Criminoso sexual

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, e ainda pode necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde abril de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.

Um criminoso sexual (abusador sexual ou abusador do sexo) é uma pessoa que cometeu um crime sexual. O que constitui um crime sexual difere da cultura e da jurisdição legal. Muitas das jurisdições compilam as suas leis em secções, como tráfico, ataque e sexual. A maioria dos criminosos sexuais condenados têm acusações de crimes de natureza sexual; contudo, alguns criminosos sexuais violaram simplesmente uma lei contida numa categoria sexual. Alguns dos crimes que normalmente resultam numa classificação mandatória de criminoso sexual são: uma segunda condenação de prostituição, enviar ou receber conteúdo obsceno na forma de mensagens escritas, e relações entre jovens adultos e adolescentes resultando na corrupção de um menor (se a idade entre ambos for maior do que 1,060 dias). Se algum contacto sexual tiver sido feito entre o adulto e o menor, então ocorre abuso sexual de menor. Outros crimes sérios são agressão sexual, violação, zoofilia, abuso sexual de menores, mutilação genital feminina, incesto, e imposição sexual. Contudo, em especial as leis de registo de criminosos sexuais nos Estados Unidos, também podem classificar ofensas menores como ofensas sexuais que requerem registo como criminoso sexual. Em alguns estados a urinação pública, ter sexo na praia,[1] ou prisão ilegal de um menor constitui crime sexual que requer registo.[2][3]

Visão[editar | editar código-fonte]

Olhando para os vários tipos de crimes, um exemplo de crime digital obsceno é a pornografia infantil. No mundo moderno da tecnologia, muitos paises estão reformulando as suas leis para prevenir o excesso de acusação dos criminosos sexuais e focar os crimes que envolvem vítimas. O termo predador sexual é muitas vezes usado para descrever um criminoso sexual ou qualquer dos criminosos do conjunto; todavia, apenas a categoria logo abaixo do predador sexual violento está reservada para o severo e repetido criminoso sexual: o predador sexual.

Nos Estados Unidos, a Lei de Adam Walsh (AWA) propõe providenciar fundos para cada jurisdição que concorde incorporar a sua lei com a nova lei. Nas poucas jurisdições que aceitam o acordo, existem os tipos I, II e III de criminosos sexuais. Os indivíduos condenados com crimes menores não cobertos pela AWA ainda podem estar abrangidos pelas anterior regulações que os denotam como criminosos sexuais (ou habituais criminosos sexuais, predadores sexuais, predadores sexuais violentos ou criminoso de menores).

Nos Estados Unidos, Reino Unido e outros países, um criminoso sexual condenado é normalmente registado com o registo de criminoso sexual da respectiva jurisdição. Nos Estados Unidos, as bases de dados de registos são normalmente abertas ao público. Os criminosos sexuais são classificados por níveis. O nível mais elevado de criminosos sexuais exige que fiquem registados durante a vida inteira; os criminosos de baixo nível podem apenas precisar de ficar registados durante um período de tempo.

Reincidência[editar | editar código-fonte]

O nível de reincidência de criminosos sexuais é mais baixo do que se acredita.[4][5] Um estudo de 2002 pelos Programas do Departamento da Justiça (OJP) do Departamento de Justiça dos Estados Unidos seguiu 9,691 homens criminosos sexuais libertados das prisões em 15 estados americanos em 1994 em que nos primeiros 3 anos depois da libertação, nova prisão e taxas de nova condenação de novos criminosos sexuais era entre 5.3 e 3.5%, respectivamente; significa que, cerca de 1 em cada 19 criminosos sexuais libertados eram presos novamente cerca de 3 anos depois por outro crime sexual. O mesmo estudo encontrou que durante o mesmo período de 3 anos depois da libertação, 68% dos criminosos não sexuais libertados eram presos por outro crime (e 47.8% condenados novamente), enquanto que 43% dos criminosos sexuais libertados eram presos por outro crime (24% eram condenados novamente).[6]

Segundo os Programas do Departamento da Justiça, do Departamento da Justiça dos Estados Unidos, no Estado de Nova Iorque, a avaliação da reincidência para os criminosos sexuais foi mostrada como sendo mais baixa do que qualquer outro crime excepto homicídio. Outro relatório do OJP que estudou a reincidência dos prisioneiros libertados em 1994 em 15 estados (contacnto com dois terços de todos os prisioneiros libertados nos Estados Unidos nesse ano) chegaram à mesma conclusão.[7]

Dos criminosos sexuais libertados que alegadamente cometeram outro crime sexual, 40% perpetraram a mesma ofensa em 1 ano ou menos da sua prisão. Entre 3 anos depois da sua libertação, 2.5% dos violadores libertados foram presos novamente por outra violação, e 1.2% dos que foram presos por homicídio foram novamente presos por novo homicídio. Os criminosos sexuais tinham cerca de 4 vezes mais probabilidade que os criminosos não sexuais de serem novamente presos por outros crime seuxal depois da sua libertação da prisão (5.3% dos criminosos sexuais, contra 1.3% dos criminosos não sexuais). Estimados 24% dos que serviram tempo por violação e 19% dos que serviram tempo por abuso sexual estavam a liberdade condicional na altura da sua ofensa pelo que estavam na prisão em 1991.[6]

Aproximadamente 4,300 molestadores de crianças foram libertados das prisões em 15 estados americanos em 1994. Cerca de 3.3% desses 4,300 foram presos novamente por outro crime sexual contra uma criança nos 3 anos seguintes à sua libertação. De entre os pedófilos libertados da prisão em 1994, 60% estiveram na prisão por molestarem uma criança de 13 anos ou menos. A idade média das vítimas de violação era 22 anos. Os pedófilos são, em média, 5 anos mais velhos do que os criminosos violentos que cometem os seus crimes contra adultos. Perto de 25% dos abusadores de menores têm 40 ou mais anos de idade, mas cerca de 10% dos colegas com vítimas adultas estão nesta faixa etária.[6]

Registos da prisão e restrições[editar | editar código-fonte]

Um registo de criminosos sexuais é um sistema que existe num número de jurisdições designadas para permitir às autoridades controlar a residência e actividades dos criminosos sexuais (incluindo os que são libertados da prisão). Em algumas jurisdições (especialmente nos Estados Unidos), a informação no registo é disponibilizada ao público através de um website ou outros meios. Em várias jurisdições, os criminosos sexuais registados são sujeitos a restrições adicionais (incluindo domicílio). Os que estão em liberdade condicional podem ser sujeitos a restrições não aplicáveis a outras pessoas em liberdade condicional.[8] Estas incluem restrições de estar na presença de menores, viver nas proximidades de escolas ou centros de cuidados, ou ter brinquedos (ou outros itens de interesse de menores). O registo de criminosos sexuais de Israel é acessível apenas a oficiais, em vez de ao público em geral.[9]

A Lei Megan, nos Estados Unidos, é designada para sancionar criminosos sexuais e reduzir a taxa de reincidência. A lei é executada e aplicada numa base de estado-membro. Muitos estados também restringem onde os criminosos sexuais podem viver depois da libertação, proibindo residência numa distância designada de escolas e centros de cuidado (normalmente entre 300 a 610 metros). Guiados pela Lei de Protecção e Segurança Infantil Adam Walsh de 2007, os criminosos sexuais devem evitar áreas como escolas, paragens de autocarro, ginásios, centros recreativos, parques infantis, piscinas, bibliotecas, centros de dia e locais de culto a menos de 150 a 760 metros de distância. Contudo, as estipulações de residência  variam de estado para estado. Alguns estados (como o Arkansas, Illinois, Washington e Idaho) não exigem que os criminosos sexuais se mudem das suas casas se um edifício proibido é construído ou se uma lei é criada depois do criminoso estar na residência. Muitos aspectos das leis são criticadas pelos reformistas e grupos de direitos civis como o National RSOL e o Human Right Watch,[10][11] e profissionais de tratamento como Atsa.[12][13]

Comprometer-se a uma residência exige que um criminoso sexual condenado seja notificado a regulações de registo pelas forças policiais locais se condenado depois de 1 de Janeiro de 2005. O criminoso deve actuar perante a notificação em 5 dias úteis do aviso. Se e quando um criminoso for libertado da prisão, deve confirmar o seu estado de registo em 5 dias úteis. A informação de registo inclui o sexo do criminoso, altura, peso, data de nascimento, características identificatórias (se existirem), lei violadas, impressões digitais e fotografia actualizada. Um endereço de email, nomes utilizados em salas de conversação online e nomes usados em mensagens escritas devem ser entregues às autoridades. No Colorado, um criminoso deve ser registado novamente quando se muda para uma nova morada, muda o seu nome legal, emprego, actividade voluntária, informação identificatória usada online e estado numa instituição escolar pós-secundária. Uma lista de registo baseada na internet pode ser encontrada em websites de condados, que identifica adultos condenados como criminosos sexuais que são predadores sexualmente violentos condenados com um crime de actos sexuais, crimes de violência ou falha no registo como solicitado. Legalmente, "qualquer pessoa que é um predador sexualmente violento e qualquer pessoa que é condenada como um adulto... tem o dever de se registar pelo resto da sua vida". As excepções a isto incluem adiar a sentença dos crimes ou petições do tribunal para terminar o registo.[14]

Alguns criminosos sexuais são determinados como demasiado perigosos para a sociedade para serem libertados, e são sujeitos a confinamento civil - prisão por tempo indefinido, que é suposto, mas nem sempre, providenciar tratamento ao criminoso.

Terapias e tratamento[editar | editar código-fonte]

Os programas de modificação de comportamento têm vindo a reduzir a reincidência em criminosos sexuais.[15] Normalmente, tais programas usam princípios de análise comportamental aplicada. Duas abordagens desta linha de investigação prometem. A primeira usa abordagens de condicionamento operante (que usa compensação e castigo para treinar novos comportamentos, tal como resolução de problemas)[16] e o segundo usa procedimentos de condicionamento clássico, tal como terapia de aversão. Muitos dos programas comportamentais usam sensibilização dissimulada[17] e/ou aversão a odores: ambos são formas de terapia de aversão, que têm desafios éticos. Tais programas têm sucesso em baixar a reincidência em 15-18%.[18] O uso de terapia de aversão permanece controversa, e é um problema ético relacionado com a prática profissional de análise de comportamento.

Em 2007, a Auditoria do Estado do Texas lançou um relatório mostrando que os criminosos sexuais que completaram o Programa de Tratamento para Criminosos Sexuais do Texas (COTP) tinham menos 61% de probabilidade de cometerem um novo crime.[19]

A castração química é usada em alguns países e estados para tratar os criminosos sexuais homens. Ao contrário da castração física, é reversível parando com a medicação. Para criminosos sexuais homens com parafilias extremas ou severas, a castração física parece ter sucesso. Resulta numa taxa em 20 anos de menos de 2.3% de reincidência (contra a taxa de 80% no grupo de controlo sem tratamento), segundo um grande estudo de 1963 envolvendo um total de 1036 criminosos sexuais, feito pelo investigador alemão A. Langelüddeke. Isto foi muito mais baixo do que se esperava, comparado com a taxa geral de reincidência de criminosos sexuais. Apesar disso considera-se cruel e castigador por muitos, mesmo que a castração física não afecte o estilo de vida dos homens (comparados com homens não castrados).[citation needed]

Avaliação de risco[editar | editar código-fonte]

Os terapeutas usam vários métodos para avaliar o risco de reincidência dos criminosos sexuais. As ferramentas de avaliação de risco consideram factores que foram empiricamente ligados através através de pesquisas para o risco de reincidência sexual. Os investigadores e práticos consideram alguns factores como "estáticos", como a idade, o número anterior de crimes sexuais, o género da vítima, a relação com a vítima, e indicadores de psicopatologia e excitação sexual desviante, e outros factores igualmente "dinâmicos", como a obediência ao supervisor e ao tratamento. Examinando ambos os tipos de factores, pode surgir uma mais completa imagem do risco do criminoso, comparando com factores estáticos e dinâmicos usados sozinhos. 

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

É argumentado que nos Estados Unidos os criminosos sexuais foram seleccionados como uma nova mentalização de pânicos morais sobre sexo, perigo estranho, e paranóia nacional, o novo demónios ou bicho papão. As pessoas condenadas de qualquer crime sexual são "transformadas num conceito de maldade, que é depois personificado num grupo de demónios predadores e terroríficos", que são, contrariamente às provas científicas, tratados como uma constante ameaça, habitualmente à espera de uma oportunidade para atacar. Consequentemente, os criminosos sexuais são trazidos a público pelos media no Hallooween, apesar do facto de não existirem registos de casos de rapto ou abuso por criminosos sexuais no Halloween.[20]

Académicos, profissionais de tratamento,[21] e grupos de reformas legais tal como a Reform Sex Offender Laws, Inc.[22] e Women Against Registry criticam a lei actual para os criminosos sexuais como baseada no pânico moral conduzido pelos media e "a emoção pública", mais do que pela tentativa real de proteger a sociedade.[23][24][25][26][27] Isto pode motivar legisladores a passar lei automaticamente[28] para responder à histeria do público, ecoando uma perspectiva de "castigo da população".[29] Muitos legisladores sentem que podem atrair votos parecendo "duros com os criminosos sexuais".[30] Uma discrepância apontada pelos críticos é que John Walsh, pai de Adam Walsh e apoiante da lei Adam Walsh, admitiu ter tido uma relação com uma rapariga de 16 anos enquanto estava no início dos 20 anos e tinha conhecimento que a idade de consentimento era 17 em Nona Iorque, significando que, se fosse condenado, John Walsh poderia ser registado como criminoso sexual. Desde a aprovação da Lei Adam Walsh, o próprio Walsh criticou a lei, dizendo "não conseguem pintar os criminosos sexuais na totalidade"[31]

Os críticos apontam que contrariamente às descrições dos media, os raptos por predadores são muito raros e 93% do abuso sexual de menores é cometido por alguém que a criança conhece: um membro da família, um amigo da família, alguém com posição de autoridade. Segundo o Departamento da Justiça dos Estados Unidos, a reincidência dos criminosos sexuais é 5.3%, a mais baixa de qualquer tipo de crime excepto homicídio.[32]

Os críticos dizem que, enquanto inicialmente apontadas aos piores criminosos, como resultado do pânico moral as leis passaram por uma série de mudanças, muitas com nomes dados pelas vítimas de crimes sexuais famosos, expandindo o alvo das leis a criminosos de baixo nível, e tratando-os da mesma forma que predadores, levando a castigos desproporcionais sendo colocados em registos de criminosos sexuais, com consequentes restrições em mudanças, trabalho e casa.[33][34] Como resultado da narrativa dos media de criminosos sexuais, mostrando rudes crimes como comportamento típicos dos criminosos, e distorcendo os factos dos casos,[35] o pânico aumentou, levando a que legisladores ataquem a descrição judicial, obrigando ao registo, sem considerar a possibilidade de reincidência ou a verdadeira gravidade do crime, punindo menos criminosos graves sob as leis duras de criminosos sexuais.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Artigos[editar | editar código-fonte]

Leis[editar | editar código-fonte]

Monitorização, avaliação, outros[editar | editar código-fonte]

Criminosos[editar | editar código-fonte]

  • Jeffrey Dahmer: Assassino em série com 17 vítimas conhecidas. Muitos dos seus homicídios incluíam abusos sexuais.
  • Richard Allen Davis: Condenado por rapto, violando e matando Polly Klaas (ver a secção de "Vítimas"). 
  • Josef Fritzl: Um homem austríaco que começou a abusar sexualmente da sua filha Elisabeth em 1977 e manteve-a prisioneira na sua casa de 1984 até 2008. Ele abusou sexualmente de Elisabeth, resultando no nascimento de 7 crianças e num aborto. Uma das crianças morreu em bebé, e três estavam presas juntamente com Elisabeth até 2008.
  • Jesse Timmendequas: Um criminoso sexual registado que atraiu Megan Kanka (ver a secção de "Vítimas") até à sua casa e depois a violou e matou.
  • Peter Tobin: Criminosos britânico com longo historial, incluindo condenações por duas violações, que foi condenado por violação e homicídio de uma mulher estudante Polaca em 2007. Depois da sua condenação, foi dado como culpado dos homicídios de duas adolescentes que desapareceram em 1991, e em relatório disse ter morto mais de 40 pessoas.
  • Ottis Toole: Assassino em série que confessou múltiplos homicídios e violações; acredita-se ser o assassino de Adam Walsh ("ver secção de "Vítimas").
  • Don Vito: Personalidade de um reality show americano condenado por tocar duas raparigas de 12 anos em 2007.
  • Ariel Castro: Suspeitos dos raptos de Amanda Berry, Gina DeJesus e Michelle Knight.
  • Chris Ortloff: Antigo membro da Assembleia de Nova Iorque e membro do quadro de liberdade condicional de Nova Iorque, sentenciado em 9 de Agosto de 2010, a 12 anos e 6 meses de prisão mais supervisão perpétua e multa de 50,000 dólares, depois de se dar como culpado de um crime federal em incitamento online de menores.[36]

Vítimas[editar | editar código-fonte]

  • Megan Kanka: violada e assassinada pelo seu vizinho, Jesse Timmendequas, em Nova Jérsia em 1994. O assassinato atraiu atenção nacional e consequentemente levou à introdução da Lei de Megan, que exige esforços policiais para compilar e tornar disponível ao público a informação de criminosos sexuais condenados.
  • Polly Klaas: Raptado com 12 anos da sua casa na Califórnia em 1993. Richard Allen Davis, que tinha historial criminosos desde os anos 60 que incluia crimes sexuais, foi condenado pela sua morte.
  • Jessica Lunsford: Raptado com 9 anos da sua casa na Flórida em 2005 e assassinado por John Couey, um antigo criminoso sexual condenado. A Lei de Jessica passou em vários estados americanos inspirados pelo seu caso.
  • Dru Sjodin: Estudante da Universidade de Dakota do Norte raptado em 2003 e encontrado morto 5 meses depois. Um criminosos sexual registado foi condenado do seu homicídio.
  • Adam Walsh: A 27 de Julho de 1981, o rapto de Adam Walsh não mudou apenas as vidas dos seus pais, mas também de todas as casas com crianças pequenas ao longo do país. Até esse momento, era considerado seguro e aceitável deixar as crianças no carro ou na secção de brinquedos sem vigilância. Adam Walsh, com apenas 6 anos de idade, ficou a brincar com jogos de vídeo com outros 3 rapazes num zona de brinquedos da Sears enquanto a sua mãe comprava lâmpadas apenas a alguns metros. Quando os 4 rapazes começaram a brigar, foi-lhes dito para saírem da loja uma vez que os rapazes disseram que os pais não estavam na loja. Regressando aos jogos de vídeo, a mãe de Adam procurou freneticamente pelo seu filho que não estava em nenhum local. Passaram-se horas antes de a polícia ser chamada e para que a mãe de Adam fosse levada a sério pelas autoridades. Entre o espalhar de panfletos e alertas em Hollywood, Flórida e a nível nacional, a família de Adam e os pais da América perdiam a esperança de o encontrar vivo. Duas semanas depois, um pescador reportou uma cabeça cortada num canal de irrigação perto de 160 quilómetros da loja da Sears que as autoridade identificaram como Adam Walsh pelos registos dentários e verificação de um amigo da família. Dois anos depois, o criminosos condenado Otis Toole confessou o rapto e assassinato de um jovem rapaz apanhado em Hollywood, Flórida no parque de estacionamento da Sears. Inicialmente, a história de Toole tinha a culpa no seu colega, mas seguiu-se a confissão da sua acção a solo no crime, com uma descrição dos eventos idênticos ao testemunho da Sra. Walsh. Mesmo assim, depois de ter falado à polícia de cada passo e cenário que teve lugar no dia de verão de 1981, Toole voltou atrás com a sua confissão de ter cometido o crime. Com isto, os pais de Adam fizeram de sua a missão de serem activistas pelas crianças desaparecidas, e nunca se renderam ao direito de justiça do filho e à sua própria paz de espírito para finalmente fechar o caso. Morrendo na prisão onde esteve por centenas de outros crimes que tinha cometido, Toole foi finalmente acusado e anunciado pelas autoridades 27 anos depois (Fox.com). Esta tragédia mostra a importância da atenção pública para aqueles que têm intenções de magoar as crianças, seja de que forma for. Este crime repetido providenciou numerosas instâncias e exemplos pelo qual ele deveria estar preso permanentemente, mas ele não estava sob supervisão ou liberdade condicional de nenhum tipo para supervisionar as suas actividades no mundo cá fora, a interacção com crianças, ou oportunidade de matar novamente.
  • Jacob Wetterling: Raptado com 11 anos da sua cidade natal Minnesota em 1989 e nunca mais foi visto.
  • Jaycee Lee Dugard: Raptado durante 18 anos.

Activistas[editar | editar código-fonte]

  • John Walsh: Pai de Adam Walsh e apresentador de America's Most Wanted.
  • Patty Wetterling: Mãe de Jacob Wetterling. Notável na oposição de leis de registo muitos amplas que classificam ofensas menores na mesma escala dos predadores de alto risco.

Programas e organizações[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Unsigned, "Couple found guilty of having sex on Florida beach," Miami Herald, May 4, 2015, http://www.miamiherald.com/news/state/florida/article20191164.html, retrieved September 10, 2015.
  2. Sex offender ordinance catches family in legal Trouble, MSNBC.com
  3. «Court keeps man on sex offender list but says 'troubling'». Toledo News Now. 28 de março de 2015 
  4. Levenson, Jill S.; Brannon, Yolanda N.; Fortney, Timothy; Baker, Juanita (12 de abril de 2007). «Public Perceptions About Sex Offenders and Community Protection Policies» (PDF). Analyses of Social Issues and Public Policy. 7 (1): 6. doi:10.1111/j.1530-2415.2007.00119.x 
  5. Harris, Andrew J. R; Hanson, Karl (2004). «Sex Offender Recidivism» (PDF). Public Safety and Emergency Preparedness Canada 
  6. a b c «Recidivism of Sex Offenders Released from Prison in 1994» (PDF). U.S. Department of Justice - Office of Justice Programs. Cópia arquivada (PDF) em 4 de setembro de 2015 
  7. «Recidivism of Prisoners Released in 1994» (PDF). U.S. Department of Justice - Office of Justice Programs. Cópia arquivada (PDF) em 4 de setembro de 2015 
  8. Sex Offender Registry Review 2007
  9. http://www.thedailybeast.com/articles/2016/04/08/child-abusers-find-refuge-in-israel.html
  10. «No Easy Answers: Sex Offender Laws in the US». Human Rights Watch. 11 de setembro de 2007. Consultado em 21 de fevereiro de 2011 
  11. Raised on the Registry: The Irreparable Harm of Placing Children on Sex Offender Registries in the US Human Rights Watch 2013 ISBN 978-1-62313-0084
  12. «The Registration and Community Notification of Adult Sexual Offenders». http://www.atsa.com. Association for the Treatment of Sexual Abusers. 5 de abril de 2010. Consultado em 14 de novembro de 2014 
  13. «Sexual Offender Residence Restrictions». http://www.atsa.com. Association for the Treatment of Sexual Abusers. 5 de abril de 2010. Consultado em 14 de novembro de 2014 
  14. Colorado Bureau of Investigation, Colorado Division of Criminal Justice, Colorado Sex Offender Management Board.
  15. Marshall, W.L., Jones, R., Ward, T., Johnston, P. & Bambaree, H.E.(1991).
  16. Maguth Nezu, C., Fiore, A.A. & Nezu, A.M (2006).
  17. Rea, J. (2003).
  18. Marshall, W.L., Jones, R., Ward, T., Johnston, P. & Bambaree, H.E.(1991).
  19. "An Audit Report on Selected Rehabilitation Programs at the Department of Criminal Justice."
  20. Extein, Andrew (25 de outubro de 2013). «Fear the Bogeyman: Sex Offender Panic on Halloween». Huffington Post. Consultado em 26 de novembro de 2014 
  21. Rogers, Laura (30 de julho de 2007). «Comments on Proposed Guidelines to Interpret and Implement the Sex Offender Registration and Notification Act (SORNA)» (PDF). http://www.atsa.com/. Association for the Treatment of Sexual Abusers. Consultado em 18 de abril de 2016. Arquivado do original (PDF) em 12 de outubro de 2011 
  22. «Our History». http://nationalrsol.org. Reform Sex Offender Laws, Inc. Consultado em 25 de novembro de 2014 
  23. Maguire, Mary; Singer, Jennie Kaufman (4 de dezembro de 2010). «A False Sense of Security: Moral Panic Driven Sex Offender Legislation». Critical Criminology. 19 (4): 301–312. doi:10.1007/s10612-010-9127-3 
  24. Walker, Bela (19 de janeiro de 2011). «Essay: Deciphering Risk: Sex Offender Statutes and Moral Panic in a Risk Society». The University of Baltimore Law Review. 40 (2) 
  25. Spohn, Ryan (31 de julho de 2013). «Nebraska Sex Offender Registry Study Final Report» (PDF). University of Nebraska - Omaha. p. 51. Consultado em 21 de novembro de 2014 
  26. Fox, Kathryn J. (28 de fevereiro de 2012). «Incurable Sex Offenders, Lousy Judges & The Media: Moral Panic Sustenance in the Age of New Media». American Journal of Criminal Justice. 38 (1): 160–181. doi:10.1007/s12103-012-9154-6 
  27. Lancaster, Roger (20 de fevereiro de 2013). «Panic Leads to Bad Policy on Sex Offenders». The New York Times 
  28. Wright, Richard G. (2014). Sex offender laws: failed policies, new directions Second edition. ed. [S.l.]: Springer Publishing Company. p. 64. ISBN 0826196713 
  29. Mcalinden, Anne-Marie (1 de maio de 2006). «Managing risk: From regulation to the reintegration of sexual offenders». Criminology and Criminal Justice. 6 (2): 201. doi:10.1177/1748895806062981 
  30. Mansnerus, Laura (29 de maio de 2005). «ON POLITICS; Stoking 'Moral Panic' Over Sex Offenders». The New York Times 
  31. Koch, Wendy (26 de fevereiro de 2007). «Sex-offender residency laws get second look». USA Today 
  32. Langan, Patrick; Schmitt, Erica; Durose, Matthew (novembro de 2003). «Recidivism of Prisoners Released in 1994» (PDF). U.S. Department of Justice. Consultado em 26 de novembro de 2014 
  33. Levin, Sam (5 de setembro de 2013). «Missouri Sex Offenders: "Women Against Registry" Says Labels Unfairly Destroy Lives». Riverfront Times. Consultado em 26 de novembro de 2014 
  34. Lancaster, Roger (20 de fevereiro de 2013). «Panic Leads to Bad Policy on Sex Offenders». The New York Times. Consultado em 26 de novembro de 2014 
  35. Fox, Kathryn J. (28 de fevereiro de 2012). «Incurable Sex Offenders, Lousy Judges & The Media: Moral Panic Sustenance in the Age of New Media». American Journal of Criminal Justice. 38 (1): 160–181. ISSN 1936-1351. doi:10.1007/s12103-012-9154-6 
  36. «Former New York State Parole Board Member and State Assemblyman Sentenced for Online Enticement of Minors». FBI Official Website. US Federal Bureau of Investigation. Consultado em 31 de agosto de 2015 

Links externos[editar | editar código-fonte]