Cocanha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde outubro de 2013).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
A Cocanha, retratada pelo pintor Pieter Brueghel.

A Cocanha é um país mitológico, conhecido durante a Idade Média.[1][2][3][4] Nesta terra mitológica, não havia trabalho e o alimento era abundante, lojas ofereciam seus produtos de graça, casas eram feitas de cevada ou doces, sexo podia ser obtido livremente, o clima sempre era agradável, o vinho nunca terminava e todos permaneciam jovens para sempre. Vivia-se entre os rios de vinho e leite, as colinas de queijo (queijo chovia do céu) e leitões assados que ostentavam uma faca espetada no lombo.

Registrado a partir da tradição oral, o Conto de Cocanha do século XIII contém duzentos versos octossílabos e conta a história da viagem de um autor anônimo em um país imaginário[5][6][1].

O País da Cocanha, ou Cocagne, foi retratado pelo pintor Pieter Bruegel.

Cocanha, segundo o critério de alguns analistas do comportamento social, também representou um símbolo para a cultura hippie nos anos finais da década de 60, um lugar onde todos os desejos seriam instantaneamente gratificados.[carece de fontes?]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Segundo Le Goff (2009), a etimologia da palavra é desconhecida. O termo surgiu em francês, Cocagne, Coquaigne, logo traduzido em inglês, Cokaygne ou Cockaigne, em italiano Cuccagna, em espanhol Cucaña. Em alemão é adotado um termo que também é de origem desconhecida: Schlaraffenland.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Le Goff, Jacques (2009). Heróis e maravilhas da Idade Média. Petrópolis: Vozes. p. 145-154. 331 páginas. ISBN 978-85-326-3921-9 
  2. Franco Júnior, Hilário (1998). Cocanha. a história de um país imaginário. São Paulo: Companhia das Letras. ISBN 9788571648128 
  3. «Le Pastel et le Pays de Cocagne». Lautrec.fr. Consultado em 2 de outubro de 2012 
  4. Pleij, Herman (2001). Dreaming of Cockaigne. Medieval Fantasies of the Perfect Life (em inglês). New York: Columbia University Press. 533 páginas. ISBN 9780231117029 
  5. Français 1593 (manuscrito) (em francês). 47° « Li Fabliaus de coquaigne ». [S.l.: s.n.] C. 1201-1300  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  6. Legrand d'Aussy, Pierre Jean-Baptiste (1737-1800); Renouard, Antoine-Augustin (1765-1853) (1829). Fabliaux ou contes, fables et romans du XIIe et du XIIIe siècle (Tome 1) (em francês). Paris: J. Renouard. p. 27-30 
Ícone de esboço Este artigo sobre Mitologia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.