Forte Vermelho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Forte de Agra.
Pix.gif Conjunto do Forte Vermelho *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Red Fort in Delhi 03-2016 img3.jpg
Forte Vermelho, Deli
País  Índia
Critérios (ii) (iii)(vi)
Referência 231
Coordenadas 28° 39' 21" N 77° 14' 25" E
Histórico de inscrição
Inscrição 2007  (31ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.

O Forte vermelho (em inglês: Red Fort; em hindi: लाल क़िला, em urdu: لال قلعہ ) é um conjunto monumental de fortificações em Deli e um grande exemplo da arquitetura indiana. Localiza-se na região hoje conhecida como Velha Delhi e foi construído no século XVII. Um viajante desse tempo chegou a se referir ao forte como uma maravilha superior às prometidas no paraíso[1].

As pedras vermelhas usadas nas paredes deste monumental conjunto arquitetônico indiano não são as mais preciosas, mas influenciaram diretamente seu nome. Aquando da sua construção o soberano era Shah Jahan, o construtor do Taj Mahal. Após a morte da esposa, o rei decidiu transferir de lugar a capital do reino, até então sediada em Agra. Não poupou esforços nem recursos na tarefa de criar a cidade real. Palácios adornados de ouro, prata e pedras preciosas, ladeados por jardins das mil e uma noites, ganharam vida a partir dos desenhos dos arquitetos reais. As riquezas e parte da construção, entretanto, não resistiram aos saques e à deterioração. Ainda assim, o muito que restou do Forte vermelho ainda permite vislumbrar a opulência daqueles tempos remotos.

Símbolos do Poder[editar | editar código-fonte]

Ao todo 11 palácios (mahals) ocupavam seu interior. O destaque eram os salões para audiências, onde o imperador recebia oficiais e embaixadores estrangeiros. Em um deles, uma inscrição não deixa dúvidas sobre a opinião de Shan Jahan: "Se há um paraíso na Terra, é esse!". Mas um dos maiores símbolos da realeza - um trono em formato de pavão, cravejado de pedras preciosas - não está mais ali. O artefa(c)to, que levou sete anos para ser feito, foi roubado e levado para a Pérsia em 1739.

Referências

  1. DE OLIVEIRA, Elvira. Maravilhas do mundo. Klick editora. São Paulo, 2000