Chandni Chowk

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Índia Chandni Chowk

चांदनी चौकچاندنی چوک

 
  Bairro  
Extremidade oriental da Chandni Chowk. O edifício branco é o Gauri Shankar Mandir, um emplo hindu dedicado a Xiva. À esquerda avistam-se as torres vermelhas do Digambara Mandir, o templo jainista mais antigo de Deli.
Extremidade oriental da Chandni Chowk. O edifício branco é o Gauri Shankar Mandir, um emplo hindu dedicado a Xiva. À esquerda avistam-se as torres vermelhas do Digambara Mandir, o templo jainista mais antigo de Deli.
Localização
Chandni Chowk está localizado em: Deli
Chandni Chowk
Localização de Chandni Chowk na Índia
Coordenadas 28° 39' 23" N 77° 13' 56" E
Distrito Deli Central
Cidade Deli

Chandni Chowk (em hindi: चांदनी चौक; em urdu: چاندنی چوک) é um dos mais antigos e mais movimentados mercados de Velha Deli, na Índia. Situa-se perto da Estação de Velha Deli e do Forte Vermelho. Foi construído no século XVII pelo imperador mogol Shah Jahan e desenhado pela sua filha Jahanara Begum.[1] Chandni Chowk pode traduzir-se como "Avenida do Luar",[nt 1] um nome que pode dever-se ao facto de originalmente ter um canal que refletia a luz da Lua.[3]

Chandni Chowk designa também toda a área envolvente do mercado propriamente dito na área muralhada de Velha Deli, que vai desde a Porta de Lahore do Forte Vermelho até à Fatehpuri Masjid, ou seja à área a oeste do Forte Vermelho e a norte e a oeste da Jama Masjid.[4] Originalmente, no centro da avenida principal corria um canal.[5] Segundo outras fontes, havia vários canais que dividiam o mercado.[1]

História[editar | editar código-fonte]

A história do mercado remonta à fundação da capital Shahjahanabad, quando Shah Jahan construiu o Forte Vermelho na margem do rio Yamuna. Chandni Chowk foi desenhada pela princesa Jahanara Begum, a filha favorita de Shah Jahan, em 1650. Originalmente o bazar tinha 1 560 lojas,[6] era quadrado e tinha um lago no centro, que refletia a luz da Lua. O bazar foi famoso pelos seus mercadores de prata.

O lago do centro foi substituído por uma torre com relógio, que por sua vez foi demolida na década de 1950. O centro do bairro continua a ser conhecido pelo nome da torre: Ghantaghar. Chandni Chowk foi o mais grandioso mercado indiano, onde passavam as procissões imperiais mogóis, uma tradição que teve continuidade no período colonial britânico com a realização do Delhi Durbar em 1903. Em 1863, os britânicos construíram no bairro a sede do governo municipal.

Originalmente, a designação de Chandni Chowk aplicava-se apenas à praça que tinha um lago. A secção que vai desde essa praça até Chowk Kotwali chamava-se originalmente Johri Bazar. As outras secções do grande bairro comercial eram o Urdu Bazaar e o Fatehpuri Bazar. O Urdu Bazaar era o mais próximo da residência imperial e ia desde a Porta de Lahore até Chowk Kotwali (perto da Gurdwara Sis Ganj). Alegadamente, Urdu Bazaar significa "mercado do acampamento" e a língua deve o seu nome a esse acampamento. Ghalib (1797–1869) menciona a destruição deste mercado durante os distúrbios durante e após a Rebelião Indiana de 1857. O Fatehpuri Bazar ia desde a praça do lago até à Fatehpuri Masjid.

Edifícios e quarteirões[editar | editar código-fonte]

Digambara Mandir, vista do lado do Forte Vermelho
A Sunehri Masjid ("Mesquita Dourada") numa pintura c. 1852–1854 da autoria de Ghulam Ali Khan
Fatehpuri Masjid

Os principais edifícios com importância histórica de Chandni Chowk são geralmente designados como havelis, kuchas e katras. Os havelis são mansões quase palacianas, com um grande pátio ou átrio interior rodeado por divisões espaçosas e normalmente com outro pátio exterior com muros em volta que rodeia o edifício. Um dos maiores havelis ainda preservado na área é o Chunnamal Haveli. As kuchas são quarteirões com casas cujos donos têm em comum um atributo, geralmente a sua ocupação. Os seus nomes traduzem esse atributo, como por exemplo o Maliwara, o quarteirão dos jardineiros, ou o Ballimaran, o kutcha dos remadores. Os katras designam quarteirões separados de comerciantes e artesãos do mesmo ofício ou tipo de negócio, que usualmente vivem e trabalham juntos, num sistema semelhante ao das habitações das guildas de Amesterdão.[7]

Edifícios religiosos[editar | editar código-fonte]

A mesquita mais famosa de Deli, a Jama Masjid situa-se praticamente em Chandni Chowk e nas suas vizinhanças há vários santuários pertencentes a várias religiões. Indo do Forte Vermelho para oeste destacam-se os seguintes templos:

Havelis[editar | editar código-fonte]

Um haveli de Chandni Chowk em 1858
  • Palácio Bhagirath — construído por Begum Samru, a governante do principado de Sardhana que foi dançarina profissional na adolescência e juntou uma fortuna colossal.
  • Mansões Naughara do Kinari Bazaar — construídas por jainistas no século XVIII.
  • Khajanchi Haveli — Mansão dos khajanchi, os contabilistas de Shah Jahan, que deram o nome a uma rua, a Gali Khajanchi. O haveli está ligado ao Forte Vermelho por um longo túnel subterrâneo, construído para que o dinheiro pudesse ser transferido de forma segura.
  • Haveli de Mirza Ghalib — onde viveu o proeminente poeta de língua persa e urdu do século XIX.
  • Chunnamal haveli — situado em Katra Neel, pertenceu a Lala Chunnamal, um comerciante extremamente rico de meados do século XIX.
  • Haveli de Zeenat Mahal — situado no Lal Kuan Bazar, era a residência de Zeenat Mahal, a esposa favorita do último imperador mogol, Bahadur Xá Zafar.
  • Haksar Haveli — no Bazar Sitaram, foi onde se casou Jawaharlal Nehru em 1916.
  • Haveli Naharwali — onde nasceu o ex-presidente do Paquistão, Pervez Musharraf.
  • Haveli Banarsi Bhawan — situado junto ao templo jainista de Meru, tem um poço.
  • Haveli Dharmpura — na rua Gali Guliyan, é de estilo mogol tardio, embora algumas partes apresentem influências da arquitetura do século XX.[21]

Comércio e restauração[editar | editar código-fonte]

Loja de produtos alimentares na rua Khari Baoli

Em Chandni Chowk encontram-se lojas de uma imensa variedade de especialidades, desde comida, nomeadamente doces, até livros, passando por vestuário tradicional e moderno, pronto-a-vestir e feito à medida, calçado e artigos de couro, eletrónica, etc. Na doçaria destacam-se os jalebis fritos em ghi (manteiga clarificada) pura. No vestuário tradicional destacam-se, entre outros, os sáris, os bordados chikan e os zaris (brocados brilhantes originalmente fabricado com fibras de ouro ou prata).

Uma parte do bairro é chamado "Mercado de Roupa" (Cloth Market). Em Nai Sarak a maior parte das lojas são livrarias, papelarias e de materiais decorativos. Em Nai Sarak há também lojas especializadas em sáris de noivas e lehengas (uma espécie de saias tradicionais bordadas e plissadas).

Em Lal Kuan as lojas são sobretudo de ferramentas e de equipamentos de cozinha, nomeadamente de hotelaria. Junto a Lal Kuan situa-se o Mercado de Tilak, uma área especializada em produtos químicos industriais. Dariba é a área da joalheria de prata e ouro, onde também se vendem troféus, medalhas, recordações e peças afins.

Restauração[editar | editar código-fonte]

Loja de pav bhaji

Em Chandni Chowk há vários restaurantes e confeitarias tradicionais (halwais)[22][23][24] O halwai mais antigo de Deli, o Ghantewala, foi fundado em 1790 e um dos seus clientes foi o imperador Shah Jahan. Fechou em julho de 2015.[25][26] Na Paranthewali Gali (ou Gali Paranthe Wali; tradução livre: "beco dos vendedores de parathas") os três estabelecimentos mais famosos funcionam desde as décadas de 1870 e 1880. O Pt Kanhaiyalal Durgaprasad foi fundado em 1875, o Pt Dayanand Shivcharan em 1882 e o Pt Baburam Devidayal Paranthewale em 1886. A concentração das lojas de parathas era tal em 1911 que a pequena rua, então chamada Chota Dariba ou Dariba Kalan, mudou para o seu nome para o atual. Nos anos a seguir à independência da Índia, era frequente Nehru, Indira Gandhi e Vijaya Lakshmi Pandit irem a Paranthewali Gali comer parathas.[27]

Entre os estabelecimentos de restauração mais antigos e mais famosos estão o Natraj’s Dahi Bhalla Corner e o Kanwarji Bhagirathmal. Este último foi fundado em em 1850 e é especializado em daal-biji e nariyal barfi. Daal-biji ou dalbiji é um pastel salgado de massa crocante de besan (farinha de grão-de-bico) com sementes de melão e meloa.[28] Nariyal barfi é um doce à base de coco (nariyal), leite e ghi com especiarias, nomeadamente cardamomo.[29][30] O Natraj’s Dahi Bhalla Corner foi fundado em 1940 e é especializado em dahi bhalla, um doce de vadas (bolas de massa frita) imersas em iogurte, e em aloo tikki (pastéis de batata cozida com cebola e especiarias).[31]

Notas[editar | editar código-fonte]

  • Parte do texto foi inicialmente baseado na tradução do artigo «Chandni Chowk» na Wikipédia em inglês.
  1. O significado original de chowk é o local onde se juntam duas ou mais ruas ou estradas.[2]

Referências

  1. a b Daftua, Swati (31 de janeiro de 2011). «Delhi — 100 years as the Capital» (em inglês). www.thehindu.com. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  2. Muttreja, Bhavana. «Traditional Dwelling Analysis of Chandni Chowk» (em inglês). archinomy.com. Consultado em 10 de fevereiro de 2017 
  3. Sundaramurti, Avanija. «Take a Culinary Journey Through Mouthwatering Chandni Chowk» (em inglês). www.chillibreeze.com. Arquivado do original em 10 de janeiro de 2012 
  4. «Red Fort a Chandni Chowk, Nova Delhi». Google Maps. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  5. Taher, Mohamed (1998), Encyclopaedic Survey of Islamic Culture: Growth & Development, ISBN 9788174884879 (em inglês), Anmol Publications 
  6. Blake, Stephen P. (1998), «Contributors to the urban Landscape: Women builders in Safavid Isfahan and Mughal Shahjahanabad», in: Hambly, Gavin, Women in the Medieval Islamic World: Power, patronage, and piety, ISBN 9780312224516 (em inglês), St. Martin’s Press, p. 420 
  7. «The Havelis, Kuchas and Katras of Chandni Chowk» (em inglês). www.chandnichowk.com. Arquivado do original em 18 de novembro de 2007 
  8. «Digambar Jain Temple» (em inglês). www.liveindia.com. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  9. Singh, Sarina; et al. (2015), Lonely Planet India, ISBN 9781743216767 (em inglês) 16.ª ed. , p. 61 
  10. «Gauri Shankar Mandir Delhi» (em inglês). www.delhihelp.com. 18 de setembro de 2010. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  11. «Gauri Shankar Mandir Chandni Chowk» (em inglês). www.delhiunlimited.com. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  12. «Gauri Shankar Temple» (em inglês). www.liveindia.com. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  13. «Shri Shri Navgrah Mandir Dham» (em inglês). www.indiasatkar.in. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  14. «Central Baptist Church» (em inglês). www.discoveredindia.com. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  15. «Central Baptist Church» (em inglês). www.delhiinformation.in. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  16. «Gurudwara Sis Ganj Sahib» (em inglês). religions.iloveindia.co. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  17. «Gurudwara Sisganj Sahib, Delhi» (em inglês). Gurudwaras of World. www.worldgurudwaras.com. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  18. Soofi, Mayank Austen (7 de março de 2012). «City Monument – Sunehri Masjid, Chandni Chowk» (em inglês). The Delhi Walla. www.thedelhiwalla.com. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  19. «Fatehpuri Shahi Masjid — A mute witness to the travails of Dillee» (em inglês). The Milli Gazette. www.milligazette.com. 1 de maio de 2000. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  20. «Fatehpuri Masjid, Delhi» (em inglês). www.indianetzone.com. Consultado em 7 de fevereiro de 2017 
  21. Vaid, Dharvi (21 de dezembro de 2015). «Haveli to speak of a history lost in time» (em inglês). timesofindia.indiatimes.com. Consultado em 10 de fevereiro de 2017 
  22. Sharma, Ritika (28 de setembro de 2008). «Chowk and cheese» (em inglês). MiD Day. archive.mid-day.com. Consultado em 10 de fevereiro de 2017 
  23. «Old Delhi Food» (em inglês). Delhi Tourism and Transportation Development Corporation. www.delhitourism.gov.in. Consultado em 10 de fevereiro de 2017 
  24. «Street food of Delhi» (em inglês). Explore India. travel2tourist.wordpress.com. 27 de setembro de 2013. Consultado em 10 de fevereiro de 2017 
  25. «Ghantewala: Why did Delhi's 'oldest sweet shop' shut down?» (em inglês). www.bbc.com. 24 de julho de 2015. Consultado em 10 de fevereiro de 2017 
  26. «Ghantewala, a Delhi sweet shop that served emperors, closes down» (em inglês). www.hindustantimes.com. 2 de julho de 2015. Consultado em 10 de fevereiro de 2017 
  27. Swamy, K. R. N. (10 de novembro de 2002). «Frozen paranthas posing a challenge to Paranthewali Gali fare» (em inglês). www.tribuneindia.com 
  28. Rakheja, Henna (8 de março de 2012). «Melting sweetness, crisp and succulent» (em inglês). www.deccanherald.com. Consultado em 10 de fevereiro de 2017 
  29. Kapoor, Sanjeev. «How to make Fresh Nariyal Barfi - A tasty, soft coconut dessert that is easy to prepare, a must try» (em inglês). www.sanjeevkapoor.com 
  30. «Express recipe: How to make Besan Nariyal Barfi» (em inglês). indianexpress.com. Consultado em 10 de fevereiro de 2017 
  31. Soofi, Mayank Austen (11 de maio de 2011). «Do you know where to find Delhi's best dahi bhalla?» (em inglês). blogs.hindustantimes.com. Consultado em 10 de fevereiro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Chandni Chowk