Maria Cristina de Saboia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Maria Cristina
Princesa de Saboia
Princesa da Sardenha
Rainha Consorte das Duas Sicílias
Reinado 21 de novembro de 1832
a 31 de janeiro de 1836
Predecessora Maria Isabel da Espanha
Sucessora Maria Teresa da Áustria
 
Cônjuge Fernando II das Duas Sicílias
Descendência Francisco II das Duas Sicílias
Casa Saboia (por nascimento)
Bourbon-Duas Sicílias (por casamento)
Nome completo em italiano: Maria Cristina Carlotta Giuseppa Gaetana Efisia di Savoia
Nascimento 14 de novembro de 1812
  Cagliari, Reino da Sardenha
Morte 21 de janeiro de 1836 (23 anos)
  Nápoles, Reino das Duas Sicílias
Enterro Basílica de Santa Clara, Nápoles
Pai Vítor Emanuel I da Sardenha
Mãe Maria Teresa da Áustria-Este
Religião Catolicismo
Brasão


Beata Maria Cristina de Saboia
Imagem descerrada na Basílica de Santa Clara durante a missa de beatificação.[1]
Rainha das Duas Sicílias
Veneração por Igreja Católica
Beatificação 25 de janeiro de 2014, Basílica de Santa Clara, Nápoles por Papa Francisco
Festa litúrgica 31 de janeiro
Gloriole.svg Portal dos Santos

Maria Cristina Carlota Josefina Caetana Elisa de Saboia (Cagliari, 14 de novembro de 1812Nápoles, 21 de janeiro de 1836) foi rainha consorte das Duas Sicílias como a a primeira esposa do rei Fernando II.

Família[editar | editar código-fonte]

Maria Cristina era a filha mais jovem do rei Vítor Emanuel I da Sardenha e de sua esposa, a arquiduquesa Maria Teresa de Áustria-Este.

Seus avós paternos eram o rei Vítor Amadeu III da Sardenha e a infanta Maria Antônia Fernanda da Espanha. Seus avós maternos eram o arquiduque Fernando Carlos de Áustria e Maria Beatriz d'Este, duquesa de Massa e princesa de Carrara.

Maria Cristina nasceu em Cagliari em 14 de novembro de 1812, durante o período revolucionário e quando Piemonte, onde ficava a capital do reino, Turim, foi ocupada por tropas francesas. De volta a Turim, ainda muito jovem, ela foi educada na corte.

Em 1830, a aristocracia de Turim organizou em sua homenagem uma grande festa para seu noivado com Fernando II das Duas Sicílias; A baronesa Olimpia Savio, que naquela ocasião estava fazendo sua estréia na sociedade, recorda em suas memórias: "A princesa Cristina não tinha mais de 20 anos: era bonita, de uma beleza séria e doce: alta, branca, dois grandes ondas de mechas marrons com anéis adornavam poeticamente aquele rosto pálido e pálido, iluminado por dois grandes olhos expressivos, vestido com um vestido azul e branco, as cores do céu a que estava destinado e carregando um grande diadema de diamantes na testa. o rótulo rígido não permitia. Atraído por aquela personalidade agradável, distinta e ao mesmo tempo tão modesta, eu não tinha olhos e simpatias por ela, a única atraente entre aquelas cabeças coroadas ". Havia também suas irmãs, as duquesas de Modena e Lucca, e sua mãe, a rainha Maria Teresa da Áustria-Este, uma mulher de espírito forte, mas pouco amada por sua arrogância e aversão às liberdades políticas.

Biografia[editar | editar código-fonte]

No dia 21 de novembro de 1832, a princesa, então com vinte anos de idade, desposou o rei Fernando II das Duas Sicílias, de vinte e um anos. Eles tiveram apenas um filho, o futuro Francisco II das Duas Sicílias, em 1836. Maria Cristina morreu cinco dias depois do parto.

Maria Cristina era extremamente religiosa e extremamente devota: uma cristã fervorosa, ela se viu morando em um tribunal cujo estilo de vida estava muito longe de sua sensibilidade. Com o exuberante marido, houve alguma dificuldade no relacionamento, mas a mulher conseguiu refinar, se não os costumes, pelo menos a política repressiva. Nos poucos anos em que foi rainha, conseguiu impedir a execução de todas as penas de morte e "enquanto ela vivesse, todos os condenados à morte seriam graciosos".

No entanto, ele não teve a oportunidade de se aventurar em outra interferência política: dedicou-se principalmente a ações de bondade para com os pobres e os doentes. Uma mulher de grande mansidão, fez-se muito apreciada por todos e sabia como reagir de maneira inteligente às piadas do marido: uma história diz que um dia, quando a rainha estava sentada ao piano, Fernando puxou a cadeira para trás e riu, ouvindo sua resposta: «Pensei: ter casado com o rei de Nápoles, não um lazzarone".

Morte[editar | editar código-fonte]

Maria Cristina morreu aos 24 anos pelos efeitos colaterais do parto, ao dar à luz seu único filho Francisco, que com a morte de seu pai teria subido ao trono, tornando-se o último rei do Reino das Duas Sicílias. O próprio Francisco teria sido educado na adoração de sua mãe, chamada de Santa Rainha. Fernando, menos de um ano depois, se casou com Maria Teresa, de Habsburgo-Teschen.

O único filho de Francisco II e sua esposa Maria Sofia da Baviera, uma menina que nasceu quando seus pais já estavam no exílio, recebeu o nome de sua avó. No entanto, a pequena Maria Cristina Pia viveu apenas alguns meses.

Em 3 de maio de 2013, o Papa Francisco autorizou a promulgação do decreto apresentado pela Congregação para as Causas dos Santos que reconhecia um milagre ocorrido pela intercessão de Maria Cristina. A missa de beatificação foi celebrada em 25 de janeiro de 2014 na Basílica de Santa Clara, em Nápoles, onde a rainha encontra-se sepultada.[2][3] Sua festa litúrgica ocorre todo dia 31 de janeiro.[4]

Títulos e honras[editar | editar código-fonte]

  • 14 de novembro de 1812 - 21 de novembro de 1832: Sua Alteza Real a princesa Maria Cristina de Saboia, Princesa da Sardenha
  • 21 de novembro de 1832 - 21 de janeiro de 1836: Sua Majestade a Rainha das Duas Sicílias

Póstumas[editar | editar código-fonte]

  • 10 de julho de 1872 - 6 de maio de 1937: Serva de Deus Maria Cristina de Saboia, Rainha das Duas Sicílias
  • 6 de maio de 1937 - 25 de janeiro de 2014: Venerável Serva de Deus Maria Cristina de Saboia, Rainha das Duas Sicílias
  • 25 de janeiro de 2014 - presente: Beata Maria Cristina de Saboia, Rainha das Duas Sicílias

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Beatificata a Napoli Maria Cristina di Savoia». Assisi OFM (em italiano). 25 de janeiro de 2014. Consultado em 28 de Julho de 2016 
  2. «Beatificata a Napoli Maria Cristina di Savoia, "reginella santa"». Official Vatican Network (em italiano). 25 de janeiro de 2014. Consultado em 28 de Julho de 2016 
  3. «Maria Cristina di Savoia - La beatificazione il 25 gennaio 2014». Assisi OFM (em italiano). Consultado em 28 de Julho de 2016 
  4. Siccardi, Cristina; Borrelli, Antonio. «Beata Maria Cristina di Savoia Regina della Due Sicilie». Santi, Beati i Testimoni (em italiano). Consultado em 28 de Julho de 2016 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Maria Cristina de Saboia