Cristina de Bourbon-Duas Sicílias

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde setembro de 2016). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Cristina
Princesa de Bourbon-Duas Sicílias
Foto da princesa Cristina no berço
Casa Bourbon-Duas Sicílias
Nome completo
Maria Cristina Pia Anna Isabella Natalia Elisa
Nascimento 24 de dezembro de 1869
  Roma, Itália
Morte 28 de março de 1870 (0 ano)
  Roma, Itália
Enterro Basílica de Santa Clara, Nápoles
Pai Francisco II das Duas Sicílias
Mãe Maria Sofia na Baviera
Religião Católico romano

Cristina de Bourbon-Duas Sicílias (24 de dezembro de 1869 - 28 de março de 1870) foi a única filha do rei Francisco II das Duas Sicílias e da duquesa Maria Sofia na Baviera.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Seus pais[editar | editar código-fonte]

Exilado em Roma (ainda sob o domínio pontifício), os Bourbons-Duas Sicílias precisavam, para perpetuar a sua dinastia, ameaçada pelo recém-nascido Reino de Itália, que se esforçou, em seus primeiros anos sob a Casa de Saboia para contolar o sul da península Itálica. Desde que fugiram do castelo de Gaeta, onde tinham procurado refúgio, os soberanos tinham olhado para a situação atual como se fosse temporária, como tinha sido o caso para os seus pais durante o tempo do império napoleônico).

Pouco apoiada por outras famílias reinantes europeus, que haviam assistido os Saboia tomar os tronos dos parentes, os Bourbons-Duas Sicílias estavam bem conscientes da importância de uma linha de sangue forte, saudável para incentivar antigos súditos a agir contra os Saboia - daí a pressão sobre Francisco e Maria Sofia para conceber um herdeiro saudável.

Maria Sofia, depois de estar doente durante algum tempo, finalmente deu livre curso à sua sensualidade e começou vários casos extraconjugais. Um de seus amantes, o belga Conde Armand de Lawayss, teve uma filha com ela. A gravidez foi mantido bem escondido por sua mãe Luísa Guilhermina da Baviera e os irmãos para evitar um escândalo, e depois do nascimento, a criança foi levada para ser criada por seus parentes paternos. Maria Sofia nunca viu esta criança novamente.

Morte[editar | editar código-fonte]

A saúde da princesa rapidamente se deteriorou incuravelmente. Sua morte, em apenas três meses de idade, sacudiu o relacionamento de seus pais para sempre: Maria Sofia deixou Roma e nunca mais voltou, enquanto Francisco tornou-se ainda mais introvertido, perdendo o interesse por deveres reais e dedicando seu tempo quase que totalmente à oração e funções religiosas.

O enterro da princesinha teve lugar na igreja de Santo Spirito dei Napoletani em Roma, de onde os restos mortais foram transferidos em 18 de maio de 1984, juntamente com as de seus pais, para a capela da família Bourbon, em Nápoles.

Ascendência[editar | editar código-fonte]