome gaélico que significa "rocha das mulheres), acima do castelo. Desde essa altura que se diz que o fantasma de Kate aparece na cave e na torre do relógio.[8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «Abergeldie Castle, Including Cottages, Game Larder and Boundary Walls, Crathie And Braemar». britishlistedbuildings.co.uk (em inglês). Consultado em 23 de março de 2012. 
  2. «Abergeldie Castle (NR).». Royal Commission on the Ancient and Historical Monuments of Scotland (em inglês). Consultado em 23 de março de 2012. 
  3. «ABERGELDIE CASTLE, INCLUDING COTTAGES, GAME LARDER AND BOUNDARY WALLS». hsewsf.sedsh.gov.uk. Consultado em 2016-09-20. 
  4. "Ordnance Gazetteer of Scotland: A Survey of Scottish Topography, Statistical, Biographical and Historical" edited by Francis H. Groome, published 1882-1885
  5. «Toria and sisters wearing cuirasse bodice dresses | Grand Ladies | gogm». www.gogmsite.net. Consultado em 2016-09-20. 
  6. «Abergeldie Castle saved from collapse». Consultado em 2016-09-20. 
  7.  
  8. «Scotland’s specters: Haunted castles, part 1». www.scotsman.com. Consultado em 2016-09-20. 
Ícone de esboço Este artigo sobre um castelo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.